Política

25 jun 19 | 16h46 Por Analu Slongo

Líder do governo diz tem dúvidas sobre a eficácia dos bloqueadores de ar

Fabiano Caitano (PSDB) argumenta que os equipamentos não possuem a comprovação do Inmetro

Líder do governo diz tem dúvidas sobre a eficácia dos bloqueadores de ar
Escute
Imprimir

Um assunto que ainda vai dar no que falar na Câmara de Vereadores de Concórdia é o veto do prefeito de Concórdia, Rogério Pacheco, para o projeto de lei do Legislativo que obrigaria a Casan a colocar bloqueadores de ar nos hidrômetros. Esse tema foi o principal debate da sessão realizada na manhã de hoje e, pelo visto, não vai ser fácil chegar a um consenso mesmo que o projeto tenha sido aprovado no início de maio com o voto favorável de todos os vereadores.


O assunto ainda não entrou na pauta oficial, mas o líder do governo no Legislativo, Fabiano Caitano (PSDB), antecipou esse debate. Ele diz que está estudando o projeto e permanece com dúvidas. Umas delas é a comprovação da eficácia dos equipamentos, que não possuem a aferição do Inmetro. “Aprovada essa lei da forma como está proposta estaremos dando um cheque em branco para que a Casan instale na minha casa qualquer coisa. Pode ser algo que bloqueie o ar, que jogue mais ar ou até impeça a entrada da água”, observa.


O vereador pontua que teme que a falta de segurança dos equipamentos piore ainda mais a situação dos concordienses. “Existem muitos vídeos que mostram que alguns funcionam e outros não. Politicamente é um projeto interessante e não é justo que os moradores paguem por ar, porém podemos estar aprovando algo que vai prejudicar ainda mais os consumidores”, frisa.


A justificativa do prefeito para não aceitar o projeto é que os supressores de ar não são homologados, aprovados e autorizados pelo Inmetro. Além disso, as razões do veto também apontam que é competência da Aris para manifestar-se sobre as propostas de legislação e normas que digam respeito ao saneamento básico. O prazo para o veto entrar para a votação vence na próxima quinta-feira, 27 de junho.



25 jun 19 | 16h46 Por Analu Slongo

Líder do governo diz tem dúvidas sobre a eficácia dos bloqueadores de ar

Fabiano Caitano (PSDB) argumenta que os equipamentos não possuem a comprovação do Inmetro

Líder do governo diz tem dúvidas sobre a eficácia dos bloqueadores de ar

Um assunto que ainda vai dar no que falar na Câmara de Vereadores de Concórdia é o veto do prefeito de Concórdia, Rogério Pacheco, para o projeto de lei do Legislativo que obrigaria a Casan a colocar bloqueadores de ar nos hidrômetros. Esse tema foi o principal debate da sessão realizada na manhã de hoje e, pelo visto, não vai ser fácil chegar a um consenso mesmo que o projeto tenha sido aprovado no início de maio com o voto favorável de todos os vereadores.


O assunto ainda não entrou na pauta oficial, mas o líder do governo no Legislativo, Fabiano Caitano (PSDB), antecipou esse debate. Ele diz que está estudando o projeto e permanece com dúvidas. Umas delas é a comprovação da eficácia dos equipamentos, que não possuem a aferição do Inmetro. “Aprovada essa lei da forma como está proposta estaremos dando um cheque em branco para que a Casan instale na minha casa qualquer coisa. Pode ser algo que bloqueie o ar, que jogue mais ar ou até impeça a entrada da água”, observa.


O vereador pontua que teme que a falta de segurança dos equipamentos piore ainda mais a situação dos concordienses. “Existem muitos vídeos que mostram que alguns funcionam e outros não. Politicamente é um projeto interessante e não é justo que os moradores paguem por ar, porém podemos estar aprovando algo que vai prejudicar ainda mais os consumidores”, frisa.


A justificativa do prefeito para não aceitar o projeto é que os supressores de ar não são homologados, aprovados e autorizados pelo Inmetro. Além disso, as razões do veto também apontam que é competência da Aris para manifestar-se sobre as propostas de legislação e normas que digam respeito ao saneamento básico. O prazo para o veto entrar para a votação vence na próxima quinta-feira, 27 de junho.