Região

22 fev 21 | 17h12 Por André Krüger

MPSC firma acordo com Município de Irani para regularização do processo seletivo

Certame para contratação temporária será anulado parcialmente em razão de irregularidades para que um novo seja lançado em até 60 dias

MPSC firma acordo com Município de Irani para regularização do processo seletivo
Imprimir

O Ministério Público e o município de Irani firmaram na última semana um Termo de Ajustamento de Condutas, TAC, com o objetivo de regularizar o processo seletivo para contratações temporárias, lançado no início deste ano. O objetivo é fazer com que um novo certame seja realizado com correção de irregularidades constatadas pelo Ministério Público, com provas e período adequados para inscrições.


O acordo foi assinado mediante investigação aberta pelo Promotor de Justiça, Fabrício Pinto Weiblen, da 4ª Promotoria de Justiça de Concórdia. Na ocasião, houve denúncias de irregularidades no processo seletivo que havia sido lançado no início do ano. Conforme o MP, as irregularidades constatadas foram de inexistência de realização de provas, limitando-se o processo a uma análise de currículo. Outro ponto constatado foi o pequeno período de inscrição disponibilizado, que poderia limitar o acesso dos interessados.


Considerando as justificativas apresentadas pelo Município e a possibilidade de adequação dos principais pontos, houve consenso entre Município e MPSC para a celebração do acordo.


Conforme a 4ª Promotoria, o processo seletivo que foi lançado no começo desse ano será mantido, excepcionalmente, apenas em relação a dois cargos, cuja necessidade é mais urgente. Mesmo assim, esses contratos vão durar apenas até a realização do novo processo seletivo, que terá quer ser lançado em até 60 dias. Quanto aos demais cargos, o processo seletivo atual será anulado e as provas serão realizadas no novo processo seletivo, devidamente regularizado.


De acordo com o TAC, ficará facultado ao município de Irani considerar os inscritos no processo anulado. Caso contrário, a Prefeitura deverá ressarcir os valores da inscrição dos candidatos que estavam inscritos.


Fonte: MPSC

22 fev 21 | 17h12 Por André Krüger

MPSC firma acordo com Município de Irani para regularização do processo seletivo

Certame para contratação temporária será anulado parcialmente em razão de irregularidades para que um novo seja lançado em até 60 dias

MPSC firma acordo com Município de Irani para regularização do processo seletivo

O Ministério Público e o município de Irani firmaram na última semana um Termo de Ajustamento de Condutas, TAC, com o objetivo de regularizar o processo seletivo para contratações temporárias, lançado no início deste ano. O objetivo é fazer com que um novo certame seja realizado com correção de irregularidades constatadas pelo Ministério Público, com provas e período adequados para inscrições.


O acordo foi assinado mediante investigação aberta pelo Promotor de Justiça, Fabrício Pinto Weiblen, da 4ª Promotoria de Justiça de Concórdia. Na ocasião, houve denúncias de irregularidades no processo seletivo que havia sido lançado no início do ano. Conforme o MP, as irregularidades constatadas foram de inexistência de realização de provas, limitando-se o processo a uma análise de currículo. Outro ponto constatado foi o pequeno período de inscrição disponibilizado, que poderia limitar o acesso dos interessados.


Considerando as justificativas apresentadas pelo Município e a possibilidade de adequação dos principais pontos, houve consenso entre Município e MPSC para a celebração do acordo.


Conforme a 4ª Promotoria, o processo seletivo que foi lançado no começo desse ano será mantido, excepcionalmente, apenas em relação a dois cargos, cuja necessidade é mais urgente. Mesmo assim, esses contratos vão durar apenas até a realização do novo processo seletivo, que terá quer ser lançado em até 60 dias. Quanto aos demais cargos, o processo seletivo atual será anulado e as provas serão realizadas no novo processo seletivo, devidamente regularizado.


De acordo com o TAC, ficará facultado ao município de Irani considerar os inscritos no processo anulado. Caso contrário, a Prefeitura deverá ressarcir os valores da inscrição dos candidatos que estavam inscritos.


Fonte: MPSC