ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Foto Divulgação Internet
Arábia Saudita suspende importação de frango de 33 frigoríficos do Brasil
Medida pode ser início de barreiras impostas após transferência de embaixada brasileira em Israel
Publicado 22/01/2019
 

Por Analu Slongo

A Arábia Saudita, maior importadora de carne de frango do Brasil, desabilitou cinco frigoríficos da lista dos exportadores brasileiros para o país árabe. Dos 58 frigoríficos habilitados a exportar para a Arábia Saudita, restaram, portanto, apenas 25 com autorização, mas nem todos efetivamente vendem ao país. 

 

Entre as unidades descredenciadas pelos árabes estão frigoríficos da BRF e JBS, empresas bastante atuantes no setor. O governo brasileiro recebeu uma mensagem dos árabes comunicando o descredenciamento.

 

De acordo com pessoas do setor de avicultura ouvidas pela coluna, suspeita-se que a retirada de empresas brasileiras do mercado da Arábia Saudita possa ser o começo das barreiras econômicas colocadas devido intenção de transferir a embaixada brasileria de Tel Aviv, para Jerusalem, em Israel. A Arábia Saudita ficou com 14% das exportações de carne de frango do Brasil no ano passado. A China, segunda maior importadora, ficou com 11%.

 

Nota da Associação Brasileira de Proteína Animal

 

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) se manifestou sobre o assunto por meio de nota. A entidade confirma que a Arábia Saudita mantém a autorização de 25 plantas frigoríficas de carne de frango, entre 58 habilitadas para exportar ao país árabe. As empresas autorizadas constam em uma lista divulgada pelas autoridades sauditas.  As razões informadas para a não-autorização das demais plantas habilitadas decorrem de critérios técnicos.  Planos de ação corretiva estão em implementação para a retomada das autorizações. A ABPA está em contato com o Governo Brasileiro para que, em tratativa com o Reino da Arábia Saudita, sejam solvidos os eventuais questionamentos e incluídas as demais plantas.

 

Fonte: Folha de São Paulo

COMENTE