Polícia

09 set 20 | 9h11 Por André Krüger

PF mira contrabando de cigarros com 29 mandados judiciais em Chapecó e Seara

Operação Estanco investiga grupos criminosos envolvidos em fornecimento, transporte, comércio e distribuição de cigarros introduzidos clandestinamente no Brasil

PF mira contrabando de cigarros com 29 mandados judiciais em Chapecó e Seara
Imprimir

A Polícia Federal, com apoio da Polícia Civil, deflagrou na manhã desta quarta-feira, dia 9, a Operação Estanco. A ação visa combater grupos criminosos organizados dedicados à prática contínua e sistemática do crime de contrabando de cigarros em várias cidades de Santa Catarina e também do Paraná.


Em Chapecó, no Oeste do Estado, foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão preventiva até o momento. Nesta manhã de quarta-feira, viaturas da Polícia Federal foram vistas nos camelôs, no Centro do município.


As investigações iniciaram ainda no mês de julho de 2019 e permitiram a identificação de seis diferentes grupos, inter-relacionados, especializados no fornecimento, transporte, comércio e distribuição de cigarros introduzidos clandestinamente no território nacional, de acordo com a PF.


No decorrer das apurações foram efetuadas 12 prisões em flagrante, apreendidos 11 veículos e 94.030 maços de cigarros, estes avaliados em R$ 470.450,00.


Nesse momento estão sendo cumpridos 35 mandados de busca e apreensão e 10 mandados de prisão preventiva nos municípios de Chapecó, Coronel Freitas, Nova Itaberaba, Quilombo, Santiago do Sul e Seara, bem como no município de Francisco Beltrão, no Paraná, com a participação de 133 policiais federais e nove policiais civis nesta fase da investigação.


Foi decretada judicialmente a indisponibilidade de todos os bens, direitos e ativos financeiros de 12 investigados e cinco empresas, o sequestro de bens imóveis e o arresto de bens móveis (23 veículos previamente identificados).


Nos autos do inquérito policial instaurado para completa apuração dos fatos, os envolvidos poderão ser indiciados pelos crimes de associação criminosa, descaminho, contrabando, organização criminosa e lavagem de dinheiro, além de outros delitos eventualmente identificados.


Fonte: ND+

09 set 20 | 9h11 Por André Krüger

PF mira contrabando de cigarros com 29 mandados judiciais em Chapecó e Seara

Operação Estanco investiga grupos criminosos envolvidos em fornecimento, transporte, comércio e distribuição de cigarros introduzidos clandestinamente no Brasil

PF mira contrabando de cigarros com 29 mandados judiciais em Chapecó e Seara

A Polícia Federal, com apoio da Polícia Civil, deflagrou na manhã desta quarta-feira, dia 9, a Operação Estanco. A ação visa combater grupos criminosos organizados dedicados à prática contínua e sistemática do crime de contrabando de cigarros em várias cidades de Santa Catarina e também do Paraná.


Em Chapecó, no Oeste do Estado, foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão preventiva até o momento. Nesta manhã de quarta-feira, viaturas da Polícia Federal foram vistas nos camelôs, no Centro do município.


As investigações iniciaram ainda no mês de julho de 2019 e permitiram a identificação de seis diferentes grupos, inter-relacionados, especializados no fornecimento, transporte, comércio e distribuição de cigarros introduzidos clandestinamente no território nacional, de acordo com a PF.


No decorrer das apurações foram efetuadas 12 prisões em flagrante, apreendidos 11 veículos e 94.030 maços de cigarros, estes avaliados em R$ 470.450,00.


Nesse momento estão sendo cumpridos 35 mandados de busca e apreensão e 10 mandados de prisão preventiva nos municípios de Chapecó, Coronel Freitas, Nova Itaberaba, Quilombo, Santiago do Sul e Seara, bem como no município de Francisco Beltrão, no Paraná, com a participação de 133 policiais federais e nove policiais civis nesta fase da investigação.


Foi decretada judicialmente a indisponibilidade de todos os bens, direitos e ativos financeiros de 12 investigados e cinco empresas, o sequestro de bens imóveis e o arresto de bens móveis (23 veículos previamente identificados).


Nos autos do inquérito policial instaurado para completa apuração dos fatos, os envolvidos poderão ser indiciados pelos crimes de associação criminosa, descaminho, contrabando, organização criminosa e lavagem de dinheiro, além de outros delitos eventualmente identificados.


Fonte: ND+