Opinião

10 jan | 12h27 Por Rádio Aliança

Descontentes do PSB de Concórdia podem estar de saída

Há quem diga que o destino deles, ou de parte deles, seria o Partido da República.

Descontentes do PSB de Concórdia podem estar de saída
Imprimir

Aquilo que esse espaço já ventilou há alguns dias pode efetivamente acontecer. Alguns nomes do PSB, que estão descontentes com a saída da sigla da Administração Municipal, já estariam encaminhando o desembarque do partido. Dentre esses nomes está Gilberto Romani, que antes do rompimento com o Governo Municipal, vinha ocupando o cargo de superintendente da Fundação Municipal do Meio Ambiente, a Fundema. Além dele, pelo menos outros dois nomes também devem seguir pelo mesmo caminho.


Uma decisão nesse sentido poderá ser tomada nesta semana e Romani pretende se dirigir a imprensa para explicar os motivos, caso isso se confirme.


Aliás, o PSB de Concórdia se reuniu nesta semana e a parte descontente com o partido não marcou presença, o que reforça esse indício. Pelo menos é a informação que chegou até o Jornalismo da Rádio Aliança.


Antes de ir ao ponto, nunca é demais lembrar que o desembarque do PSB do Governo Pacheco e Massocco foi motivada pela eleição da Câmara de Vereadores, que conduziu Mauro Fretta, desse partido, para o comando da casa de leis, o que contrariou uma articulação da situação que até então tinha no nome de Jaderson Miguel como candidato. Em função disso, o Governo Municipal decidiu pela saída do PSB da Administração e a saída desse partido provocou reações internas, já que uma parte dos partidários, que tiveram que deixar seus cargos, não aprovou o esse desfecho.


Mantive contato com Gilberto Romani na manhã desta quinta-feira, dia 10. Ele confirma que existe essa possibilidade e ela está sendo avaliada. Por outro lado, ele nega uma outra informação de bastidor. De que o destino dos descontentes do PSB seria o PR. Vale lembrar que o Partido da República é da base do governo, do vice-prefeito Edilson Massocco. Então, conforme essa informação de bastidor, além de sair do PSB, a ala dos insatisfeitos também estaria retornando para o Governo Muncipal. Repito! Romani não confirmou essa possibilidade. Mas onde há fumaça, há fogo!


Parte dessa chama pode encontrar combustível no fato da Administração, após o desembarque do PSB, fazer com que o comando da Fundema fique cumulativamente com Mauro Martini, que vem respondendo pela Secretaria Municipal da Agricultura sob a argumentação das duas pastas terem muitos pontos afins, o que em tese facilitaria essa tarefa para Martini. Porém, a leitura que eu faço é que a Administração não manterá a Fundema sem um nome específico para essa área por muito tempo. A tendência é que uma definição deva ocorrer nas próximas semanas e, na minha visão, essa definição pode encontrar respostas nessa iminente saída de descontentes do PSB e possível ingresso deles ou de uma parte deles no PR. É a leitura que eu faço!

 

Ressalto que essa leitura é uma espécie de "colcha de retalhos" de informações que são captadas diariamente na tarefa de fazer jornalismo. Elas individualmente representam um cenário. Juntas e costuradas podem desacortinar um cenário muito maior!

 

 

 

10 jan | 12h27 Por Rádio Aliança

Descontentes do PSB de Concórdia podem estar de saída

Há quem diga que o destino deles, ou de parte deles, seria o Partido da República.

Descontentes do PSB de Concórdia podem estar de saída

Aquilo que esse espaço já ventilou há alguns dias pode efetivamente acontecer. Alguns nomes do PSB, que estão descontentes com a saída da sigla da Administração Municipal, já estariam encaminhando o desembarque do partido. Dentre esses nomes está Gilberto Romani, que antes do rompimento com o Governo Municipal, vinha ocupando o cargo de superintendente da Fundação Municipal do Meio Ambiente, a Fundema. Além dele, pelo menos outros dois nomes também devem seguir pelo mesmo caminho.


Uma decisão nesse sentido poderá ser tomada nesta semana e Romani pretende se dirigir a imprensa para explicar os motivos, caso isso se confirme.


Aliás, o PSB de Concórdia se reuniu nesta semana e a parte descontente com o partido não marcou presença, o que reforça esse indício. Pelo menos é a informação que chegou até o Jornalismo da Rádio Aliança.


Antes de ir ao ponto, nunca é demais lembrar que o desembarque do PSB do Governo Pacheco e Massocco foi motivada pela eleição da Câmara de Vereadores, que conduziu Mauro Fretta, desse partido, para o comando da casa de leis, o que contrariou uma articulação da situação que até então tinha no nome de Jaderson Miguel como candidato. Em função disso, o Governo Municipal decidiu pela saída do PSB da Administração e a saída desse partido provocou reações internas, já que uma parte dos partidários, que tiveram que deixar seus cargos, não aprovou o esse desfecho.


Mantive contato com Gilberto Romani na manhã desta quinta-feira, dia 10. Ele confirma que existe essa possibilidade e ela está sendo avaliada. Por outro lado, ele nega uma outra informação de bastidor. De que o destino dos descontentes do PSB seria o PR. Vale lembrar que o Partido da República é da base do governo, do vice-prefeito Edilson Massocco. Então, conforme essa informação de bastidor, além de sair do PSB, a ala dos insatisfeitos também estaria retornando para o Governo Muncipal. Repito! Romani não confirmou essa possibilidade. Mas onde há fumaça, há fogo!


Parte dessa chama pode encontrar combustível no fato da Administração, após o desembarque do PSB, fazer com que o comando da Fundema fique cumulativamente com Mauro Martini, que vem respondendo pela Secretaria Municipal da Agricultura sob a argumentação das duas pastas terem muitos pontos afins, o que em tese facilitaria essa tarefa para Martini. Porém, a leitura que eu faço é que a Administração não manterá a Fundema sem um nome específico para essa área por muito tempo. A tendência é que uma definição deva ocorrer nas próximas semanas e, na minha visão, essa definição pode encontrar respostas nessa iminente saída de descontentes do PSB e possível ingresso deles ou de uma parte deles no PR. É a leitura que eu faço!

 

Ressalto que essa leitura é uma espécie de "colcha de retalhos" de informações que são captadas diariamente na tarefa de fazer jornalismo. Elas individualmente representam um cenário. Juntas e costuradas podem desacortinar um cenário muito maior!