Opinião

24 fev 22 | 13h20

A eleição se aproxima e as "manobras" já iniciaram! Fique atento!

A eleição se aproxima e as "manobras" já iniciaram! Fique atento!
Imprimir

Ano eleitoral é sempre uma “caixa de surpresa”. Quando as eleições se aproximam, os desdobramentos, as estratégias e por muitas vezes as decepções, viram rotina na vida dos eleitores. A cada notícia sobre política, uma “reviravolta”.

 

Escrevo sobre isso porque em outubro temos eleições nacionais e estaduais e já começamos a observar as “manobras” de políticos por aí. Não vou me ater aos nomes, mas basta acompanhar os noticiários que o eleitor vai identificar a postura de alguns postulantes.

 

Tem político prometendo apoiar adversários históricos, tem partidos sujeitos a esquecer as ideologias e se juntar às siglas que sempre combateram, enfim, esse jogo é de estratégias e cada jogador monta seu “esquema” para ter êxito. Esquema, que muitas vezes, fica acima de qualquer coisa!

 

E aí, te convido a analisar: O que realmente está em jogo? O interesse pelo bem comum, por um país melhor, por estados melhores? O interesse pela qualidade de vida das pessoas? Ou o objetivo de tanta manobra é o interesse próprio e o poder?

 

Ainda não tem nada definido, não há candidaturas efetivadas, não há certeza do que vai acontecer, seja no âmbito nacional ou no estadual. Porém, mesmo com o cenário ainda em construção, já é possível observar como as peças se movimentam e a partir daí, tirar conclusões sobre o que realmente está em jogo e sobre quem vai merecer o voto.

 

Não cito nenhum nome, nenhuma sigla e nenhuma possibilidade de aliança política. Também não estou dizendo que "mudar" é errado, ou "seguir" do mesmo lado é o melhor. O objetivo aqui é despertar o senso crítico, para que possamos realmente votar em quem acreditamos que vai contribuir com a vida das pessoas.

 

Mas vale o alerta: Quando a ideologia, a história política, a base, os discursos e tantas outras características defendidas com unhas e dentes, simplesmente são trocadas por outras que são totalmente opostas, duvido que a intenção seja o bem coletivo.

 

Cuidado, eleitor! Analise cada manobra, cada discurso e cada detalhe para fazer suas escolhas. Vote em quem te convencer que está pensando em você, e não em um cargo político e em interesses pessoais! É difícil, mas dá pra escolher!!


Cristiano Mortari
Conexão Regional

Outras publicações

24 fev 22 | 13h20 Por Cristiano Mortari

A eleição se aproxima e as "manobras" já iniciaram! Fique atento!

A eleição se aproxima e as "manobras" já iniciaram! Fique atento!

Ano eleitoral é sempre uma “caixa de surpresa”. Quando as eleições se aproximam, os desdobramentos, as estratégias e por muitas vezes as decepções, viram rotina na vida dos eleitores. A cada notícia sobre política, uma “reviravolta”.

 

Escrevo sobre isso porque em outubro temos eleições nacionais e estaduais e já começamos a observar as “manobras” de políticos por aí. Não vou me ater aos nomes, mas basta acompanhar os noticiários que o eleitor vai identificar a postura de alguns postulantes.

 

Tem político prometendo apoiar adversários históricos, tem partidos sujeitos a esquecer as ideologias e se juntar às siglas que sempre combateram, enfim, esse jogo é de estratégias e cada jogador monta seu “esquema” para ter êxito. Esquema, que muitas vezes, fica acima de qualquer coisa!

 

E aí, te convido a analisar: O que realmente está em jogo? O interesse pelo bem comum, por um país melhor, por estados melhores? O interesse pela qualidade de vida das pessoas? Ou o objetivo de tanta manobra é o interesse próprio e o poder?

 

Ainda não tem nada definido, não há candidaturas efetivadas, não há certeza do que vai acontecer, seja no âmbito nacional ou no estadual. Porém, mesmo com o cenário ainda em construção, já é possível observar como as peças se movimentam e a partir daí, tirar conclusões sobre o que realmente está em jogo e sobre quem vai merecer o voto.

 

Não cito nenhum nome, nenhuma sigla e nenhuma possibilidade de aliança política. Também não estou dizendo que "mudar" é errado, ou "seguir" do mesmo lado é o melhor. O objetivo aqui é despertar o senso crítico, para que possamos realmente votar em quem acreditamos que vai contribuir com a vida das pessoas.

 

Mas vale o alerta: Quando a ideologia, a história política, a base, os discursos e tantas outras características defendidas com unhas e dentes, simplesmente são trocadas por outras que são totalmente opostas, duvido que a intenção seja o bem coletivo.

 

Cuidado, eleitor! Analise cada manobra, cada discurso e cada detalhe para fazer suas escolhas. Vote em quem te convencer que está pensando em você, e não em um cargo político e em interesses pessoais! É difícil, mas dá pra escolher!!