Região

06 ago 19 | 11h23 Por Cristiano Mortari

OUÇA - Vice-prefeito pede que pessoas não divulguem “fake news” sobre operação realizada em Irani

Segundo ele, algumas pessoas estão questionando e enviando fotos das viaturas policias sem saber do real motivo

OUÇA - Vice-prefeito pede que pessoas não divulguem “fake news” sobre operação realizada em Irani
Escute
Imprimir

Em contato com a Rádio Aliança na manhã desta terça-feira, dia 06, o vice-prefeito e secretário de Administração de Irani, Marcelo Pegoraro, esclareceu que a Operação Flamel, do Ministério Público Federal, que cumpre mandados de busca e apreensão no município, não tem a ver com a atual administração. Ele solicitou que as pessoas não divulguem falsas informações.


A Operação foi deflagrada em Irani por volta das 7h. De acordo com Pegoraro, muitas fotos das viaturas que estavam em frente à Prefeitura foram sendo repassadas em redes sociais, mas em algumas das mensagens não estava esclarecido o real motivo da ação do MPF e da Polícia. “A gente sabe que a imprensa já divulgou a informação correta, mas mesmo assim, as mensagens foram circulando pela manhã, com notícias falsas e dúvidas. Por isso é preciso deixar bem claro que a Operação não tem nada a ver com nossa gestão. Os agentes recolheram documentos do período de 2012 a 2016”, explica. “É importante que as pessoas não repassem as informações sem certeza, ou as notícias falsas”, solicita.


Pegoraro também comenta que os servidores auxiliaram os agentes na busca de documentos. “Eles chegaram por volta das 7h com o mandado de busca e apreensão de documentos. Uma servidora já estava na Prefeitura e foi auxiliando e em seguida outros funcionários chegaram e também ajudaram”, conta o vice-prefeito. “Eles iam solicitando e nós íamos mostrando onde a documentação estava. Os agentes levaram documentos, pastas e arquivos”, relata.



A Operação:


O Ministério Público Federal (MPF) em Santa Catarina deflagrou na manhã desta terça-feira (6) a Operação Flamel, com o cumprimento de nove mandados de busca e apreensão nos municípios de Irani, Vargem Bonita e Concórdia. A operação é conduzida pelo MPF em Chapecó, com o apoio da Assessoria de Pesquisa e Análise Descentralizada (Aspad) da Procuradoria da República em SC. O objetivo é reunir elementos probatórios da prática dos crimes de fraude em licitação e peculato, referente à contratação direta indevida de um laboratório de análises clínicas pela prefeitura do município de Irani. Há ainda a suspeita de pagamento por exames não realizados, no período de 2013 a 2016, sem relação com a atual gestão municipal.


Os mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos pela Polícia Rodoviária Federal e pela Polícia Militar de Santa Catarina, com auxílio do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) do Ministério da Saúde e Grupo de Ação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado de SC.


06 ago 19 | 11h23 Por Cristiano Mortari

OUÇA - Vice-prefeito pede que pessoas não divulguem “fake news” sobre operação realizada em Irani

Segundo ele, algumas pessoas estão questionando e enviando fotos das viaturas policias sem saber do real motivo

OUÇA - Vice-prefeito pede que pessoas não divulguem “fake news” sobre operação realizada em Irani

Em contato com a Rádio Aliança na manhã desta terça-feira, dia 06, o vice-prefeito e secretário de Administração de Irani, Marcelo Pegoraro, esclareceu que a Operação Flamel, do Ministério Público Federal, que cumpre mandados de busca e apreensão no município, não tem a ver com a atual administração. Ele solicitou que as pessoas não divulguem falsas informações.


A Operação foi deflagrada em Irani por volta das 7h. De acordo com Pegoraro, muitas fotos das viaturas que estavam em frente à Prefeitura foram sendo repassadas em redes sociais, mas em algumas das mensagens não estava esclarecido o real motivo da ação do MPF e da Polícia. “A gente sabe que a imprensa já divulgou a informação correta, mas mesmo assim, as mensagens foram circulando pela manhã, com notícias falsas e dúvidas. Por isso é preciso deixar bem claro que a Operação não tem nada a ver com nossa gestão. Os agentes recolheram documentos do período de 2012 a 2016”, explica. “É importante que as pessoas não repassem as informações sem certeza, ou as notícias falsas”, solicita.


Pegoraro também comenta que os servidores auxiliaram os agentes na busca de documentos. “Eles chegaram por volta das 7h com o mandado de busca e apreensão de documentos. Uma servidora já estava na Prefeitura e foi auxiliando e em seguida outros funcionários chegaram e também ajudaram”, conta o vice-prefeito. “Eles iam solicitando e nós íamos mostrando onde a documentação estava. Os agentes levaram documentos, pastas e arquivos”, relata.



A Operação:


O Ministério Público Federal (MPF) em Santa Catarina deflagrou na manhã desta terça-feira (6) a Operação Flamel, com o cumprimento de nove mandados de busca e apreensão nos municípios de Irani, Vargem Bonita e Concórdia. A operação é conduzida pelo MPF em Chapecó, com o apoio da Assessoria de Pesquisa e Análise Descentralizada (Aspad) da Procuradoria da República em SC. O objetivo é reunir elementos probatórios da prática dos crimes de fraude em licitação e peculato, referente à contratação direta indevida de um laboratório de análises clínicas pela prefeitura do município de Irani. Há ainda a suspeita de pagamento por exames não realizados, no período de 2013 a 2016, sem relação com a atual gestão municipal.


Os mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos pela Polícia Rodoviária Federal e pela Polícia Militar de Santa Catarina, com auxílio do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) do Ministério da Saúde e Grupo de Ação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado de SC.