Opinião

12 fev 19 | 12h46 Por Rádio Aliança

Há o descontentamento, mas não acredito que Sopelsa saia do MDB

Possibilidade foi ventilada pela imprensa estadual. Deputado Moacir Sopelsa cita encaminhamentos da bancada como motivo.

Há o descontentamento, mas não acredito que Sopelsa saia do MDB
Imprimir

Se o deputado estadual Moacir Sopelsa vai sair do MDB ainda não se sabe. Porém, uma coisa é certa! Ele está descontente com o partido. O assunto veio à tona durante a segunda-feira, dia 11. O articulista político do SBT, Claudio Prisco Paraíso, fez um vídeo comentando essa possibilidade e o material viralizou nas redes sociais. Não se sabe se esse comentário foi feito na segunda-feira, dia 11, ou em outra data anterior. Além de Sopelsa, o deputado estadual Valdir Cobalchini, atual vice-presidente estadual do MDB, também estaria na ala dos descontentes. O motivo é o encaminhamento que a bancada da sigla deu para a eleição da presidência da mesa diretora da Assembleia Legislativa, ocorrida no começo desse mês.

 

Eu conversei por telefone com o deputado estadual, Moacir Sopelsa, agora no fim da manhã. Ele destaca que há uma discordância com as decisões que a bancada teria tomado na ausência dele e de Cobalchini. Inclusive, uma possibilidade de desembarque do partido, após 40 anos, não é desconsiderada.

 

O parlamentar prefere não tratar disso publicamente, mas adiantou que tudo começou quando a bancada iniciou as tratativas para lançar candidato a presidente da Assembleia Legislativa. Sopelsa havia manifestado o interesse em concorrer e propôs ao partido uma análise dos possíveis nomes da sigla que teriam condições de conquistar os 21 votos necessários para se eleger. Porém, conforme Sopelsa, sete deputados, dos nove eleitos, se reuniram na ausência dele e de Cobalchini, e deliberaram que Mauro de Nadal seria o candidato da sigla. Porém, no meio do processo de construção de candidatura, Mauro de Nadal não estava conseguindo aglutinar os votos suficientes e, em face da situação, a bancada - novamente sem consultar Sopelsa e Cobalchini, - teria deliberado para uma tratativa com o PSD, que indicou o deputado Júlio Garcia para presidente tendo Mauro de Nadal como vice, nesta chapa única e que foi eleita pelos demais pares para presidir a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa.

 

Conforme Sopelsa, a "gota d'água" não foi o fato dele e de Cobalchini serem excluídos do processo que definiu os rumos da bancada. Também foi o fato de ambos ficarem de fora da deliberação que tratou da distribuição da presidência das comissões técnicas, a qual o MDB teve direito.

 

Uma posição do comando estadual do MDB, através do seu presidente Mauro Mariani, foi cobrada pelos deputados descontentes. Uma manifestação da cúpula do partido ainda é aguardada!

 

Apesar de todo esse desconforto, eu não acredito que Sopelsa saia do partido, assim como vem sendo aventado. É uma história de 40 anos. Dentro da sigla, o hoje deputado foi vereador e prefeito de Concórdia e, desde o fim da década de 90, vem sendo eleito deputado estadual pela sigla. A história de Sopelsa se confunde com a história do MDB. Portanto, vejo que esse impasse dentro da bancada do MDB é muito pouco para uma ruptura com o partido. Sem falar que Sopelsa teria que trabalhar o dobro para construir dentro de uma nova sigla tudo o que ele já construiu dentro do MDB.

 

Por outro lado, pelo relato do próprio Sopelsa, a conduta da bancada foi no mínimo estranha em não ter nas discussões quem esteve comandando da Secretaria de Estado da Agricultura e a Secretaria de Estado da Infraestrutura, duas importantes pastas no Governo Estadual. Embora sejam situações completamente diferentes, vejo que a experiência em decisões tidas como importantes poderia ser útil para as pretensões da bancada. Porém, temos aqui somente uma parte da história. A parte dos descontentes.

