Opinião

22 jan 23 | 18h55

Obras no Estádio Domingos Machado de Lima provocam tentativa de celeuma em parte da mídia de SC

Obras no Estádio Domingos Machado de Lima provocam tentativa de celeuma em parte da mídia de SC
Imprimir

A pouca inspiração no empate sem gols entre Concórdia e Figueirense na segunda rodada do Campeonato Catarinense foi ofuscada pela condição do estádio Municipal Domingos Machado de Lima, palco do jogo e que, sabidamente por todos, está passando por obras. Quero deixar bem claro que esse comentário não é nenhuma forma de abafar a campanha do Galo do Oeste, abaixo do esperado pela crítica até aqui, com três empates sem gols em três jogos. É apenas tentar refletir sobre algumas abordagens midiáticas.


Entretanto, para polêmica ou estocadas verbais da imprensa, qualquer pé de galinha vira a uma canja. Sei disso porque atuo no meio e já usei desse expediene para tentar ter relevância. Foi isso que, ao meu ver, fez parte da imprensa esportiva de Santa Catarina sobre o estádio, que está em obras e fazendo o que e possível para atender as exigências. Afirmo que quem viu o jogo pela televisão, não teve acesso a uma realidade mais ampla, que é muito maior em relação ao que é mostrado através da telinha.


A manchete da matéria do NDMais: "Improviso no setor visitante de Concórdia e Figueirense repercute mal", abordou esse assunto.


Em um trecho, a matéria fala sobre as acomodações que ela considera tímida para 260 pessoas no setor visitante do estádio. Não é o que parece para os torcedores do Figueirense, que vieram em um número diminuto do que se previa, como mostra a foto acima, fazendo com que houvesse muitos espaços nesse setor. Porém, concordo que num clássico com a Chapecoense, por exemplo, essa ala será pequena.


Sobre as condições do estádio, podem surgir dúvidas e a maioria terá fundamentação plausível, afinal de contas vivemos uma época de Estatuto do Torcedor. Mas o fato é que o local passou por todas as vistorias necessárias e foi aprovado para receber os jogos oficiais. Volto a frisar, as condições nesse momento não são as melhores para torcedores e imprensa, mas foi aprovado! O que se pode questionar é um eventual critério, ou conjunto deles, que embasaram essa liberação. 


Era visto por todos que a remodelação da arquibancada coberta, com o setor de imprensa, era mais do que necessária. A antiga estrutura, já demolida, tinha aproximadamente 40 anos e estava obsoleta e próxima de ficar inviável para acomodação dos torcedores. Em seu lugar será erguida uma arquibancada maior, moderna, que em tese proporcionará conforto ao público e também para a imprensa. Conforme já informado, o atraso no início das obras se deu por um questionamento do Tribunal de Contas do Estado, que percebeu um problema no projeto e pediu para que o mesmo fosse refeito.


Ainda sobre a matéria do NDMAis sobre a repercussão das condições do Estádio, quando se fala em repercussão, busca-se mostrar críticas ou pontos de vista de várias pessoas sobre qualquer assunto. Entretanto, a matéria do referido veículo sobre o improviso do estádio estranhamente publicou somente uma manifestação. Trata-se do renomado comentarista (pelo menos dizem que é!), Fábio Machado. Em seu Twitter, ele disse que a parte que foi destinada à torcida do Figueira "parece arquibancada de circo de bairro. Lamentável!". Quero deixar bem claro que essa é a opinião/constatação dele. Respeita-se!


Dito isso, eu também tenho a minha opinião sobre essa tentativa de celeuma que foi publicada pelo NDMais. Para mim, um campeonato que tem clubes como Avaí, Figueirense e Joinville na prateleira dos ditos grandes de SC, a estrutura improvisada do Estádio Municipal Domingos Machado de Lima está de bom tamanho!

Jocimar Soares
Radar

Outras publicações

22 jan 23 | 18h55 Por Jocimar Soares

Obras no Estádio Domingos Machado de Lima provocam tentativa de celeuma em parte da mídia de SC

Obras no Estádio Domingos Machado de Lima provocam tentativa de celeuma em parte da mídia de SC

A pouca inspiração no empate sem gols entre Concórdia e Figueirense na segunda rodada do Campeonato Catarinense foi ofuscada pela condição do estádio Municipal Domingos Machado de Lima, palco do jogo e que, sabidamente por todos, está passando por obras. Quero deixar bem claro que esse comentário não é nenhuma forma de abafar a campanha do Galo do Oeste, abaixo do esperado pela crítica até aqui, com três empates sem gols em três jogos. É apenas tentar refletir sobre algumas abordagens midiáticas.


Entretanto, para polêmica ou estocadas verbais da imprensa, qualquer pé de galinha vira a uma canja. Sei disso porque atuo no meio e já usei desse expediene para tentar ter relevância. Foi isso que, ao meu ver, fez parte da imprensa esportiva de Santa Catarina sobre o estádio, que está em obras e fazendo o que e possível para atender as exigências. Afirmo que quem viu o jogo pela televisão, não teve acesso a uma realidade mais ampla, que é muito maior em relação ao que é mostrado através da telinha.


A manchete da matéria do NDMais: "Improviso no setor visitante de Concórdia e Figueirense repercute mal", abordou esse assunto.


Em um trecho, a matéria fala sobre as acomodações que ela considera tímida para 260 pessoas no setor visitante do estádio. Não é o que parece para os torcedores do Figueirense, que vieram em um número diminuto do que se previa, como mostra a foto acima, fazendo com que houvesse muitos espaços nesse setor. Porém, concordo que num clássico com a Chapecoense, por exemplo, essa ala será pequena.


Sobre as condições do estádio, podem surgir dúvidas e a maioria terá fundamentação plausível, afinal de contas vivemos uma época de Estatuto do Torcedor. Mas o fato é que o local passou por todas as vistorias necessárias e foi aprovado para receber os jogos oficiais. Volto a frisar, as condições nesse momento não são as melhores para torcedores e imprensa, mas foi aprovado! O que se pode questionar é um eventual critério, ou conjunto deles, que embasaram essa liberação. 


Era visto por todos que a remodelação da arquibancada coberta, com o setor de imprensa, era mais do que necessária. A antiga estrutura, já demolida, tinha aproximadamente 40 anos e estava obsoleta e próxima de ficar inviável para acomodação dos torcedores. Em seu lugar será erguida uma arquibancada maior, moderna, que em tese proporcionará conforto ao público e também para a imprensa. Conforme já informado, o atraso no início das obras se deu por um questionamento do Tribunal de Contas do Estado, que percebeu um problema no projeto e pediu para que o mesmo fosse refeito.


Ainda sobre a matéria do NDMAis sobre a repercussão das condições do Estádio, quando se fala em repercussão, busca-se mostrar críticas ou pontos de vista de várias pessoas sobre qualquer assunto. Entretanto, a matéria do referido veículo sobre o improviso do estádio estranhamente publicou somente uma manifestação. Trata-se do renomado comentarista (pelo menos dizem que é!), Fábio Machado. Em seu Twitter, ele disse que a parte que foi destinada à torcida do Figueira "parece arquibancada de circo de bairro. Lamentável!". Quero deixar bem claro que essa é a opinião/constatação dele. Respeita-se!


Dito isso, eu também tenho a minha opinião sobre essa tentativa de celeuma que foi publicada pelo NDMais. Para mim, um campeonato que tem clubes como Avaí, Figueirense e Joinville na prateleira dos ditos grandes de SC, a estrutura improvisada do Estádio Municipal Domingos Machado de Lima está de bom tamanho!