Momento Agro

09 out 19 | 10h49 Por Jocimar Soares

Valo do quilo vivo do suíno aumentou mais R$ 0,10 para os produtores integrados

Reajuste tem validade para os produtores integrados da Pamplona e Coopercentral Aurora.

Valo do quilo vivo do suíno aumentou mais R$ 0,10 para os produtores integrados
Imprimir

O valor do quilo vivo do suíno terminado, pago ao produtor integrado, aumentou mais R$ 0,10 nesta semana. A informação é da Associação Catarinense de Criadores de Suínos, ACCS./ Com isso, a Coopercentral Aurora e a Pamplona passaram a pagar R$ 3,90 o quilo vivo do suíno. Por outro lado, BRF e JBS mantém os valores em R$ 3,80. Já o quilo vivo do leitão também passou para R$ 3,90, aumentando R$ 0,05.


Em entrevista ao Jornal Primeira Hora, no quadro Momento Agro, o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos, Losivânio de Lorenzi, afirmou que nesse período do ano é natural que ocorram reajustes ou repasses de aumento para os produtores, em função da grande demanda por carne suína para o período de fim de ano. Soma-se a isso, o aumento nas exportações da carne suína por conta da abertura de novos mercados e dos problemas em plantéis na China, que sofre com a Peste Suína Africana.


09 out 19 | 10h49 Por Jocimar Soares

Valo do quilo vivo do suíno aumentou mais R$ 0,10 para os produtores integrados

Reajuste tem validade para os produtores integrados da Pamplona e Coopercentral Aurora.

Valo do quilo vivo do suíno aumentou mais R$ 0,10 para os produtores integrados

O valor do quilo vivo do suíno terminado, pago ao produtor integrado, aumentou mais R$ 0,10 nesta semana. A informação é da Associação Catarinense de Criadores de Suínos, ACCS./ Com isso, a Coopercentral Aurora e a Pamplona passaram a pagar R$ 3,90 o quilo vivo do suíno. Por outro lado, BRF e JBS mantém os valores em R$ 3,80. Já o quilo vivo do leitão também passou para R$ 3,90, aumentando R$ 0,05.


Em entrevista ao Jornal Primeira Hora, no quadro Momento Agro, o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos, Losivânio de Lorenzi, afirmou que nesse período do ano é natural que ocorram reajustes ou repasses de aumento para os produtores, em função da grande demanda por carne suína para o período de fim de ano. Soma-se a isso, o aumento nas exportações da carne suína por conta da abertura de novos mercados e dos problemas em plantéis na China, que sofre com a Peste Suína Africana.