Política

05 jul 22 | 9h20 Por Jocimar Soares

Vereador pede campanha educativa e preventiva contra o uso de cigarros eletrônicos em Concórdia

Proposição foi apresentada na Sessão da noite de segunda-feira, dia 4

Vereador pede campanha educativa e preventiva contra o uso de cigarros eletrônicos em Concórdia
Imprimir

O vereador, Fernando Busetto (PSDB) sugeriu através de Indicação, que o Poder Executivo Municipal, realize uma campanha educativa e preventiva, permanente, sobre o uso de cigarros eletrônicos no município de Concórdia. A proposição foi apresentada na Sessão da Câmara de Vereadores, na noite de ontem


Busetto contextualizou que a comercialização, importação e propaganda de todos os tipos de dispositivos eletrônicos para fumar são proibidas no Brasil, por meio da Resolução de Diretoria Colegiada da Anvisa nº 46, de 28 de agosto de 2009. 


O vereador ainda explicou que está comprovado, segundo a Academia Nacional de Medicina, que o uso de cigarros eletrônicos causa agravamento da asma e da doença pulmonar obstrutiva crônica, doenças altamente associadas ao tabagismo. “Além de aumentar a probabilidade de infarto agudo do miocárdio, uma vez que os cigarros eletrônicos são aparelhos que liberam vapor de nicotina e solventes químicos tóxicos (o cigarro eletrônico não queima tabaco, vaporiza líquidos). Há relatos também sobre o aumento no número de casos de câncer de boca entre as pessoas que fazem uso do cigarro eletrônico”. 


Outro dado a ser considerado, conforme Busetto, é o fato de que, em 10 minutos fumando o cigarro eletrônico, são liberadas 30 mg de nicotina, ou seja, o equivalente a um maço e meio de cigarro comum. “São informações que a maioria da população não têm, e por esse motivo a importância de alertar as pessoas para o malefício que os vapes ou pen drives, como são chamados, podem provocar a quem o consome. Além disso, o consumo pode se tornar um problema de saúde pública, assim como o tabagismo o é, visto o alto número de pessoas que desenvolvem os vários tipos de câncer em decorrência do uso da nicotina”.


(Fonte: Ederson Vilas Bôas/Secom)

05 jul 22 | 9h20 Por Jocimar Soares

Vereador pede campanha educativa e preventiva contra o uso de cigarros eletrônicos em Concórdia

Proposição foi apresentada na Sessão da noite de segunda-feira, dia 4

Vereador pede campanha educativa e preventiva contra o uso de cigarros eletrônicos em Concórdia

O vereador, Fernando Busetto (PSDB) sugeriu através de Indicação, que o Poder Executivo Municipal, realize uma campanha educativa e preventiva, permanente, sobre o uso de cigarros eletrônicos no município de Concórdia. A proposição foi apresentada na Sessão da Câmara de Vereadores, na noite de ontem


Busetto contextualizou que a comercialização, importação e propaganda de todos os tipos de dispositivos eletrônicos para fumar são proibidas no Brasil, por meio da Resolução de Diretoria Colegiada da Anvisa nº 46, de 28 de agosto de 2009. 


O vereador ainda explicou que está comprovado, segundo a Academia Nacional de Medicina, que o uso de cigarros eletrônicos causa agravamento da asma e da doença pulmonar obstrutiva crônica, doenças altamente associadas ao tabagismo. “Além de aumentar a probabilidade de infarto agudo do miocárdio, uma vez que os cigarros eletrônicos são aparelhos que liberam vapor de nicotina e solventes químicos tóxicos (o cigarro eletrônico não queima tabaco, vaporiza líquidos). Há relatos também sobre o aumento no número de casos de câncer de boca entre as pessoas que fazem uso do cigarro eletrônico”. 


Outro dado a ser considerado, conforme Busetto, é o fato de que, em 10 minutos fumando o cigarro eletrônico, são liberadas 30 mg de nicotina, ou seja, o equivalente a um maço e meio de cigarro comum. “São informações que a maioria da população não têm, e por esse motivo a importância de alertar as pessoas para o malefício que os vapes ou pen drives, como são chamados, podem provocar a quem o consome. Além disso, o consumo pode se tornar um problema de saúde pública, assim como o tabagismo o é, visto o alto número de pessoas que desenvolvem os vários tipos de câncer em decorrência do uso da nicotina”.


(Fonte: Ederson Vilas Bôas/Secom)