Política

29 abr 21 | 8h11 Por Jocimar Soares

Comassetto pede mutirões de castração de cães e gatos

Trabalhos seriam feitos em parceria com entidades protetoras dos aninais

Comassetto pede mutirões de castração de cães e gatos
Imprimir

O vereador Vilmar Comassetto (PDT) pediu para a Administração Municipal que realize mutirões de castração de cães e gatos em parceria com as entidades protetoras de animais de estimação. Esses mutirões podem ser realizados em parceria com clínicas especializadas e com as entidades protetoras dos animais, que já possuem experiência no cuidado e bem estar animal. "Importante considerar que a castração deve ser realizada com posterior chipagem dos animais, a fim de identificar o animal e o seu dono em caso de extravio ou abandono".


Ele afirmou que a solicitação já é recorrente, já que existe uma grande quantidade de animais existentes no município e que ainda não foram castrados. "Muitos ainda vivem nas ruas. Isso evitaria o aumento de animais desabrigados e ainda ajudaria no incentivo para a adoção. As pessoas e entidades que acolhem esses animais das ruas e levam para suas residências, mas não possuem orçamento para castrações particulares e alimentação dos mesmos”, comentou.


Mais informações da indicação de Comassetto


Estima-se que no caso de um casal de cães que deixa de ser castrado e cuja reprodução é livre, a cadela consegue gerar de 10 a 15 crias e, se seus descendentes continuarem a se reproduzir, podem atingir o número de 64 mil nascimentos em seis anos. E no caso dos gatos, esse contingente pode ser maior ainda (Fonte: https://www.petlove.com.br/dicas/a-importancia-da-castracao-de-caes-e-gatos).


A Lei Municipal nº 4.874, de 13 de junho de 2016 que dispõe sobre as normas e institui o Programa de Prevenção e Controle de Zoonoses e bem-estar animal, em seu artigo 5°, dispõe que um dos seus objetivos básicos é o controle da população de cães e gatos, mediante esterilização e microchipagem, a fim de evitar a transmissão de zoonoses, coibir os maus-tratos e promover o seu bem-estar. O controle de animais domésticos através das castrações contribui para harmonizar a relação entre a população humana, os animais domésticos e o meio ambiente, pois reduz o risco de ocorrência de doenças tanto à saúde humana quanto animal.


No entanto, é importante ressaltar que a eficiência maior da castração ocorre quando essa ação se dá através de mutirões de castração, quando é possível castrar um elevado número de animais em pouco tempo, impedindo a reprodução das novas crias.


Dessa forma, mesmo que as ONGs e protetores se esforcem em acolher, arrumar um lar através das campanhas de adoção, quando não há o controle reprodutivo, esse esforço pode parecer em vão devido à velocidade espantosa com que eles se reproduzem e que, em muitos casos, podem ser abandonados. Além de passarem fome, frio e serem vítimas de maus-tratos, também influenciam na disseminação de doenças.


(Fonte: Ederson Vilas Bôas/Ascom/CVC)



29 abr 21 | 8h11 Por Jocimar Soares

Comassetto pede mutirões de castração de cães e gatos

Trabalhos seriam feitos em parceria com entidades protetoras dos aninais

Comassetto pede mutirões de castração de cães e gatos

O vereador Vilmar Comassetto (PDT) pediu para a Administração Municipal que realize mutirões de castração de cães e gatos em parceria com as entidades protetoras de animais de estimação. Esses mutirões podem ser realizados em parceria com clínicas especializadas e com as entidades protetoras dos animais, que já possuem experiência no cuidado e bem estar animal. "Importante considerar que a castração deve ser realizada com posterior chipagem dos animais, a fim de identificar o animal e o seu dono em caso de extravio ou abandono".


Ele afirmou que a solicitação já é recorrente, já que existe uma grande quantidade de animais existentes no município e que ainda não foram castrados. "Muitos ainda vivem nas ruas. Isso evitaria o aumento de animais desabrigados e ainda ajudaria no incentivo para a adoção. As pessoas e entidades que acolhem esses animais das ruas e levam para suas residências, mas não possuem orçamento para castrações particulares e alimentação dos mesmos”, comentou.


Mais informações da indicação de Comassetto


Estima-se que no caso de um casal de cães que deixa de ser castrado e cuja reprodução é livre, a cadela consegue gerar de 10 a 15 crias e, se seus descendentes continuarem a se reproduzir, podem atingir o número de 64 mil nascimentos em seis anos. E no caso dos gatos, esse contingente pode ser maior ainda (Fonte: https://www.petlove.com.br/dicas/a-importancia-da-castracao-de-caes-e-gatos).


A Lei Municipal nº 4.874, de 13 de junho de 2016 que dispõe sobre as normas e institui o Programa de Prevenção e Controle de Zoonoses e bem-estar animal, em seu artigo 5°, dispõe que um dos seus objetivos básicos é o controle da população de cães e gatos, mediante esterilização e microchipagem, a fim de evitar a transmissão de zoonoses, coibir os maus-tratos e promover o seu bem-estar. O controle de animais domésticos através das castrações contribui para harmonizar a relação entre a população humana, os animais domésticos e o meio ambiente, pois reduz o risco de ocorrência de doenças tanto à saúde humana quanto animal.


No entanto, é importante ressaltar que a eficiência maior da castração ocorre quando essa ação se dá através de mutirões de castração, quando é possível castrar um elevado número de animais em pouco tempo, impedindo a reprodução das novas crias.


Dessa forma, mesmo que as ONGs e protetores se esforcem em acolher, arrumar um lar através das campanhas de adoção, quando não há o controle reprodutivo, esse esforço pode parecer em vão devido à velocidade espantosa com que eles se reproduzem e que, em muitos casos, podem ser abandonados. Além de passarem fome, frio e serem vítimas de maus-tratos, também influenciam na disseminação de doenças.


(Fonte: Ederson Vilas Bôas/Ascom/CVC)