Região

08 nov 19 | 9h31 Por Jocimar Soares

Administração de Peritiba contesta dados que colocam o município na lista de "extinção"

Para a prefeita Neusa Maraschini, receita própria da cidade é maior do que 10%.

Administração de Peritiba contesta dados que colocam o município na lista de "extinção"
Imprimir

A Administração de Peritiba está contestando os dados apresentados pelo Governo Federal e que colocam a cidade, conhecida como a Capital das Palmeiras, na lista de municípios que podem ser extintas através da Proposta de Emenda Constitucional, PEC, que foi apresentada pelo Governo Federal no começo desta semana. Nesta proposta, mais de mil cidades seriam extintas e reanexadas a cidades maiores em nível de Brasil. Em Santa Catarina, seriam 39. Dessas, quatro estão na Amauc: Lindóia do Sul, Peritiba, Presidente Castello Branco e Jaborá.


Em entrevista ao Jornal Primeira Hora desa sexta-feira, dia 8, a prefeita de Peritiba, Neusa Maraschini, destacou que, além do risco de precarização do serviço público para o cidadão, com essa fusão de cidades - tese defendida também pelos demais prefeitos da região - a prefeita também contesta alguns dados que estariam colocando o município na condição de "extinguível", caso isso avance no Congresso Nacional.


De acordo com o que foi informado, se enquadram no perfil para serem reanexados a outra cidade maior, a cidade que tenha menos de cinco mil habitantes e com receita própria que corresponda a menos de 10% do total do orçamento.


Peritiba se enquadraria nos dois perfis. Porém, o percentual de receita é o ponto de divergência. Enquanto que dados apresentam um percentual de 1,7% da receita, a Administração diz que esse índice é bem maior, conforme o histórico: em torno de 12%.


Em nota enviada à imprensa, a Administração de Peritiba destaca que teve receita própria de 10% em 2018 e 12,07% em 2019.


A Prefeita também sustenta os índices de qualidade de vida para exemplificar a necessidade de se manter Peritiba como município.

08 nov 19 | 9h31 Por Jocimar Soares

Administração de Peritiba contesta dados que colocam o município na lista de "extinção"

Para a prefeita Neusa Maraschini, receita própria da cidade é maior do que 10%.

Administração de Peritiba contesta dados que colocam o município na lista de "extinção"

A Administração de Peritiba está contestando os dados apresentados pelo Governo Federal e que colocam a cidade, conhecida como a Capital das Palmeiras, na lista de municípios que podem ser extintas através da Proposta de Emenda Constitucional, PEC, que foi apresentada pelo Governo Federal no começo desta semana. Nesta proposta, mais de mil cidades seriam extintas e reanexadas a cidades maiores em nível de Brasil. Em Santa Catarina, seriam 39. Dessas, quatro estão na Amauc: Lindóia do Sul, Peritiba, Presidente Castello Branco e Jaborá.


Em entrevista ao Jornal Primeira Hora desa sexta-feira, dia 8, a prefeita de Peritiba, Neusa Maraschini, destacou que, além do risco de precarização do serviço público para o cidadão, com essa fusão de cidades - tese defendida também pelos demais prefeitos da região - a prefeita também contesta alguns dados que estariam colocando o município na condição de "extinguível", caso isso avance no Congresso Nacional.


De acordo com o que foi informado, se enquadram no perfil para serem reanexados a outra cidade maior, a cidade que tenha menos de cinco mil habitantes e com receita própria que corresponda a menos de 10% do total do orçamento.


Peritiba se enquadraria nos dois perfis. Porém, o percentual de receita é o ponto de divergência. Enquanto que dados apresentam um percentual de 1,7% da receita, a Administração diz que esse índice é bem maior, conforme o histórico: em torno de 12%.


Em nota enviada à imprensa, a Administração de Peritiba destaca que teve receita própria de 10% em 2018 e 12,07% em 2019.


A Prefeita também sustenta os índices de qualidade de vida para exemplificar a necessidade de se manter Peritiba como município.