Opinião

26 fev 21 | 9h12

A conta sempre chega! Infelizmente essa pode custar vidas

A conta sempre chega! Infelizmente essa pode custar vidas
Imprimir

Não tem como fugir do assunto. Infelizmente a Covid-19 nos pauta, nos assusta e nos faz refletir.


Quem lembra do início da pandemia? Lá em março do ano passado, quando especialistas falavam na possível falta de leitos, no colapso do sistema da saúde, nos profissionais de saúde que estariam esgotados? Quem lembra de quando os especialistas diziam que a pandemia poderia chegar em um momento caótico, onde os médicos, por falta de leitos e de insumos, teriam que escolher, “quem fica e quem vai”?


A gente viu hospitais de campanha sendo montados, tendas de triagem, como a que foi instalada em Concórdia, além de outras iniciativas. O tal colapso, naquele momento, não se confirmou aqui. Porém, infelizmente a realidade que assusta, que causa pânico e que tira vidas, chegou! Chapecó e Xanxerê, por exemplo, vivem um momento desesperador. E Concórdia também está no caminho.


Faz tempo que os médicos falam que a pandemia não acabou. Faz tempo que se pede responsabilidade e empatia. O tempo passou e na noite de quinta-feira, dia 25 de fevereiro, o Hospital São Francisco comunicou que está entrando em colapso. Sim! Vai faltar leito, medicamentos e profissionais de saúde. É esse vírus tomando o espaço da vida.


A maioria dos que não acreditava na crueldade e na letalidade desta doença, agora assiste a triste realidade e não questiona mais. Só quem está no combate, na linha de frente, trabalhando nos hospitais e postos de retaguarda, é que pode dizer o quanto essa doença é cruel. Eles têm propriedade para falar, pois arriscam a vida diariamente, para salvar a de outras pessoas.


Eu volto a perguntar. De quem é a culpa? Das pessoas que insistem em não respeitar as regras? Dos governantes, que parecem tomar medidas mais rígidas somente agora, quando realmente não há mais leitos? É a demora para a compra de vacinas?


São perguntas que merecem, ao menos, nossa reflexão. A conta chegou!

Cristiano Mortari
Conexão Regional

26 fev 21 | 9h12 Por Cristiano Mortari

A conta sempre chega! Infelizmente essa pode custar vidas

A conta sempre chega! Infelizmente essa pode custar vidas

Não tem como fugir do assunto. Infelizmente a Covid-19 nos pauta, nos assusta e nos faz refletir.


Quem lembra do início da pandemia? Lá em março do ano passado, quando especialistas falavam na possível falta de leitos, no colapso do sistema da saúde, nos profissionais de saúde que estariam esgotados? Quem lembra de quando os especialistas diziam que a pandemia poderia chegar em um momento caótico, onde os médicos, por falta de leitos e de insumos, teriam que escolher, “quem fica e quem vai”?


A gente viu hospitais de campanha sendo montados, tendas de triagem, como a que foi instalada em Concórdia, além de outras iniciativas. O tal colapso, naquele momento, não se confirmou aqui. Porém, infelizmente a realidade que assusta, que causa pânico e que tira vidas, chegou! Chapecó e Xanxerê, por exemplo, vivem um momento desesperador. E Concórdia também está no caminho.


Faz tempo que os médicos falam que a pandemia não acabou. Faz tempo que se pede responsabilidade e empatia. O tempo passou e na noite de quinta-feira, dia 25 de fevereiro, o Hospital São Francisco comunicou que está entrando em colapso. Sim! Vai faltar leito, medicamentos e profissionais de saúde. É esse vírus tomando o espaço da vida.


A maioria dos que não acreditava na crueldade e na letalidade desta doença, agora assiste a triste realidade e não questiona mais. Só quem está no combate, na linha de frente, trabalhando nos hospitais e postos de retaguarda, é que pode dizer o quanto essa doença é cruel. Eles têm propriedade para falar, pois arriscam a vida diariamente, para salvar a de outras pessoas.


Eu volto a perguntar. De quem é a culpa? Das pessoas que insistem em não respeitar as regras? Dos governantes, que parecem tomar medidas mais rígidas somente agora, quando realmente não há mais leitos? É a demora para a compra de vacinas?


São perguntas que merecem, ao menos, nossa reflexão. A conta chegou!