Polícia

11 fev 20 | 19h44 Por André Krüger

Wellinton Dallalibera condenado a mais de 13 anos de prisão

Ele foi julgado pelo assassinato de Ivonir Recalcate no mês de janeiro do ano passado.

Wellinton Dallalibera condenado a mais de 13 anos de prisão
Imprimir

O réu Wellinton Luiz Guimarães Dallalibera foi condenado a 13 anos e quatro meses de prisão em regime inicial fechado pelo assassinato de Ivonir Recalcate. A sentença foi proferida no fim da tarde desta terça-feira, dia 11, durante Sessão do Tribunal do Júri, no Fórum da Comarca de Concórdia. O julgamento encerrou por volta das 17h.


O assassinato aconteceu no mês de janeiro do ano passado na Travessa Lamonatto, no centro de Concórdia. A vítima, saiu do trabalho, se dirigia para pegar a moto no estacionamento público, quando o Wellinton chegou em um veículo, desembarcou e, após uma breve discussão, sacou um revólver e alvejou Recalcate, que tentou correr, mas caiu sem vida poucos metros depois.


O motivo seria uma desavença, já que a vítima era supervisor do agressor em uma empresa nas proximidades.


Dallalibera foi denunciado pela prática de crime de homicídio duplamente qualificado, motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima.


A sessão do Tribunal do Júri foi presidida pelo juiz Ildo Fabris Junior, na acusação, promotora Mariana Mocelin e na defesa do réu, o advogado Osmar Colpani.

11 fev 20 | 19h44 Por André Krüger

Wellinton Dallalibera condenado a mais de 13 anos de prisão

Ele foi julgado pelo assassinato de Ivonir Recalcate no mês de janeiro do ano passado.

Wellinton Dallalibera condenado a mais de 13 anos de prisão

O réu Wellinton Luiz Guimarães Dallalibera foi condenado a 13 anos e quatro meses de prisão em regime inicial fechado pelo assassinato de Ivonir Recalcate. A sentença foi proferida no fim da tarde desta terça-feira, dia 11, durante Sessão do Tribunal do Júri, no Fórum da Comarca de Concórdia. O julgamento encerrou por volta das 17h.


O assassinato aconteceu no mês de janeiro do ano passado na Travessa Lamonatto, no centro de Concórdia. A vítima, saiu do trabalho, se dirigia para pegar a moto no estacionamento público, quando o Wellinton chegou em um veículo, desembarcou e, após uma breve discussão, sacou um revólver e alvejou Recalcate, que tentou correr, mas caiu sem vida poucos metros depois.


O motivo seria uma desavença, já que a vítima era supervisor do agressor em uma empresa nas proximidades.


Dallalibera foi denunciado pela prática de crime de homicídio duplamente qualificado, motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima.


A sessão do Tribunal do Júri foi presidida pelo juiz Ildo Fabris Junior, na acusação, promotora Mariana Mocelin e na defesa do réu, o advogado Osmar Colpani.