Opinião

10 dez 21 | 13h29

Eu avisei! O Grêmio já estava rebaixado

Eu avisei! O Grêmio já estava rebaixado
Imprimir

O que aconteceu para o Grêmio na 38ª do Campeonato Brasileiro apenas confirmou o que eu havia escrito há quase um mês neste mesmo espaço. O time já etava rebaixado, lembram?


Sim! Apesar dos lampejos do próprio tricolor gaúcho nesta reta final e da incompetência dos demais clubes que agonizaram na luta contra o descenso, provocando a ilusão de que a salvação era possível até o apito final do último jogo, a Série B do Brasileirão é a realidade para os gremistas em 2022. Confesso que essa soma de fatores poderia me fazer queimar a língua e jogar no lixo todo o comentário anterior, já que o futebol proporciona algumas peripécias. Entretanto, prevaleceu o destino e o mesmo sempre apontou para a Série B.


Justiça seja feita. O Grêmio não somente flertou com o rebaixamento, como também se "esforçou" para cair. Apesar de ter a quarta maior folha de pagamento (em dia) entre todos da Série A, o Grêmio sempre esteve na zona do rebaixamento desde a segunda rodada do primeiro turno. Portanto, uma das maiores e inexplicáveis crises técnicas do futebol brasileiro.


Nesse tempo passaram quatro técnicos, chegada de novos jogadores, mudanças nas peças da direção e decisões equivocadas dentro e fora do campo e que resultaram no terceiro rebaixamento de sua história. 


Ao meu ver, um dos erros - e não foram poucos - foi a contratação do técnico Felipão. No que pese ele ter tido um dos melhores aproveitamentos em um ano desastroso, o veterano treinador não conseguiu ter o controle do vestiário assim como Renato Gaúcho tinha, mesmo sob justas contestações. Isso estava muito claro com as atuações em campo, num esquema tático retrógado e ultrapassado como dar a bola para o adversário, se defender e tentar alguma coisa no contra-ataque, fugindo completamente da receita vitoriosa iniciada em 2016 e que resultou em sete títulos desde então. O sistema de jogo pragmático de Felipão não estava surtindo efeito e os resultados também não estavam aparecendo. Felipão sai e a coisa não se resolveu.


Mas Luiz Felipe Scolari não é o único culpado. Há um conjunto de situações que a maioria de nós não enxergamos que talvez o tempo se encarregue de revelar. Afinal de contas, quando uma crise técnica se instaura, muitas vezes denota problema de vestiário. Tarefa essa que passa a ser Wágner Mancini, que vem para tentar ajustar os ponteiros.


Voltando ao assunto. Este espaço cravou o rebaixamento do Grêmio, mesmo que a matemática apontasse o contrário, no dia 13 de novembro de 2021, quando o Tricolor Gaúcho foi derrotado para o América-MG por 3 a 1. Essa revés, da maneira que foi e como o time atuou em campo foi um indicativo claro de que o destino dos comandados de Mancini já estava traçado e se confirmou. O que aconteceu depois como nas derrotas para o Bahia (também rebaixado) e os empates com o Corinthians, fora, e com os reservas do Flamengo em casa foi apenas consequência serviu meramente para jogar a pá de terra ou de cal sobre o tricolor dos pampas.


É ruim para uma instituição como o Grêmio ser rebaixada, é! Só para se ter uma ideia, dos ditos grandes, apenas o Vasco da Gama que tem quatro descensos, caiu mais do que o Grêmio na história. Agora é lamber as feridas, traçar metas audaciosas para 2022 e dar a volta por cima para estar novamente na Série A em 2023.




Jocimar Soares
Radar

Outras publicações

10 dez 21 | 13h29 Por Jocimar Soares

Eu avisei! O Grêmio já estava rebaixado

Eu avisei! O Grêmio já estava rebaixado

O que aconteceu para o Grêmio na 38ª do Campeonato Brasileiro apenas confirmou o que eu havia escrito há quase um mês neste mesmo espaço. O time já etava rebaixado, lembram?


Sim! Apesar dos lampejos do próprio tricolor gaúcho nesta reta final e da incompetência dos demais clubes que agonizaram na luta contra o descenso, provocando a ilusão de que a salvação era possível até o apito final do último jogo, a Série B do Brasileirão é a realidade para os gremistas em 2022. Confesso que essa soma de fatores poderia me fazer queimar a língua e jogar no lixo todo o comentário anterior, já que o futebol proporciona algumas peripécias. Entretanto, prevaleceu o destino e o mesmo sempre apontou para a Série B.


Justiça seja feita. O Grêmio não somente flertou com o rebaixamento, como também se "esforçou" para cair. Apesar de ter a quarta maior folha de pagamento (em dia) entre todos da Série A, o Grêmio sempre esteve na zona do rebaixamento desde a segunda rodada do primeiro turno. Portanto, uma das maiores e inexplicáveis crises técnicas do futebol brasileiro.


Nesse tempo passaram quatro técnicos, chegada de novos jogadores, mudanças nas peças da direção e decisões equivocadas dentro e fora do campo e que resultaram no terceiro rebaixamento de sua história. 


Ao meu ver, um dos erros - e não foram poucos - foi a contratação do técnico Felipão. No que pese ele ter tido um dos melhores aproveitamentos em um ano desastroso, o veterano treinador não conseguiu ter o controle do vestiário assim como Renato Gaúcho tinha, mesmo sob justas contestações. Isso estava muito claro com as atuações em campo, num esquema tático retrógado e ultrapassado como dar a bola para o adversário, se defender e tentar alguma coisa no contra-ataque, fugindo completamente da receita vitoriosa iniciada em 2016 e que resultou em sete títulos desde então. O sistema de jogo pragmático de Felipão não estava surtindo efeito e os resultados também não estavam aparecendo. Felipão sai e a coisa não se resolveu.


Mas Luiz Felipe Scolari não é o único culpado. Há um conjunto de situações que a maioria de nós não enxergamos que talvez o tempo se encarregue de revelar. Afinal de contas, quando uma crise técnica se instaura, muitas vezes denota problema de vestiário. Tarefa essa que passa a ser Wágner Mancini, que vem para tentar ajustar os ponteiros.


Voltando ao assunto. Este espaço cravou o rebaixamento do Grêmio, mesmo que a matemática apontasse o contrário, no dia 13 de novembro de 2021, quando o Tricolor Gaúcho foi derrotado para o América-MG por 3 a 1. Essa revés, da maneira que foi e como o time atuou em campo foi um indicativo claro de que o destino dos comandados de Mancini já estava traçado e se confirmou. O que aconteceu depois como nas derrotas para o Bahia (também rebaixado) e os empates com o Corinthians, fora, e com os reservas do Flamengo em casa foi apenas consequência serviu meramente para jogar a pá de terra ou de cal sobre o tricolor dos pampas.


É ruim para uma instituição como o Grêmio ser rebaixada, é! Só para se ter uma ideia, dos ditos grandes, apenas o Vasco da Gama que tem quatro descensos, caiu mais do que o Grêmio na história. Agora é lamber as feridas, traçar metas audaciosas para 2022 e dar a volta por cima para estar novamente na Série A em 2023.