Região

22 nov 19 | 9h49 Por Jocimar Soares

Seara aparece na lista dos municípios com médio risco de transmissão da dengue

Já Concórdia, Itá e Xavantina aparecem na lista das cidades com baixo risco de transmissão. Todas as cidades são consideradas infestadas.

Seara aparece na lista dos municípios com médio risco de transmissão da dengue
Imprimir

Dos quatro municípios da região do Alto Uruguai Catarinense, considerados infestados pelo mosquito da dengue, apenas Seara figura na lista das cidades com médio risco da doença. A informação consta em boletim divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde.


Além de Seara, outras 38 cidades figuram nessa lista. Os demais municípios (Concórdia, Itá e Xavantina) estão na lista dos que têm baixo risco de transmissão. Nenhuma cidade da região está na lista das que possuem alto risco de contaminação.


Conforme a Dive, para fazer o levantamento, foram visitados imóveis nos municípios e feita a coleta de larvas do mosquito transmissor. O cálculo do risco é feito dividindo-se o número de focos pelo número de imóveis visitados.


22 nov 19 | 9h49 Por Jocimar Soares

Seara aparece na lista dos municípios com médio risco de transmissão da dengue

Já Concórdia, Itá e Xavantina aparecem na lista das cidades com baixo risco de transmissão. Todas as cidades são consideradas infestadas.

Seara aparece na lista dos municípios com médio risco de transmissão da dengue

Dos quatro municípios da região do Alto Uruguai Catarinense, considerados infestados pelo mosquito da dengue, apenas Seara figura na lista das cidades com médio risco da doença. A informação consta em boletim divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde.


Além de Seara, outras 38 cidades figuram nessa lista. Os demais municípios (Concórdia, Itá e Xavantina) estão na lista dos que têm baixo risco de transmissão. Nenhuma cidade da região está na lista das que possuem alto risco de contaminação.


Conforme a Dive, para fazer o levantamento, foram visitados imóveis nos municípios e feita a coleta de larvas do mosquito transmissor. O cálculo do risco é feito dividindo-se o número de focos pelo número de imóveis visitados.