Momento Agro

08 nov 19 | 15h45 Por Jocimar Soares

Recolhimento de carcaças: Sopelsa defende que produtores não paguem pelo recolhimento

Deputados, prefeitos, secretários e lideranças participaram de reunião em Concórdia, nesta sexta-feira (8), para debater a coleta, transporte e destinação de carcaças de animais mortos.

Recolhimento de carcaças: Sopelsa defende que produtores não paguem pelo recolhimento
Imprimir

O projeto Recolhe é uma ação pioneira em Santa Catarina, que é muito importante para o controle da sanidade e o meio ambiente. Segundo dados da empresa CBRASA, responsável pela coleta que operava em Seara, em 2018 foram recolhidos e processados 11 mil toneladas e 239 mil cabeças de suínos e bovinos.


Para o deputado Sopelsa “Na realidade demorou muito para alguns técnicos do ministério da agricultura entender e autorizar o recolhimento das carcaças e a devida utilização desta matéria prima”. 


O parlamentar defende que é preciso trabalhar para encontrar os caminhos, viabilizar o projeto e continuar avançando no debate e nos estudos. “Em parceria com técnicos da Cidasc e Embrapa, entre outras precisamos viabilizar uma forma de utilizar esta matéria-prima, também no Brasil para produção de farinha para ração de cães, gatos e peixes. Além de avançarmos na questão da tributação”, defende.


O deputado Moacir Sopelsa (MDB) reforça a posição da Bancada do Oeste, contrária à cobrança ao produtor pelo recolhimento, “Esta gente já ganha pouco na atividade e com mais este sacrifício fica ainda mais difícil. Temos que encontrar uma solução para que o produtor não tenha que pagar pelo recolhimento dos animais mortos de suas propriedades. Está muito claro que o produtor precisa ser ajudado”, finaliza.


(Fonte: Douglas Fortes/Especial)

08 nov 19 | 15h45 Por Jocimar Soares

Recolhimento de carcaças: Sopelsa defende que produtores não paguem pelo recolhimento

Deputados, prefeitos, secretários e lideranças participaram de reunião em Concórdia, nesta sexta-feira (8), para debater a coleta, transporte e destinação de carcaças de animais mortos.

Recolhimento de carcaças: Sopelsa defende que produtores não paguem pelo recolhimento

O projeto Recolhe é uma ação pioneira em Santa Catarina, que é muito importante para o controle da sanidade e o meio ambiente. Segundo dados da empresa CBRASA, responsável pela coleta que operava em Seara, em 2018 foram recolhidos e processados 11 mil toneladas e 239 mil cabeças de suínos e bovinos.


Para o deputado Sopelsa “Na realidade demorou muito para alguns técnicos do ministério da agricultura entender e autorizar o recolhimento das carcaças e a devida utilização desta matéria prima”. 


O parlamentar defende que é preciso trabalhar para encontrar os caminhos, viabilizar o projeto e continuar avançando no debate e nos estudos. “Em parceria com técnicos da Cidasc e Embrapa, entre outras precisamos viabilizar uma forma de utilizar esta matéria-prima, também no Brasil para produção de farinha para ração de cães, gatos e peixes. Além de avançarmos na questão da tributação”, defende.


O deputado Moacir Sopelsa (MDB) reforça a posição da Bancada do Oeste, contrária à cobrança ao produtor pelo recolhimento, “Esta gente já ganha pouco na atividade e com mais este sacrifício fica ainda mais difícil. Temos que encontrar uma solução para que o produtor não tenha que pagar pelo recolhimento dos animais mortos de suas propriedades. Está muito claro que o produtor precisa ser ajudado”, finaliza.


(Fonte: Douglas Fortes/Especial)