Política

09 jan | 11h49 Por Rádio Aliança

Vereadora Marilane diz que governo tem problema político

Ela critica a divisão das secretarias municipais entre os partidos da coligação

Vereadora Marilane diz que governo tem problema político
Imprimir

A eleição para a presidência da Câmara de Vereadores de Concórdia ocorreu ainda em dezembro, mas os desdobramentos da condução de Mauro Fretta (PSB) à presidência do Legislativo com os votos da ala de oposição ao governo municipal começam a ficar mais claros a partir de agora. Interpretada por muitos como a dona do voto decisivo neste episódio, a vereadora Marilane Fiametti Stuani (MDB) diz que o governo municipal enfrenta problemas políticos.

 

Marilane, que normalmente tem uma postura mais moderada, foi enfática ao criticar a conduta dos líderes da administração municipal, o prefeito Rogério Pacheco (PSDB) e o vice Edilson Massocco (PR). “Depois que eles ganharam a eleição, ao invés de buscar uma ampla maioria eles simplesmente buscaram o sétimo voto, no caso o sétimo vereador”, afirma.

 

A vereadora também critica a divisão do governo entre os partidos que compõem a coligação. Segundo ela, essa conduta criou uma concorrência interna entre a equipe de trabalho. “O grande erro foi fatiar a administração entre os partidos coligados. Isso começou a distanciar as pessoas ao ponto de ouvirmos frases aqui fora que governo está dividido em duas partes. Cada membro faz o que quer”, frisa.

 

Na opinião de Marilane, ainda dá tempo para recuperar o diálogo nos dois últimos anos de governo. “Espero que eles acertem o passo porque o município precisa disso”, argumenta.

 

MDB vai para o governo?

 

Uma conversa que surgiu nos bastidores políticos é que o rompimento do PSB com o governo municipal poderia abrir espaço para a entrada do MDB. Também se falou que o governo tentaria manter a maioria no Legislativo tendo o apoio de Marilane, mas ela não confirma está possibilidade. “Se o Executivo tivesse interesse em estar com o MDB ao seu lado, quando fez essa proposta no início de 2016 para o Jaderson (PSD), poderia ter feito para toda a oposição. Nós estávamos em três (partidos - MDB/PT/PSD) e nesta composição eles chamaram só um. Se teriam interesse de estar conosco, teriam se aproximado naquele momento”,

 

09 jan | 11h49 Por Rádio Aliança

Vereadora Marilane diz que governo tem problema político

Ela critica a divisão das secretarias municipais entre os partidos da coligação

Vereadora Marilane diz que governo tem problema político

A eleição para a presidência da Câmara de Vereadores de Concórdia ocorreu ainda em dezembro, mas os desdobramentos da condução de Mauro Fretta (PSB) à presidência do Legislativo com os votos da ala de oposição ao governo municipal começam a ficar mais claros a partir de agora. Interpretada por muitos como a dona do voto decisivo neste episódio, a vereadora Marilane Fiametti Stuani (MDB) diz que o governo municipal enfrenta problemas políticos.

 

Marilane, que normalmente tem uma postura mais moderada, foi enfática ao criticar a conduta dos líderes da administração municipal, o prefeito Rogério Pacheco (PSDB) e o vice Edilson Massocco (PR). “Depois que eles ganharam a eleição, ao invés de buscar uma ampla maioria eles simplesmente buscaram o sétimo voto, no caso o sétimo vereador”, afirma.

 

A vereadora também critica a divisão do governo entre os partidos que compõem a coligação. Segundo ela, essa conduta criou uma concorrência interna entre a equipe de trabalho. “O grande erro foi fatiar a administração entre os partidos coligados. Isso começou a distanciar as pessoas ao ponto de ouvirmos frases aqui fora que governo está dividido em duas partes. Cada membro faz o que quer”, frisa.

 

Na opinião de Marilane, ainda dá tempo para recuperar o diálogo nos dois últimos anos de governo. “Espero que eles acertem o passo porque o município precisa disso”, argumenta.

 

MDB vai para o governo?

 

Uma conversa que surgiu nos bastidores políticos é que o rompimento do PSB com o governo municipal poderia abrir espaço para a entrada do MDB. Também se falou que o governo tentaria manter a maioria no Legislativo tendo o apoio de Marilane, mas ela não confirma está possibilidade. “Se o Executivo tivesse interesse em estar com o MDB ao seu lado, quando fez essa proposta no início de 2016 para o Jaderson (PSD), poderia ter feito para toda a oposição. Nós estávamos em três (partidos - MDB/PT/PSD) e nesta composição eles chamaram só um. Se teriam interesse de estar conosco, teriam se aproximado naquele momento”,