Polícia

10 ago 20 | 17h04 Por Cristiano Mortari

Operação investiga fraudes na identificação animal em Concórdia e Presidente Castello Branco

Policiais e agentes da Cidasc estiveram em propriedades rurais dos municípios nesta segunda-feira

Operação  investiga fraudes na identificação animal em Concórdia e Presidente Castello Branco
Imprimir

A movimentação da Polícia Civil e de agentes da Cidasc chamou a atenção na manha desta segunda-feira, em Concórdia e em Presidente Castello Branco. A Polícia Civil e Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) se uniram para realizar a Operação Campo Limpo, que investiga o transporte ilegal de animais para propriedades rurais da região de Concórdia. 


A ação acontece após denúncias ao Ministério Público de Santa Catarina de que um produtor rural de Concórdia estava trazendo bovinos do Rio Grande do Sul para comercialização, inclusive, com fraudes na identificação e registro de animais. As informações foram confirmadas durante fiscalização da Cidasc e o proprietário será penalizado por supressão ou alteração de marca em animais; associação criminosa e falsidade ideológica.


Nesta segunda-feira,10, uma nova operação foi realizada em uma propriedade rural de Presidente Castello Branco, que tem vínculos com o produtor rural de Concórdia. Todo o rebanho foi fiscalizado pela Cidasc, que também encontrou irregularidades. A Polícia Civil fez a apreensão de celulares, notebook e de R$ 12 mil. 


Entrada de animais em Santa Catarina 

Em Santa Catarina é proibido o ingresso de bovinos e bubalinos vindos de outros estados. A medida é necessária já que Santa Catarina é o único estado do país com status de área livre de febre aftosa sem vacinação, reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). 


Segundo a Lei Estadual nº 17.826, de 18/12/19, fica vedado o ingresso, em Santa Catarina, de animais vacinados contra a febre aftosa. Só está autorizado o ingresso de bovinos e bubalinos nascidos ou oriundos de outra zona livre de febre aftosa sem vacinação reconhecida pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) - no momento, nenhum outro estado brasileiro cumpre esse requisito.


Para controlar a origem desses animais, Santa Catarina tem todos os seus bovinos e bubalinos identificados individualmente.

10 ago 20 | 17h04 Por Cristiano Mortari

Operação investiga fraudes na identificação animal em Concórdia e Presidente Castello Branco

Policiais e agentes da Cidasc estiveram em propriedades rurais dos municípios nesta segunda-feira

Operação  investiga fraudes na identificação animal em Concórdia e Presidente Castello Branco

A movimentação da Polícia Civil e de agentes da Cidasc chamou a atenção na manha desta segunda-feira, em Concórdia e em Presidente Castello Branco. A Polícia Civil e Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) se uniram para realizar a Operação Campo Limpo, que investiga o transporte ilegal de animais para propriedades rurais da região de Concórdia. 


A ação acontece após denúncias ao Ministério Público de Santa Catarina de que um produtor rural de Concórdia estava trazendo bovinos do Rio Grande do Sul para comercialização, inclusive, com fraudes na identificação e registro de animais. As informações foram confirmadas durante fiscalização da Cidasc e o proprietário será penalizado por supressão ou alteração de marca em animais; associação criminosa e falsidade ideológica.


Nesta segunda-feira,10, uma nova operação foi realizada em uma propriedade rural de Presidente Castello Branco, que tem vínculos com o produtor rural de Concórdia. Todo o rebanho foi fiscalizado pela Cidasc, que também encontrou irregularidades. A Polícia Civil fez a apreensão de celulares, notebook e de R$ 12 mil. 


Entrada de animais em Santa Catarina 

Em Santa Catarina é proibido o ingresso de bovinos e bubalinos vindos de outros estados. A medida é necessária já que Santa Catarina é o único estado do país com status de área livre de febre aftosa sem vacinação, reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). 


Segundo a Lei Estadual nº 17.826, de 18/12/19, fica vedado o ingresso, em Santa Catarina, de animais vacinados contra a febre aftosa. Só está autorizado o ingresso de bovinos e bubalinos nascidos ou oriundos de outra zona livre de febre aftosa sem vacinação reconhecida pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) - no momento, nenhum outro estado brasileiro cumpre esse requisito.


Para controlar a origem desses animais, Santa Catarina tem todos os seus bovinos e bubalinos identificados individualmente.