Momento Agro

02 ago 19 | 10h31 Por Analu Slongo

Faesc critica governo do Estado pela tributação de defensivos agrícolas

Entidade projeta um aumento de 25% o custo de produção de grãos, leite e carne

Faesc critica governo do Estado pela tributação de defensivos agrícolas
Escute
Imprimir

A partir desta quinta-feira, 1º de agosto, vai entrar em vigor em Santa Catarina a lei que aumenta a cobrança de impostos para defensivos agrícolas. No início deste ano entidades ligadas ao setor agrícola tentaram a revogação do decreto que vai permitir essa tributação de 17% sobre esses produtos.


A entidade calcula que o custo de produção aumentará em torno de 25% a produção de grãos, leite e carne. Provavelmente os consumidores também vão perceber esse impacto nas gôndolas dos supermercados. Segundo a Faesc, a maioria dos estados brasileiros mantém a isenção de impostos, especialmente o Paraná e Rio Grande do Sul, o que deixará o produto catarinense em desvantagem no mercado.


O vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), Enori Barbieri, diz que essa medida vai afetar toda a população e não apenas quem produz alimentos, e fez duras críticas a essa atitude do governo. Na opinião do vice-presidente da Faesc não há como pensar em produção em grande escala sem o uso dos defensivos químicos. (Ouça o áudio acima).



02 ago 19 | 10h31 Por Analu Slongo

Faesc critica governo do Estado pela tributação de defensivos agrícolas

Entidade projeta um aumento de 25% o custo de produção de grãos, leite e carne

Faesc critica governo do Estado pela tributação de defensivos agrícolas

A partir desta quinta-feira, 1º de agosto, vai entrar em vigor em Santa Catarina a lei que aumenta a cobrança de impostos para defensivos agrícolas. No início deste ano entidades ligadas ao setor agrícola tentaram a revogação do decreto que vai permitir essa tributação de 17% sobre esses produtos.


A entidade calcula que o custo de produção aumentará em torno de 25% a produção de grãos, leite e carne. Provavelmente os consumidores também vão perceber esse impacto nas gôndolas dos supermercados. Segundo a Faesc, a maioria dos estados brasileiros mantém a isenção de impostos, especialmente o Paraná e Rio Grande do Sul, o que deixará o produto catarinense em desvantagem no mercado.


O vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), Enori Barbieri, diz que essa medida vai afetar toda a população e não apenas quem produz alimentos, e fez duras críticas a essa atitude do governo. Na opinião do vice-presidente da Faesc não há como pensar em produção em grande escala sem o uso dos defensivos químicos. (Ouça o áudio acima).