Opinião

22 nov 22 | 16h00

A Seleção Brasileira pode chegar, no mínimo, na semifinal da Copa 2022

A Seleção Brasileira pode chegar, no mínimo, na semifinal da Copa 2022
Imprimir

Diferente de outros anos - talvez a Eleição explique isso - estamos vivendo um clima bem ameno de Copa do Mundo de Futebol. A competição, iniciada no fim de semana, vai conhecer o seu campeão no dia 18 de dezembro. Mesmo nesse clima "chuchu", no fundo, o país ainda torce pelo hexacampeonato e a retomada do Brasil à hegemonia mundial no esporte mais popular do planeta.


Haja vista o que eu vi até aqui dos jogos já disputados, eliminatórias e amistosos, bem como o chaveamento desta primeira fase, o meu palpite é que o time do técnico Tite chegue pelo menos na semifinal. A última vez que isso aconteceu foi na Copa do Mundo de 2014, disputada aqui no país. O resultado todo mundo lembra ou tenta esquecer!


Falo que o time tem condições de estar entre os quatro melhores porque na minha concepção o técnico Tite conseguiu achar o equilíbrio no grupo. Ou seja, a força do time passou a estar no coletivo e não mais no Neymar, que antes carregava ou tentava carregar a Seleção. Até então, neutralizar o menino Ney era anular todo o grupo, já que o esquema de jogo obrigatoriamente orbitava no nosso camisa 10. Entretanto, nos últimos jogos vi uma evolução coletiva no Brasil, onde todos são chamados para a responsabilidade, tanto com a posse, como marcando e buscando a bola. Em comparação com 2018, a melhora no quesito conjunto é muito significativa.


Um segundo ponto que reforça a minha tese de semifinal se resume aos prováveis cruzamentos que o Brasil terá até a semifinal. A única seleção que poderá fazer frente é justamente a Alemanha. O time germânico, embora esteja passando por um processo de reformulação, continua tendo camisa, peso e qualidade. Será um páreo duríssimo em um eventual cruzamento na disputa por um lugar na final.


Nesse chavamento da segunda parte da tabela, ainda tem a Espanha e a Bélgica, que estão um pouco mais atrás. Em seguida tem Portugal, que é puxada pelo decadente e não menos brilhante, Cristiano Ronaldo.


Nesta arrancada, na chave de grupos, o Brasil terá a Sérvia, Suíça e Camarões. Para mim, é o segundo "grupo da morte", atrás da chave E, que tem Espanha, Costa Rica, Alemanha e Japão.


Apesar do relativo equilíbrio nesta arrancada, acredito sim que o Brasil passe em primeiro lugar para às oitavas e alcance a semifinal em jogos com mais emoções!

Jocimar Soares
Radar

Outras publicações

22 nov 22 | 16h00 Por Jocimar Soares

A Seleção Brasileira pode chegar, no mínimo, na semifinal da Copa 2022

A Seleção Brasileira pode chegar, no mínimo, na semifinal da Copa 2022

Diferente de outros anos - talvez a Eleição explique isso - estamos vivendo um clima bem ameno de Copa do Mundo de Futebol. A competição, iniciada no fim de semana, vai conhecer o seu campeão no dia 18 de dezembro. Mesmo nesse clima "chuchu", no fundo, o país ainda torce pelo hexacampeonato e a retomada do Brasil à hegemonia mundial no esporte mais popular do planeta.


Haja vista o que eu vi até aqui dos jogos já disputados, eliminatórias e amistosos, bem como o chaveamento desta primeira fase, o meu palpite é que o time do técnico Tite chegue pelo menos na semifinal. A última vez que isso aconteceu foi na Copa do Mundo de 2014, disputada aqui no país. O resultado todo mundo lembra ou tenta esquecer!


Falo que o time tem condições de estar entre os quatro melhores porque na minha concepção o técnico Tite conseguiu achar o equilíbrio no grupo. Ou seja, a força do time passou a estar no coletivo e não mais no Neymar, que antes carregava ou tentava carregar a Seleção. Até então, neutralizar o menino Ney era anular todo o grupo, já que o esquema de jogo obrigatoriamente orbitava no nosso camisa 10. Entretanto, nos últimos jogos vi uma evolução coletiva no Brasil, onde todos são chamados para a responsabilidade, tanto com a posse, como marcando e buscando a bola. Em comparação com 2018, a melhora no quesito conjunto é muito significativa.


Um segundo ponto que reforça a minha tese de semifinal se resume aos prováveis cruzamentos que o Brasil terá até a semifinal. A única seleção que poderá fazer frente é justamente a Alemanha. O time germânico, embora esteja passando por um processo de reformulação, continua tendo camisa, peso e qualidade. Será um páreo duríssimo em um eventual cruzamento na disputa por um lugar na final.


Nesse chavamento da segunda parte da tabela, ainda tem a Espanha e a Bélgica, que estão um pouco mais atrás. Em seguida tem Portugal, que é puxada pelo decadente e não menos brilhante, Cristiano Ronaldo.


Nesta arrancada, na chave de grupos, o Brasil terá a Sérvia, Suíça e Camarões. Para mim, é o segundo "grupo da morte", atrás da chave E, que tem Espanha, Costa Rica, Alemanha e Japão.


Apesar do relativo equilíbrio nesta arrancada, acredito sim que o Brasil passe em primeiro lugar para às oitavas e alcance a semifinal em jogos com mais emoções!