Política

09 dez 21 | 18h15 Por Cristiano Mortari

Pedido de cassação do prefeito de Paial, Névio Mortari, é julgado improcedente

A Ação de Impugnação de Mandato foi movida pela coligação que perdeu o último pleito eleitoral

Pedido de cassação do prefeito de Paial, Névio Mortari, é julgado improcedente
Imprimir

O juiz eleitoral Jeferson Osvaldo Vieira julgou improcedente o pedido de cassação do prefeito de Paial Névio Mortari (PSD), e do vice Volnei de Pelegrin (MDB). A Ação de Impugnação de Mandato foi movida pela Coligação União e Compromisso por Paial, representada pelo ex-prefeito Aldair Rigo, derrotado nas eleições do ano passado.


Na denúncia, a coligação alegou que Névio e Volnei “se valeram de inúmeras práticas abusivas, que contaminaram o pleito e desequilibraram a disputa”. Conforme os autores da ação, a coligação vencedora teria, entre outras irregularidades, “captado ilicitamente eleitores de outros municípios”, além de ter instalado câmera de videomonitoramento em local de votação onde era possível filmar parcialmente o momento do voto. Alegaram também que houve a perfuração de diversos poços artesianos em comunidades e distribuição de horas-máquina gratuitas com o objetivo de “colher votos”.


A coligação vencedora contestou todas as acusações. O Ministério Público Eleitoral, depois de analisar os documentos fornecidos e ouvir diversas testemunhas, se posicionou pelo não acolhimento dos pedidos formulados na ação “por entender não existir provas suficientes à demonstração de eventual corrupção, fraude, abuso de poder econômico e político. Destacou ainda que “o conteúdo probatório é insuficiente para deslegitimar a escolha feita pelos eleitores”.


O juiz Jeferson Osvaldo Vieira, acatando o posicionamento do Ministério Público, manteve o entendimento de que não havia provas dos ilícitos relatados pela coligação autora e julgou a ação improcedente. A oposição ainda pode recorrer ao Tribunal Regional Eleitoral. “Eu sempre falei que o pedido de cassação do meu mandato não era por eu ter cometido algum crime e sim por ter trabalhado. Se fez justiça”. disse o prefeito Névio Mortari.


Informações: Belos FM

09 dez 21 | 18h15 Por Cristiano Mortari

Pedido de cassação do prefeito de Paial, Névio Mortari, é julgado improcedente

A Ação de Impugnação de Mandato foi movida pela coligação que perdeu o último pleito eleitoral

Pedido de cassação do prefeito de Paial, Névio Mortari, é julgado improcedente

O juiz eleitoral Jeferson Osvaldo Vieira julgou improcedente o pedido de cassação do prefeito de Paial Névio Mortari (PSD), e do vice Volnei de Pelegrin (MDB). A Ação de Impugnação de Mandato foi movida pela Coligação União e Compromisso por Paial, representada pelo ex-prefeito Aldair Rigo, derrotado nas eleições do ano passado.


Na denúncia, a coligação alegou que Névio e Volnei “se valeram de inúmeras práticas abusivas, que contaminaram o pleito e desequilibraram a disputa”. Conforme os autores da ação, a coligação vencedora teria, entre outras irregularidades, “captado ilicitamente eleitores de outros municípios”, além de ter instalado câmera de videomonitoramento em local de votação onde era possível filmar parcialmente o momento do voto. Alegaram também que houve a perfuração de diversos poços artesianos em comunidades e distribuição de horas-máquina gratuitas com o objetivo de “colher votos”.


A coligação vencedora contestou todas as acusações. O Ministério Público Eleitoral, depois de analisar os documentos fornecidos e ouvir diversas testemunhas, se posicionou pelo não acolhimento dos pedidos formulados na ação “por entender não existir provas suficientes à demonstração de eventual corrupção, fraude, abuso de poder econômico e político. Destacou ainda que “o conteúdo probatório é insuficiente para deslegitimar a escolha feita pelos eleitores”.


O juiz Jeferson Osvaldo Vieira, acatando o posicionamento do Ministério Público, manteve o entendimento de que não havia provas dos ilícitos relatados pela coligação autora e julgou a ação improcedente. A oposição ainda pode recorrer ao Tribunal Regional Eleitoral. “Eu sempre falei que o pedido de cassação do meu mandato não era por eu ter cometido algum crime e sim por ter trabalhado. Se fez justiça”. disse o prefeito Névio Mortari.


Informações: Belos FM