Política

21 ago 20 | 13h28 Por Cristiano Mortari

Deputado Moacir Sopelsa fará parte da comissão de impeachment contra o governador Carlos Moisés

Processo vai avaliar possível crime de responsabilidade ao conceder aumento a procuradores estaduais

Deputado Moacir Sopelsa fará parte da comissão de impeachment contra o governador Carlos Moisés
Imprimir

O deputado estadual Moacir Sopelsa, do MDB, vai integrar a comissão especial de impeachment que analisa o possível crime de responsabilidade fiscal, cometido pelo governador Carlos Moisés, ao conceder aumento a procuradores estaduais ainda em outubro de 2019. A vice-governadora, Daniela Reinehr, e o secretário de Administração, Jorge Tasca também são alvos da denúncia.


Em entrevista à Radio Aliança na manhã de sexta-feira, dia 21, Sopelsa explicou como será o procedimento de averiguação, da qual ele fará parte. "No dia 25, terça-feira, a comissão será formada e eu devo presidir a primeira sessão por ser o deputado mais antigo da Assembleia Legislativa. Neste dia vamos eleger o presidente, vice-presidente e o relator. A partir daí, o trabalho inicia e o governador terá até 15 dias para apresentar a defesa. Depois disso a comissão tem prazo de cinco sessões, ou 14 dias, para analisar a documentação e a defesa", detalhou.


O deputado adiantou que Moisés e os demais envolvidos podem ser afastados dos cargos durante a investigação. "Se entendermos que houve crime de responsabilidade, o processo vai para plenário. Se 27 deputados aprovarem o relatório da comissão, as pessoas envolvidas são afastadas, por até 180 dias. O presidente da Assembleia pode assumir o Governo. Caso ele não queira, o presidente do Tribunal de Justiça pode ocupar o cargo neste período. Há a possibilidade ainda, de uma eleição direta, onde os deputados votam e elegem o novo chefe do Executivo do Estado. Qualquer pessoa pode se candidatar, mas é provável que algum deputado seja eleito para o cargo", explicou.


21 ago 20 | 13h28 Por Cristiano Mortari

Deputado Moacir Sopelsa fará parte da comissão de impeachment contra o governador Carlos Moisés

Processo vai avaliar possível crime de responsabilidade ao conceder aumento a procuradores estaduais

Deputado Moacir Sopelsa fará parte da comissão de impeachment contra o governador Carlos Moisés

O deputado estadual Moacir Sopelsa, do MDB, vai integrar a comissão especial de impeachment que analisa o possível crime de responsabilidade fiscal, cometido pelo governador Carlos Moisés, ao conceder aumento a procuradores estaduais ainda em outubro de 2019. A vice-governadora, Daniela Reinehr, e o secretário de Administração, Jorge Tasca também são alvos da denúncia.


Em entrevista à Radio Aliança na manhã de sexta-feira, dia 21, Sopelsa explicou como será o procedimento de averiguação, da qual ele fará parte. "No dia 25, terça-feira, a comissão será formada e eu devo presidir a primeira sessão por ser o deputado mais antigo da Assembleia Legislativa. Neste dia vamos eleger o presidente, vice-presidente e o relator. A partir daí, o trabalho inicia e o governador terá até 15 dias para apresentar a defesa. Depois disso a comissão tem prazo de cinco sessões, ou 14 dias, para analisar a documentação e a defesa", detalhou.


O deputado adiantou que Moisés e os demais envolvidos podem ser afastados dos cargos durante a investigação. "Se entendermos que houve crime de responsabilidade, o processo vai para plenário. Se 27 deputados aprovarem o relatório da comissão, as pessoas envolvidas são afastadas, por até 180 dias. O presidente da Assembleia pode assumir o Governo. Caso ele não queira, o presidente do Tribunal de Justiça pode ocupar o cargo neste período. Há a possibilidade ainda, de uma eleição direta, onde os deputados votam e elegem o novo chefe do Executivo do Estado. Qualquer pessoa pode se candidatar, mas é provável que algum deputado seja eleito para o cargo", explicou.