Região

17 jul 20 | 10h26 Por Cristiano Mortari

Vereador Edno quer que medicação em pacientes de Atrofia Muscular seja aplicada em Concórdia

Ele pede o credenciamento do HSF, já que atualmente a aplicação, via SUS, é feita em Florianópolis

Vereador Edno quer que medicação em pacientes de Atrofia Muscular  seja aplicada em Concórdia
Imprimir

O vereador Edno Gonçalves (PDT) está encabeçando uma luta importante na região. Ele busca mobilizar autoridades do Estado para o credenciamento do Hospital São Francisco (HSF) à aplicação do medicamento Spinraza em pacientes com Atrofia Muscular Espinhal (AME).

 

Isso porque protocolos recentes da Saúde, que incluem o fornecimento das doses pelo Sistema Único de Saúde (SUS) estão obrigando o deslocamento até Florianópolis, onde estão centralizadas as aplicações. Fator que resulta em altos custos ao setor público e também desgaste dos pacientes, geralmente com condições físicas limitadas para viajar longas distâncias.

 

Edno salienta que já está em contato com deputados para que o HSF possa se tornar referência na região na aplicação do medicamento, uma vez que somente em Concórdia há pelo menos sete pacientes nesta condição. O vereador cita o caso do menino Bernardo, que já fez diversas aplicações no município e no próximo mês terá de ir até a capital catarinense para continuar o tratamento.

 

“Há várias crianças da região acometidas por essa doença. Se torna muito desgastante e doloroso para essas crianças se locomoverem três vezes ao ano até a capital”, frisa. “A cada vez que uma criança com AME tem que se deslocar até Florianópolis tem que se disponibilizar uma ambulância especial com uma equipe médica, gerando um custo elevado”.

 

MOÇÃO:

Diante de todas as justificativas, o vereador Edno é autor de uma Moção que será debatida na próxima semana na Câmara de Vereadores. O documento pede a mobilização das autoridades para que o HSF seja credenciamento à aplicação do medicamento, que tem custo milionário e recentemente está sendo fornecido pelo SUS.


Fonte: Daisy Trombetta / Ascom Câmara Concórdia

17 jul 20 | 10h26 Por Cristiano Mortari

Vereador Edno quer que medicação em pacientes de Atrofia Muscular seja aplicada em Concórdia

Ele pede o credenciamento do HSF, já que atualmente a aplicação, via SUS, é feita em Florianópolis

Vereador Edno quer que medicação em pacientes de Atrofia Muscular  seja aplicada em Concórdia

O vereador Edno Gonçalves (PDT) está encabeçando uma luta importante na região. Ele busca mobilizar autoridades do Estado para o credenciamento do Hospital São Francisco (HSF) à aplicação do medicamento Spinraza em pacientes com Atrofia Muscular Espinhal (AME).

 

Isso porque protocolos recentes da Saúde, que incluem o fornecimento das doses pelo Sistema Único de Saúde (SUS) estão obrigando o deslocamento até Florianópolis, onde estão centralizadas as aplicações. Fator que resulta em altos custos ao setor público e também desgaste dos pacientes, geralmente com condições físicas limitadas para viajar longas distâncias.

 

Edno salienta que já está em contato com deputados para que o HSF possa se tornar referência na região na aplicação do medicamento, uma vez que somente em Concórdia há pelo menos sete pacientes nesta condição. O vereador cita o caso do menino Bernardo, que já fez diversas aplicações no município e no próximo mês terá de ir até a capital catarinense para continuar o tratamento.

 

“Há várias crianças da região acometidas por essa doença. Se torna muito desgastante e doloroso para essas crianças se locomoverem três vezes ao ano até a capital”, frisa. “A cada vez que uma criança com AME tem que se deslocar até Florianópolis tem que se disponibilizar uma ambulância especial com uma equipe médica, gerando um custo elevado”.

 

MOÇÃO:

Diante de todas as justificativas, o vereador Edno é autor de uma Moção que será debatida na próxima semana na Câmara de Vereadores. O documento pede a mobilização das autoridades para que o HSF seja credenciamento à aplicação do medicamento, que tem custo milionário e recentemente está sendo fornecido pelo SUS.


Fonte: Daisy Trombetta / Ascom Câmara Concórdia