Polícia

07 set 19 | 6h00 Por Jocimar Soares

Tribunal de Justiça alerta para novo golpe aplicado em nome de magistrados

Fato também pode estar acontecendo na região Meio Oeste de SC.

Tribunal de Justiça alerta para novo golpe aplicado em nome de magistrados
Imprimir

O Núcleo de Inteligência e Segurança Institucional do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (NIS/TJSC) identificou a prática de um novo golpe envolvendo o Poder Judiciário. Nos últimos dias, ocorreu em pelo menos 10 comarcas, principalmente das regiões Sul e Meio-Oeste.


A farsa consiste em um estelionatário que se passa por magistrado estadual ou federal e solicita, geralmente, a servidores municipais de prefeituras e secretarias, que seja realizado o serviço de transporte mediante pagamento, pois teria chego recentemente na cidade e gostaria de deslocar ao fórum, fazer diligências ou conhecer a cidade. Após isso, o golpista deposita um valor fictício (envelope vazio ou depósito agendado para data futura) na conta da pessoa que se dispôs a realizar serviço.


Entretanto, em seguida, solicita que o valor seja devolvido pois foi depositado “incorretamente” e que o valor total do serviço será pago quando chegar ao fórum. Imbuída de boa-fé, a vítima só percebe que foi enganada quando comparece à unidade judiciária para ser ressarcida e percebe que o suposto magistrado não existe. Caso as vítimas procurem as unidades judiciárias, devem ser orientadas a registrar o boletim de ocorrência na Polícia Civil.


(Fonte: Elizandra Gomes/TJSC)


07 set 19 | 6h00 Por Jocimar Soares

Tribunal de Justiça alerta para novo golpe aplicado em nome de magistrados

Fato também pode estar acontecendo na região Meio Oeste de SC.

Tribunal de Justiça alerta para novo golpe aplicado em nome de magistrados

O Núcleo de Inteligência e Segurança Institucional do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (NIS/TJSC) identificou a prática de um novo golpe envolvendo o Poder Judiciário. Nos últimos dias, ocorreu em pelo menos 10 comarcas, principalmente das regiões Sul e Meio-Oeste.


A farsa consiste em um estelionatário que se passa por magistrado estadual ou federal e solicita, geralmente, a servidores municipais de prefeituras e secretarias, que seja realizado o serviço de transporte mediante pagamento, pois teria chego recentemente na cidade e gostaria de deslocar ao fórum, fazer diligências ou conhecer a cidade. Após isso, o golpista deposita um valor fictício (envelope vazio ou depósito agendado para data futura) na conta da pessoa que se dispôs a realizar serviço.


Entretanto, em seguida, solicita que o valor seja devolvido pois foi depositado “incorretamente” e que o valor total do serviço será pago quando chegar ao fórum. Imbuída de boa-fé, a vítima só percebe que foi enganada quando comparece à unidade judiciária para ser ressarcida e percebe que o suposto magistrado não existe. Caso as vítimas procurem as unidades judiciárias, devem ser orientadas a registrar o boletim de ocorrência na Polícia Civil.


(Fonte: Elizandra Gomes/TJSC)