Agronegócio

20 ago 20 | 18h09 Por Jocimar Soares

Embrapa: Custos de produção de suínos sobem 10,93% em julho

Dados foram apresentados no começo desse mês

Embrapa: Custos de produção de suínos sobem 10,93% em julho
Imprimir

Os custos mensais de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, registram alta em julho. O destaque é para o aumento de 10,93% nos custos de produção de suínos em comparação com junho, o que fez o ICPSuíno chegar ao recorde de 270,48 pontos.


 Em 2020, o ICPSuíno da Embrapa acumula 21,31% (e 28,92% nos últimos 12 meses). O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina passou de R$ 4,62 em junho para R$ 4,73 em julho.


 Segundo o analista da área de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves, Ari Jarbas Sandi, de janeiro de 2011 a julho de 2020 o custo de produção de suínos tipo ciclo completo aumentou 97,03%, passando de R$ 2,40 para R$ 4,73 por kg de suíno vivo. “Como é de se esperar, os insumos que mais contribuíram para esses aumentos foram o milho e o farelo de soja. De janeiro de 2011 a julho de 2020, o milho oscilou 118,8%, enquanto o farelo de soja aumentou em 126,57% o seu preço de mercado”, diz Sandi. Contudo, “de julho de 2015 a julho de 2020, o milho aumentou 85,4%, enquanto o farelo de soja obteve alta de 60%”, destaca. Atualmente, o milho custa R$/kg 0,857 e o farelo de soja R$/kg 1,953 (preços de atacado para Santa Catarina).


“A expectativa é que esses custos reduzam um pouco a partir de setembro de 2020 em diante. Entretanto, a demanda internacional por grãos continua aquecida e, aliada à taxa de câmbio, no curto prazo, pode ocorrer uma frustração na minimização do impacto dos preços dos insumos primários sobre os custos totais de produção de suínos. No entanto, apesar de os custos de produção estarem elevados, os preços do suíno no mercado independente também estão aquecidos, o que por enquanto, confere margem bruta positiva aos suinocultores do tipo independentes. A margem bruta é obtida a partir da diferença entre a renda bruta total e os custos variáveis”, diz o analista da Embrapa.


O custo de produção de frango de corte também subiu em julho. A variação foi de 1,47% em comparação ao mês anterior, o que o ICPFrango chegar ao recorde de 265,91 pontos.


 Agora, o índice acumula 14,33% de alta em 2020 (e 21,22% nos últimos 12 meses). O custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná passou dos R$ 3,39 em junho para R$ 3,44 em julho.


Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. Santa Catarina e Paraná são usados como estados referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.


(Fonte: Lucas Scherer Cardoso/Embrapa)



20 ago 20 | 18h09 Por Jocimar Soares

Embrapa: Custos de produção de suínos sobem 10,93% em julho

Dados foram apresentados no começo desse mês

Embrapa: Custos de produção de suínos sobem 10,93% em julho

Os custos mensais de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, registram alta em julho. O destaque é para o aumento de 10,93% nos custos de produção de suínos em comparação com junho, o que fez o ICPSuíno chegar ao recorde de 270,48 pontos.


 Em 2020, o ICPSuíno da Embrapa acumula 21,31% (e 28,92% nos últimos 12 meses). O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina passou de R$ 4,62 em junho para R$ 4,73 em julho.


 Segundo o analista da área de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves, Ari Jarbas Sandi, de janeiro de 2011 a julho de 2020 o custo de produção de suínos tipo ciclo completo aumentou 97,03%, passando de R$ 2,40 para R$ 4,73 por kg de suíno vivo. “Como é de se esperar, os insumos que mais contribuíram para esses aumentos foram o milho e o farelo de soja. De janeiro de 2011 a julho de 2020, o milho oscilou 118,8%, enquanto o farelo de soja aumentou em 126,57% o seu preço de mercado”, diz Sandi. Contudo, “de julho de 2015 a julho de 2020, o milho aumentou 85,4%, enquanto o farelo de soja obteve alta de 60%”, destaca. Atualmente, o milho custa R$/kg 0,857 e o farelo de soja R$/kg 1,953 (preços de atacado para Santa Catarina).


“A expectativa é que esses custos reduzam um pouco a partir de setembro de 2020 em diante. Entretanto, a demanda internacional por grãos continua aquecida e, aliada à taxa de câmbio, no curto prazo, pode ocorrer uma frustração na minimização do impacto dos preços dos insumos primários sobre os custos totais de produção de suínos. No entanto, apesar de os custos de produção estarem elevados, os preços do suíno no mercado independente também estão aquecidos, o que por enquanto, confere margem bruta positiva aos suinocultores do tipo independentes. A margem bruta é obtida a partir da diferença entre a renda bruta total e os custos variáveis”, diz o analista da Embrapa.


O custo de produção de frango de corte também subiu em julho. A variação foi de 1,47% em comparação ao mês anterior, o que o ICPFrango chegar ao recorde de 265,91 pontos.


 Agora, o índice acumula 14,33% de alta em 2020 (e 21,22% nos últimos 12 meses). O custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná passou dos R$ 3,39 em junho para R$ 3,44 em julho.


Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. Santa Catarina e Paraná são usados como estados referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.


(Fonte: Lucas Scherer Cardoso/Embrapa)