Coronavírus

30 jul 20 | 14h29 Por Cristiano Mortari

Amauc deve ter poucas mudanças nas medidas restritivas, mesmo com classificação de risco gravíssimo

Presidente da Associação dos Municípios, Emerson Reichert, diz que a região não pode ser penalizada, já que fez o "dever de casa"

Amauc deve ter poucas mudanças nas medidas restritivas, mesmo com classificação de risco gravíssimo
Imprimir

Os prefeitos da Amauc ser reuniram novamente em plataforma virtual, na manhã desta quinta-feira, dia 30, para analisar as ações que estão sendo praticadas no enfrentamento ao Coronavírus, já que nesta semana a região passou a ter nova classificação de risco para o contágio. Agora a região se enquadra entre as que estão com potencial gravíssimo. Na reunião ficou acordado que as medidas restritivas que já estão em vigor serão mantidas, e poucas alterações devem ser feitas. A fiscalização deve ser intensificada em cada município. Alguns estabelecimentos podem ter novo horário de funcionamento.


O prefeito de Ipira e presidente da Amauc, Emerson Reichrt, relatou em entrevista à Rádio Aliança, que esta classificação de risco gravíssimo, é consequência da ocupação de leitos de UTI- Covid-19 do Hospital São Francisco. Mas ele argumenta que essa ocupação não reflete o trabalho de enfrentamento feito na Amauc. “O Hospital São Francisco teve seus leitos de UTI para Covid-19 todos ocupados nesta semana. Mas a maioria dos pacientes é de outras regiões, ou seja, aqui na Amauc estamos fazendo o dever de casa e nossos números mostram que temos um bom resultado. Não é justo termos que estabelecer normas mais rígidas novamente”, comentou. “A questão de encaminhamento de pacientes para Concórdia é de responsabilidade do Estado. Não temos como impedir isso. A gente entende e se solidariza com os pacientes de fora, mas estamos trabalhando para mostrar para o Governo do Estado que não podemos ser penalizados, não podemos parar a economia local, sendo que nossa população tem respeitado as regras”, salientou o presidente da Amauc.


Emerson destacou que 142 mil pessoas residem nos municípios da Amauc e que hoje apenas 122 estão com o vírus ativo. “Podemos sim ter novas medidas, mas nada que mude muito, pois nós já estamos atendendo recomendações, como se estivéssemos nesta classificação de potencial gravíssimo”, reiterou.


De acordo com Reichert, nesta quinta-feira, a ocupação de leitos de UTI Covid-19, é de 78% no Hospital São Francisco. “Estamos trabalhando para ampliar o número de leitos aqui. Já fizemos contato com o Estado e aguardamos um posicionamento. Caso não seja possível, vamos solicitar que determinem e nos disponibilizem leitos de Hospitais particulares”, adiantou o prefeito de Ipira.





30 jul 20 | 14h29 Por Cristiano Mortari

Amauc deve ter poucas mudanças nas medidas restritivas, mesmo com classificação de risco gravíssimo

Presidente da Associação dos Municípios, Emerson Reichert, diz que a região não pode ser penalizada, já que fez o "dever de casa"

Amauc deve ter poucas mudanças nas medidas restritivas, mesmo com classificação de risco gravíssimo

Os prefeitos da Amauc ser reuniram novamente em plataforma virtual, na manhã desta quinta-feira, dia 30, para analisar as ações que estão sendo praticadas no enfrentamento ao Coronavírus, já que nesta semana a região passou a ter nova classificação de risco para o contágio. Agora a região se enquadra entre as que estão com potencial gravíssimo. Na reunião ficou acordado que as medidas restritivas que já estão em vigor serão mantidas, e poucas alterações devem ser feitas. A fiscalização deve ser intensificada em cada município. Alguns estabelecimentos podem ter novo horário de funcionamento.


O prefeito de Ipira e presidente da Amauc, Emerson Reichrt, relatou em entrevista à Rádio Aliança, que esta classificação de risco gravíssimo, é consequência da ocupação de leitos de UTI- Covid-19 do Hospital São Francisco. Mas ele argumenta que essa ocupação não reflete o trabalho de enfrentamento feito na Amauc. “O Hospital São Francisco teve seus leitos de UTI para Covid-19 todos ocupados nesta semana. Mas a maioria dos pacientes é de outras regiões, ou seja, aqui na Amauc estamos fazendo o dever de casa e nossos números mostram que temos um bom resultado. Não é justo termos que estabelecer normas mais rígidas novamente”, comentou. “A questão de encaminhamento de pacientes para Concórdia é de responsabilidade do Estado. Não temos como impedir isso. A gente entende e se solidariza com os pacientes de fora, mas estamos trabalhando para mostrar para o Governo do Estado que não podemos ser penalizados, não podemos parar a economia local, sendo que nossa população tem respeitado as regras”, salientou o presidente da Amauc.


Emerson destacou que 142 mil pessoas residem nos municípios da Amauc e que hoje apenas 122 estão com o vírus ativo. “Podemos sim ter novas medidas, mas nada que mude muito, pois nós já estamos atendendo recomendações, como se estivéssemos nesta classificação de potencial gravíssimo”, reiterou.


De acordo com Reichert, nesta quinta-feira, a ocupação de leitos de UTI Covid-19, é de 78% no Hospital São Francisco. “Estamos trabalhando para ampliar o número de leitos aqui. Já fizemos contato com o Estado e aguardamos um posicionamento. Caso não seja possível, vamos solicitar que determinem e nos disponibilizem leitos de Hospitais particulares”, adiantou o prefeito de Ipira.