Momento Agro

16 out 19 | 15h22 Por Jocimar Soares

Sopelsa realiza reunião e encaminha ações para fortalecer a produção de leite nos três estados

Assunto foi discutido na última semana no Rio Grande do Sul.

Sopelsa realiza reunião e encaminha ações para fortalecer a produção de leite nos três estados
Imprimir

O deputado Moacir Sopelsa (MDB), presidente da Frente Parlamentar da Produção e Industrialização do Leite na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), esteve na sexta-feira, dia 11, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul para encaminhar ações conjuntas em defesa dos produtores e da produção de leite. No encontro, no gabinete do deputado gaúcho, Ernani Polo, com o chefe de gabinete, Carlos Carvalho, o diretor de defesa agropecuária da secretaria da agricultura do Rio Grande do Sul, Antônio Carlos de Quadros Ferreira Neto e a fiscal agropecuária, Karla Pivato, as lideranças conversam sobre a possibilidade de criação de uma Frente Parlamentar do Leite no parlamento gaúcho. “O deputado Ernani Polo que já foi secretário da agricultura do Rio Grande do Sul e tem um forte trabalho de base no setor tem interesse em liderar esta frente, neste sentido estamos repassando a nossa experiência em Santa Catarina para realizarmos uma ação conjunta”, explica Sopelsa. “Nossa intenção é também articular com o Paraná para formar um frente nos três Estados do sul”, complementa.


As lideranças dos três Estados querem transformar a região na maior produtora de leite do país, com capacidade para abastecer o mercado interno e gerar excedentes para exportação. Neste contexto, a produção de leite seria uma nova geradora de divisas e riquezas para Santa Catarina, o Paraná e o Rio Grande do Sul. Para isso existem alguns elementos estruturais, que entravam a atuação do setor leiteiro em escala internacional. Um dos pontos decisivos é o custo de produção, ainda considerado alto em comparação com outros países. Numa avaliação geral, isso tem relação direta com a questão tributária: os impostos atrelados a insumos ainda pesam demasiadamente sobre a produção.


Segundo Sopelsa é preciso fortalecer o setor, para isto é preciso trabalhar a parceria entre o produtor e a indústria. Ao construir um projeto de trabalho entre os três estados do sul, temos mais possibilidade de alcançar os objetivos. “A produção de leite precisa ser viável no campo, além de produzir com qualidade precisamos construir políticas públicas de incentivo a produção e comercialização do leite. A União entre os três estados do sul é um grande passo neste sentido, sobretudo para a unificação das práticas tributárias”, finaliza.


(Fonte: Douglas Fortes/Especial)

16 out 19 | 15h22 Por Jocimar Soares

Sopelsa realiza reunião e encaminha ações para fortalecer a produção de leite nos três estados

Assunto foi discutido na última semana no Rio Grande do Sul.

Sopelsa realiza reunião e encaminha ações para fortalecer a produção de leite nos três estados

O deputado Moacir Sopelsa (MDB), presidente da Frente Parlamentar da Produção e Industrialização do Leite na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), esteve na sexta-feira, dia 11, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul para encaminhar ações conjuntas em defesa dos produtores e da produção de leite. No encontro, no gabinete do deputado gaúcho, Ernani Polo, com o chefe de gabinete, Carlos Carvalho, o diretor de defesa agropecuária da secretaria da agricultura do Rio Grande do Sul, Antônio Carlos de Quadros Ferreira Neto e a fiscal agropecuária, Karla Pivato, as lideranças conversam sobre a possibilidade de criação de uma Frente Parlamentar do Leite no parlamento gaúcho. “O deputado Ernani Polo que já foi secretário da agricultura do Rio Grande do Sul e tem um forte trabalho de base no setor tem interesse em liderar esta frente, neste sentido estamos repassando a nossa experiência em Santa Catarina para realizarmos uma ação conjunta”, explica Sopelsa. “Nossa intenção é também articular com o Paraná para formar um frente nos três Estados do sul”, complementa.


As lideranças dos três Estados querem transformar a região na maior produtora de leite do país, com capacidade para abastecer o mercado interno e gerar excedentes para exportação. Neste contexto, a produção de leite seria uma nova geradora de divisas e riquezas para Santa Catarina, o Paraná e o Rio Grande do Sul. Para isso existem alguns elementos estruturais, que entravam a atuação do setor leiteiro em escala internacional. Um dos pontos decisivos é o custo de produção, ainda considerado alto em comparação com outros países. Numa avaliação geral, isso tem relação direta com a questão tributária: os impostos atrelados a insumos ainda pesam demasiadamente sobre a produção.


Segundo Sopelsa é preciso fortalecer o setor, para isto é preciso trabalhar a parceria entre o produtor e a indústria. Ao construir um projeto de trabalho entre os três estados do sul, temos mais possibilidade de alcançar os objetivos. “A produção de leite precisa ser viável no campo, além de produzir com qualidade precisamos construir políticas públicas de incentivo a produção e comercialização do leite. A União entre os três estados do sul é um grande passo neste sentido, sobretudo para a unificação das práticas tributárias”, finaliza.


(Fonte: Douglas Fortes/Especial)