Região

07 jan 21 | 7h35 Por Cristiano Mortari

Centro de Idosos de Irani está sem cobertura há quase dois anos

Estrutura foi arrancada por um vendaval que atingiu o município. Briga na Justiça atrasa a reconstrução

Centro de Idosos de Irani está sem cobertura há quase dois anos
Imprimir

No dia 31 de janeiro Irani vai completar dois anos sem poder utilizar o Centro de Convivência dos Idosos. Um vendaval que atingiu a região e “arrancou” toda a cobertura do imóvel que abrigava os encontros e atividades da Terceira Idade. A Prefeitura e a empresa responsável pela construção da estrutura, brigam na Justiça, para apurar de quem é a responsabilidade pela reconstrução.


Uma perícia judicial, divulgada em agosto de 2019 pela Prefeitura, concluiu que a cobertura do Centro de Convivência foi arrancada por foi falha na execução da obra. Ao receber o laudo a Prefeitura solicitou a limpeza dos entulhos e também a reconstrução do telhado e reparação de todos os danos na obra, porém a empresa questiona o laudo, também na Justiça.


De acordo com a advogada Manuella Mazzocco, que respondia pela Assessoria Jurídica da Prefeitura de Irani até dezembro, enquanto a Justiça não definir se há necessidade de nova perícia, não é possível mexer no local. “A gente ainda aguarda uma decisão da Justiça. A perícia foi realizada, o laudo foi favorável à Prefeitura, mas a empresa que construiu, pede a nulidade deste laudo alegando que não participou do trabalho, não foi acionada para acompanhar a perícia. O juiz ainda não resolveu sobre isso e por isso a gente não pode mexer no local, pois se a Justiça entender que precisa nova perícia, não haverá mais vestígios de prova”, explica.


Com o tempo que ficou sem a cobertura, a estrutura do prédio já se deteriorou e de acordo com informações da Prefeitura, é preciso recolocar portas, janelas, vidros, além de refazer os sistemas elétrico e hidráulico, projeto de prevenção de incêndio, entre outras providências. “É uma obra de mais de R$ 1 milhão e a Prefeitura não pode arcar com esse valor, sendo que entendemos que não tem culpa. Há uma demora do Judiciário, mas depois que houver uma decisão, é possível tomar providências”, detalha.

07 jan 21 | 7h35 Por Cristiano Mortari

Centro de Idosos de Irani está sem cobertura há quase dois anos

Estrutura foi arrancada por um vendaval que atingiu o município. Briga na Justiça atrasa a reconstrução

Centro de Idosos de Irani está sem cobertura há quase dois anos

No dia 31 de janeiro Irani vai completar dois anos sem poder utilizar o Centro de Convivência dos Idosos. Um vendaval que atingiu a região e “arrancou” toda a cobertura do imóvel que abrigava os encontros e atividades da Terceira Idade. A Prefeitura e a empresa responsável pela construção da estrutura, brigam na Justiça, para apurar de quem é a responsabilidade pela reconstrução.


Uma perícia judicial, divulgada em agosto de 2019 pela Prefeitura, concluiu que a cobertura do Centro de Convivência foi arrancada por foi falha na execução da obra. Ao receber o laudo a Prefeitura solicitou a limpeza dos entulhos e também a reconstrução do telhado e reparação de todos os danos na obra, porém a empresa questiona o laudo, também na Justiça.


De acordo com a advogada Manuella Mazzocco, que respondia pela Assessoria Jurídica da Prefeitura de Irani até dezembro, enquanto a Justiça não definir se há necessidade de nova perícia, não é possível mexer no local. “A gente ainda aguarda uma decisão da Justiça. A perícia foi realizada, o laudo foi favorável à Prefeitura, mas a empresa que construiu, pede a nulidade deste laudo alegando que não participou do trabalho, não foi acionada para acompanhar a perícia. O juiz ainda não resolveu sobre isso e por isso a gente não pode mexer no local, pois se a Justiça entender que precisa nova perícia, não haverá mais vestígios de prova”, explica.


Com o tempo que ficou sem a cobertura, a estrutura do prédio já se deteriorou e de acordo com informações da Prefeitura, é preciso recolocar portas, janelas, vidros, além de refazer os sistemas elétrico e hidráulico, projeto de prevenção de incêndio, entre outras providências. “É uma obra de mais de R$ 1 milhão e a Prefeitura não pode arcar com esse valor, sendo que entendemos que não tem culpa. Há uma demora do Judiciário, mas depois que houver uma decisão, é possível tomar providências”, detalha.