Região

02 set 20 | 14h01 Por Cristiano Mortari

CPI que investiga contratação de programa de Educação em Arabutã já está ouvindo testemunhas

Vereadores pretendem finalizar o trabalho em breve e seguem solicitando documentos. Mais pessoas deve ser ouvidas nos próximos dias

CPI que investiga contratação de programa de Educação em Arabutã já está ouvindo testemunhas
Imprimir

A bancada do MDB da Câmara de Vereadores de Arabutã propôs e instaurou, no mês passado, uma CPI, para investigar a conduta da Administração Municipal, em relação a contratação de um profissional de Programação Neurolingística, para atuação em um programa da Educação. Os vereadores entendem que há indícios de ilegalidade no pagamento de horas para a prestação de serviços deste programa e questionam a revogação de uma licitação e mudança de modalidade. Os trabalhos da CPI estão em andamento e os vereadores já estão ouvindo possíveis envolvidos e testemunhas.


O vereador Felipe Patzlaff, do MDB, presidente da CPI, relatou em entrevista à Rádio Aliança, na manhã desta quarta-feira, dia 02, que a comissão deve encerrar os trabalhos antes do prazo previsto. “Já fizemos a solicitação de documentos e o Executivo nos enviou dentro dos prazos, isso ajudou no andamento dos trabalhos. Na segunda-feira, dia 31 nós fizemos a oitiva de três pessoas e na próxima semana vamos ouvir mais duas e vamos solicitar mais documentos”, adiantou.  “O regimento estabelece um prazo de 90 dias para a conclusão do processo, mas estamos trabalhando para entregar antes”, destacou Patzlaff.


O vereador também ressaltou que ainda não é possível emitir conclusão sobre a investigação e comentou que a população aguarda pela finalização da CPI. “A gente sente que a população está aguardando uma resposta e as justificativas do Executivo, que expliquem os motivos do valor tão alto investido em um único profissional. Queremos saber se houve um estudo prévio, de quem foi a iniciativa, entre outras questões”, comentou. “Quando finalizarmos a CPI, vamos emitir um relatório e encaminhar aos órgãos de controle, para que eles tomem as medidas, caso entendam que sejam necessárias”, explicou.


A Rádio Aliança também entrevistou a prefeita de Arabutã, Leani Schmidt, na semana em que a CPI foi anunciada na Câmara de Vereadores. Ela destacou que o Executivo iria colaborar com a investigação e afirmou que a Administração não tem nada a esconder.

02 set 20 | 14h01 Por Cristiano Mortari

CPI que investiga contratação de programa de Educação em Arabutã já está ouvindo testemunhas

Vereadores pretendem finalizar o trabalho em breve e seguem solicitando documentos. Mais pessoas deve ser ouvidas nos próximos dias

CPI que investiga contratação de programa de Educação em Arabutã já está ouvindo testemunhas

A bancada do MDB da Câmara de Vereadores de Arabutã propôs e instaurou, no mês passado, uma CPI, para investigar a conduta da Administração Municipal, em relação a contratação de um profissional de Programação Neurolingística, para atuação em um programa da Educação. Os vereadores entendem que há indícios de ilegalidade no pagamento de horas para a prestação de serviços deste programa e questionam a revogação de uma licitação e mudança de modalidade. Os trabalhos da CPI estão em andamento e os vereadores já estão ouvindo possíveis envolvidos e testemunhas.


O vereador Felipe Patzlaff, do MDB, presidente da CPI, relatou em entrevista à Rádio Aliança, na manhã desta quarta-feira, dia 02, que a comissão deve encerrar os trabalhos antes do prazo previsto. “Já fizemos a solicitação de documentos e o Executivo nos enviou dentro dos prazos, isso ajudou no andamento dos trabalhos. Na segunda-feira, dia 31 nós fizemos a oitiva de três pessoas e na próxima semana vamos ouvir mais duas e vamos solicitar mais documentos”, adiantou.  “O regimento estabelece um prazo de 90 dias para a conclusão do processo, mas estamos trabalhando para entregar antes”, destacou Patzlaff.


O vereador também ressaltou que ainda não é possível emitir conclusão sobre a investigação e comentou que a população aguarda pela finalização da CPI. “A gente sente que a população está aguardando uma resposta e as justificativas do Executivo, que expliquem os motivos do valor tão alto investido em um único profissional. Queremos saber se houve um estudo prévio, de quem foi a iniciativa, entre outras questões”, comentou. “Quando finalizarmos a CPI, vamos emitir um relatório e encaminhar aos órgãos de controle, para que eles tomem as medidas, caso entendam que sejam necessárias”, explicou.


A Rádio Aliança também entrevistou a prefeita de Arabutã, Leani Schmidt, na semana em que a CPI foi anunciada na Câmara de Vereadores. Ela destacou que o Executivo iria colaborar com a investigação e afirmou que a Administração não tem nada a esconder.