 

12 fev 19 | 12h46 Por Rádio Aliança

Há o descontentamento, mas não acredito que Sopelsa saia do MDB

Possibilidade foi ventilada pela imprensa estadual. Deputado Moacir Sopelsa cita encaminhamentos da bancada como motivo.

Há o descontentamento, mas não acredito que Sopelsa saia do MDB

Se o deputado estadual Moacir Sopelsa vai sair do MDB ainda não se sabe. Porém, uma coisa é certa! Ele está descontente com o partido. O assunto veio à tona durante a segunda-feira, dia 11. O articulista político do SBT, Claudio Prisco Paraíso, fez um vídeo comentando essa possibilidade e o material viralizou nas redes sociais. Não se sabe se esse comentário foi feito na segunda-feira, dia 11, ou em outra data anterior. Além de Sopelsa, o deputado estadual Valdir Cobalchini, atual vice-presidente estadual do MDB, também estaria na ala dos descontentes. O motivo é o encaminhamento que a bancada da sigla deu para a eleição da presidência da mesa diretora da Assembleia Legislativa, ocorrida no começo desse mês.

 

Eu conversei por telefone com o deputado estadual, Moacir Sopelsa, agora no fim da manhã. Ele destaca que há uma discordância com as decisões que a bancada teria tomado na ausência dele e de Cobalchini. Inclusive, uma possibilidade de desembarque do partido, após 40 anos, não é desconsiderada.

 

O parlamentar prefere não tratar disso publicamente, mas adiantou que tudo começou quando a bancada iniciou as tratativas para lançar candidato a presidente da Assembleia Legislativa. Sopelsa havia manifestado o interesse em concorrer e propôs ao partido uma análise dos possíveis nomes da sigla que teriam condições de conquistar os 21 votos necessários para se eleger. Porém, conforme Sopelsa, sete deputados, dos nove eleitos, se reuniram na ausência dele e de Cobalchini, e deliberaram que Mauro de Nadal seria o candidato da sigla. Porém, no meio do processo de construção de candidatura, Mauro de Nadal não estava conseguindo aglutinar os votos suficientes e, em face da situação, a bancada - novamente sem consultar Sopelsa e Cobalchini, - teria deliberado para uma tratativa com o PSD, que indicou o deputado Júlio Garcia para presidente tendo Mauro de Nadal como vice, nesta chapa única e que foi eleita pelos demais pares para presidir a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa.

 

Conforme Sopelsa, a "gota d'água" não foi o fato dele e de Cobalchini serem excluídos do processo que definiu os rumos da bancada. Também foi o fato de ambos ficarem de fora da deliberação que tratou da distribuição da presidência das comissões técnicas, a qual o MDB teve direito.

 

Uma posição do comando estadual do MDB, através do seu presidente Mauro Mariani, foi cobrada pelos deputados descontentes. Uma manifestação da cúpula do partido ainda é aguardada!

 

Apesar de todo esse desconforto, eu não acredito que Sopelsa saia do partido, assim como vem sendo aventado. É uma história de 40 anos. Dentro da sigla, o hoje deputado foi vereador e prefeito de Concórdia e, desde o fim da década de 90, vem sendo eleito deputado estadual pela sigla. A história de Sopelsa se confunde com a história do MDB. Portanto, vejo que esse impasse dentro da bancada do MDB é muito pouco para uma ruptura com o partido. Sem falar que Sopelsa teria que trabalhar o dobro para construir dentro de uma nova sigla tudo o que ele já construiu dentro do MDB.

 

Por outro lado, pelo relato do próprio Sopelsa, a conduta da bancada foi no mínimo estranha em não ter nas discussões quem esteve comandando da Secretaria de Estado da Agricultura e a Secretaria de Estado da Infraestrutura, duas importantes pastas no Governo Estadual. Embora sejam situações completamente diferentes, vejo que a experiência em decisões tidas como importantes poderia ser útil para as pretensões da bancada. Porém, temos aqui somente uma parte da história. A parte dos descontentes.