Política

27 abr 21 | 8h39 Por Jocimar Soares

Sopelsa defende que aprovados no concurso público da Polícia Civil em 2017 sejam chamados

Assunto foi debatido na última semana na Assembleia Legislativa

Sopelsa defende que aprovados no concurso público da Polícia Civil em 2017 sejam chamados
Imprimir

O deputado Moacir Sopelsa (MDB), defendeu na Assembleia Legislativa o envio de um pedido ao governo do Estado, solicitando a nomeação dos aprovados no concurso público para os cargos de escrivão e agente da Polícia Civil. O parlamentar destaca que as provas foram realizadas no ano de 2017. “Todos os dias recebemos pedidos de delegados regionais e dos municípios. Sabemos que existe falta de pessoal e os aprovados precisam ser chamados.”


Sopelsa destaca a necessidade de agilizar as nomeações para evitar que o prazo de validade do concurso vença e haja a necessidade de realizar outro concurso. “São situações que temos dentro do serviço público que tira a credibilidade. É preciso mudar, não importa o partido que está dirigindo o Estado. Ou as coisas públicas caminham na mesma velocidade da iniciativa privada, ou nós não vamos conseguir fazer um estado de desenvolvimento que atende as pessoas”, aponta.


(Fonte: Douglas Fortes/Especial)

27 abr 21 | 8h39 Por Jocimar Soares

Sopelsa defende que aprovados no concurso público da Polícia Civil em 2017 sejam chamados

Assunto foi debatido na última semana na Assembleia Legislativa

Sopelsa defende que aprovados no concurso público da Polícia Civil em 2017 sejam chamados

O deputado Moacir Sopelsa (MDB), defendeu na Assembleia Legislativa o envio de um pedido ao governo do Estado, solicitando a nomeação dos aprovados no concurso público para os cargos de escrivão e agente da Polícia Civil. O parlamentar destaca que as provas foram realizadas no ano de 2017. “Todos os dias recebemos pedidos de delegados regionais e dos municípios. Sabemos que existe falta de pessoal e os aprovados precisam ser chamados.”


Sopelsa destaca a necessidade de agilizar as nomeações para evitar que o prazo de validade do concurso vença e haja a necessidade de realizar outro concurso. “São situações que temos dentro do serviço público que tira a credibilidade. É preciso mudar, não importa o partido que está dirigindo o Estado. Ou as coisas públicas caminham na mesma velocidade da iniciativa privada, ou nós não vamos conseguir fazer um estado de desenvolvimento que atende as pessoas”, aponta.


(Fonte: Douglas Fortes/Especial)