Momento Agro

13 mai 17 | 18h37 Por Rádio Aliança

Frigorífico da JBS de Seara no roteiro da missão da Coréia do Sul

Comitiva asiática estará no estado na próxima semana para vistoria unidades frigoríficas.

Frigorífico da JBS de Seara no roteiro da missão da Coréia do Sul
Imprimir

O frigorífico da JBS de Seara está no roteiro da missão sul-coreana, que estará vistoriando frigoríficos em Santa Catarina, nos próximos dias. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado da Agricultura. Além dessa planta, a comitiva asiática estará visitando os frigoríficos BRF e Aurora em Chapecó, BRF em Campos Novos e Pamplona, em Presidente Getúlio.

O objetivo é habilitar essas unidades para exportação, já que o Governo da Coréia do Sul já autorizou a exportação. Depois dessa visita, o próximo passo é a habilitação do certificado sanitário entre os dois países, que vai estabelecer regras. Dentre elas está a exigência de que os animais exportados sejam nascidos e criados em Santa Catarina. Depois dessa fase, inicia-se as negociações entre as empresas e os potenciais compradores.

A meta é vender cerca de 30 mil toneladas por ano aos coreanos, que compram cerca de 450 mil toneladas ao ano. Esse volume dará um incremento de 15% nas exportações do Estado. 

13 mai 17 | 18h37 Por Rádio Aliança

Frigorífico da JBS de Seara no roteiro da missão da Coréia do Sul

Comitiva asiática estará no estado na próxima semana para vistoria unidades frigoríficas.

Frigorífico da JBS de Seara no roteiro da missão da Coréia do Sul

O frigorífico da JBS de Seara está no roteiro da missão sul-coreana, que estará vistoriando frigoríficos em Santa Catarina, nos próximos dias. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado da Agricultura. Além dessa planta, a comitiva asiática estará visitando os frigoríficos BRF e Aurora em Chapecó, BRF em Campos Novos e Pamplona, em Presidente Getúlio.

O objetivo é habilitar essas unidades para exportação, já que o Governo da Coréia do Sul já autorizou a exportação. Depois dessa visita, o próximo passo é a habilitação do certificado sanitário entre os dois países, que vai estabelecer regras. Dentre elas está a exigência de que os animais exportados sejam nascidos e criados em Santa Catarina. Depois dessa fase, inicia-se as negociações entre as empresas e os potenciais compradores.

A meta é vender cerca de 30 mil toneladas por ano aos coreanos, que compram cerca de 450 mil toneladas ao ano. Esse volume dará um incremento de 15% nas exportações do Estado.