Polícia

18 set 19 | 9h02 Por Cristiano Mortari

Hackers clonam WhatsApp de ex-moradora de Concórdia e pedem dinheiro aos contatos dela

Os estelionatários mandaram várias mensagens pedindo “ajuda para pagar um boleto”

Hackers clonam WhatsApp de ex-moradora de Concórdia e pedem dinheiro aos contatos dela
Escute
Imprimir

Golpistas conseguiram hackear a conta do WhatsApp da ex-moradora de Concórdia, Simone Ronsoni. O fato aconteceu no final da tarde de terça-feira, dia 17, depois que ela fez um anúncio em um site de vendas. Com o aplicativo de mensagens, os estelionatários tentaram aplicar golpes solicitando dinheiro aos contatos salvos.


Simone, que é auxiliar administrativa e mora há pouco mais de um mês em Chapecó, relatou ao Jornalismo da Aliança, que os golpistas agiram rápido e de uma forma “profissional”. “Eu trabalho em uma imobiliária e fiz um anúncio de um terreno em um site de vendas. Em menos de uma hora já me ligaram dizendo que era deste site e que precisavam confirmar um código, para efetivar o anúncio. Me mandaram alguns números, parecia um protocolo, muito bem elaborado”, contou. “O tal código chegou ao meu WhatsApp e eles me pediram para confirmar e aguardar. Quando desconfiei que poderia ser golpe, percebi que meu aplicativo parou de funcionar, foi muito rápido”, detalhou.


Com o WhatsApp hackeado os golpistas iniciaram conversas com os contatos da Simone para solicitar dinheiro. Se passando por ela, eles chamaram alguns individualmente e outros nos grupos. “Foram chamando o pessoal, meus amigos, familiares, inclusive o grupo de colegas da faculdade de Concórdia. A mensagem pedia ajuda, dizendo que eu precisava pagar um boleto que vencia na terça-feira e que eu estava sem saldo”, explicou a auxiliar administrativa. “Pediam valores entre R$ 800,00, e R$ 890,00”, mas creio que ninguém depositou. Meus familiares me ligaram e eu fui informando sobre o caso aos meus contatos pelo Facebook e pelo Instagram", registrou Simone.  


Outro caso:

Na última semana um empresário de Ipira também foi vítima do mesmo crime. Estelionatários conseguiram hackear o WhatsApp e tentaram aplicar golpes solicitando dinheiro aos contatos. A ação foi idêntica. Em entrevista à Aliança o empresário contou que tudo aconteceu após ele publicar fotos de um carro e o número do telefone em um site de vendas. Os golpistas ligaram e também falaram em um código de segurança. Em poucos minutos de ligação, o aplicativo havia sido hackeado.


OUÇA A ENTREVISTA ACIMA:

18 set 19 | 9h02 Por Cristiano Mortari

Hackers clonam WhatsApp de ex-moradora de Concórdia e pedem dinheiro aos contatos dela

Os estelionatários mandaram várias mensagens pedindo “ajuda para pagar um boleto”

Hackers clonam WhatsApp de ex-moradora de Concórdia e pedem dinheiro aos contatos dela

Golpistas conseguiram hackear a conta do WhatsApp da ex-moradora de Concórdia, Simone Ronsoni. O fato aconteceu no final da tarde de terça-feira, dia 17, depois que ela fez um anúncio em um site de vendas. Com o aplicativo de mensagens, os estelionatários tentaram aplicar golpes solicitando dinheiro aos contatos salvos.


Simone, que é auxiliar administrativa e mora há pouco mais de um mês em Chapecó, relatou ao Jornalismo da Aliança, que os golpistas agiram rápido e de uma forma “profissional”. “Eu trabalho em uma imobiliária e fiz um anúncio de um terreno em um site de vendas. Em menos de uma hora já me ligaram dizendo que era deste site e que precisavam confirmar um código, para efetivar o anúncio. Me mandaram alguns números, parecia um protocolo, muito bem elaborado”, contou. “O tal código chegou ao meu WhatsApp e eles me pediram para confirmar e aguardar. Quando desconfiei que poderia ser golpe, percebi que meu aplicativo parou de funcionar, foi muito rápido”, detalhou.


Com o WhatsApp hackeado os golpistas iniciaram conversas com os contatos da Simone para solicitar dinheiro. Se passando por ela, eles chamaram alguns individualmente e outros nos grupos. “Foram chamando o pessoal, meus amigos, familiares, inclusive o grupo de colegas da faculdade de Concórdia. A mensagem pedia ajuda, dizendo que eu precisava pagar um boleto que vencia na terça-feira e que eu estava sem saldo”, explicou a auxiliar administrativa. “Pediam valores entre R$ 800,00, e R$ 890,00”, mas creio que ninguém depositou. Meus familiares me ligaram e eu fui informando sobre o caso aos meus contatos pelo Facebook e pelo Instagram", registrou Simone.  


Outro caso:

Na última semana um empresário de Ipira também foi vítima do mesmo crime. Estelionatários conseguiram hackear o WhatsApp e tentaram aplicar golpes solicitando dinheiro aos contatos. A ação foi idêntica. Em entrevista à Aliança o empresário contou que tudo aconteceu após ele publicar fotos de um carro e o número do telefone em um site de vendas. Os golpistas ligaram e também falaram em um código de segurança. Em poucos minutos de ligação, o aplicativo havia sido hackeado.


OUÇA A ENTREVISTA ACIMA: