Opinião

13 nov 21 | 19h38

O Grêmio já está rebaixado. Aceitem que dói menos!

O Grêmio já está rebaixado. Aceitem que dói menos!
Imprimir

É, não tem jeito! Embora a matemática ainda aponte que é possível, o torcedor gremista já pode mudar o plano de TV por assinatura e já comprar os jogos da Série B em 2022. Mais horroroso que a campanha do time na Série A de 2021 foi a derrota para o América-MG, na noite deste sábado, dia 13, por 3 a 1. Em pouco mais de 90 minutos, o tricolor gaúcho foi um resumo de sua campanha no campeonato. Um time perdido, sem coordenação, sem técnica, sem rumo e sem tudo. A série B é uma "realidade real".


O tricolor precisará ter o máximo de aproveitamento na competição e torcer por resultados paralelos contra adversários diretos. Os próximos jogos são contra o Bragantino em casa, Chapecoense em SC, São Paulo em Porto Alegre, Bahia em Salvador, Corinthians em São Paulo, mais Atlético-MG e Flamengo, ambos em casa.


Como eu disse, são sete jogos e 21 pontos em disputa. A questão é que o Grêmio terá que construir um aproveitamento de campeão e fazer o que não fez neste campeonato, vencer em sequência e manter uma regularidade alta. Além de fazer isso, terá que torcer por resultados paralelos contra os que estão um pouco acima da tabela tipo Sport, Juventude, Bahia...talvez alguma coisa contra o São Paulo, Cuiabá e Santos. Quanto a essa segunda parte, é possível de acontecer. A tabela também será ingrata com esses concorrentes em alguns momentos. O problema é o pobre futebol que o Grêmio vem apresentando que deixa o torcedor incrédulo. 


Mas convenhamos, quem viu o jogo contra o América Mineiro, considerado uma partida fundamental para confirmar uma recuperação, retomada ou qualquer coisa do gênero, perdeu a esperança. O tricolor gaúcho acusou o golpe e entrou em campo já com a mentalidade de rebaixado. Sentimento que aumenta a cada insucesso e isso vai ser a tônica a partir de agora.


Posso queimar a língua lá na frente. Mas diante do que todo mundo está vendo até hoje. A série B está batendo na porta do tricolor gaúcho e esse processo é irreversível.


Qual motivo e razão para isso, somente o tempo dirá! O grupo no papel é qualificado, os salários estão em dia, a estrutura para os atletas é de primeiro mundo e a história recente do time vinha o credenciando a brigar por títulos e não estar nesta situação. Aliás, a folha de pagamento hoje é de R$ 14 milhões. Só fica atrás do Flamengo, Palmeiras e Atlético-MG.


O tricolor está sendo uma prova viva de que dinheiro não é sinônimo de sucesso. Ordem na casa também é fundamental. Há problemas no vestiário.


A explicação para o descenso não será encontrada logo. Mas o fato do time ter trocado de técnico quatro vezes ao longo da temporada e os acontecimentos envolvendo a torcida, embora seja uma consequência da campanha desastrosa, mostram que o Grêmio está ao encontro do rebaixamento, quinta marcha e sem freios.


O negócio é se acostumar e encarar a realidade para que o fim de ano não seja afetado pelo sentimento clubístico. Aceitem, que dó menos!


Em tempo. Este que vos escreve é torcedor do Grêmio.


Jocimar Soares
Radar

Outras publicações

13 nov 21 | 19h38 Por Jocimar Soares

O Grêmio já está rebaixado. Aceitem que dói menos!

O Grêmio já está rebaixado. Aceitem que dói menos!

É, não tem jeito! Embora a matemática ainda aponte que é possível, o torcedor gremista já pode mudar o plano de TV por assinatura e já comprar os jogos da Série B em 2022. Mais horroroso que a campanha do time na Série A de 2021 foi a derrota para o América-MG, na noite deste sábado, dia 13, por 3 a 1. Em pouco mais de 90 minutos, o tricolor gaúcho foi um resumo de sua campanha no campeonato. Um time perdido, sem coordenação, sem técnica, sem rumo e sem tudo. A série B é uma "realidade real".


O tricolor precisará ter o máximo de aproveitamento na competição e torcer por resultados paralelos contra adversários diretos. Os próximos jogos são contra o Bragantino em casa, Chapecoense em SC, São Paulo em Porto Alegre, Bahia em Salvador, Corinthians em São Paulo, mais Atlético-MG e Flamengo, ambos em casa.


Como eu disse, são sete jogos e 21 pontos em disputa. A questão é que o Grêmio terá que construir um aproveitamento de campeão e fazer o que não fez neste campeonato, vencer em sequência e manter uma regularidade alta. Além de fazer isso, terá que torcer por resultados paralelos contra os que estão um pouco acima da tabela tipo Sport, Juventude, Bahia...talvez alguma coisa contra o São Paulo, Cuiabá e Santos. Quanto a essa segunda parte, é possível de acontecer. A tabela também será ingrata com esses concorrentes em alguns momentos. O problema é o pobre futebol que o Grêmio vem apresentando que deixa o torcedor incrédulo. 


Mas convenhamos, quem viu o jogo contra o América Mineiro, considerado uma partida fundamental para confirmar uma recuperação, retomada ou qualquer coisa do gênero, perdeu a esperança. O tricolor gaúcho acusou o golpe e entrou em campo já com a mentalidade de rebaixado. Sentimento que aumenta a cada insucesso e isso vai ser a tônica a partir de agora.


Posso queimar a língua lá na frente. Mas diante do que todo mundo está vendo até hoje. A série B está batendo na porta do tricolor gaúcho e esse processo é irreversível.


Qual motivo e razão para isso, somente o tempo dirá! O grupo no papel é qualificado, os salários estão em dia, a estrutura para os atletas é de primeiro mundo e a história recente do time vinha o credenciando a brigar por títulos e não estar nesta situação. Aliás, a folha de pagamento hoje é de R$ 14 milhões. Só fica atrás do Flamengo, Palmeiras e Atlético-MG.


O tricolor está sendo uma prova viva de que dinheiro não é sinônimo de sucesso. Ordem na casa também é fundamental. Há problemas no vestiário.


A explicação para o descenso não será encontrada logo. Mas o fato do time ter trocado de técnico quatro vezes ao longo da temporada e os acontecimentos envolvendo a torcida, embora seja uma consequência da campanha desastrosa, mostram que o Grêmio está ao encontro do rebaixamento, quinta marcha e sem freios.


O negócio é se acostumar e encarar a realidade para que o fim de ano não seja afetado pelo sentimento clubístico. Aceitem, que dó menos!


Em tempo. Este que vos escreve é torcedor do Grêmio.