Agronegócio

24 mar 21 | 6h00 Por Jocimar Soares

Custos de produção de frangos de corte e de suínos acumulam alta de mais de 48% nos últimos 12 meses

Nutrição dos animais foi um dos itens que mais pesaram nos custos de produção no ano passado

Custos de produção de frangos de corte e de suínos acumulam alta de mais de 48% nos últimos 12 meses
Imprimir

Os custos de produção de frango de corte e de suínos continuam subindo em 2021. Apenas em fevereiro, os custos para os frangos de corte aumentaram 6,89%, enquanto que para suínos a alta foi de 3,74% em relação a janeiro. Os números são da CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, que disponibiliza as informações no site embrapa.br/suínos-e-ave/cias.


O ICPFrango chegou a um novo recorde nominal no segundo mês do ano ao marcar 378,56 pontos (em dezembro de 2020 estava em 336,88 pontos). No ano, a alta acumulada é de 12,02% e chega a 48,30% nos últimos 12 meses. Os custos com a alimentação das aves subiram 13,26% somente em 2021. Assim, o custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná, produzido em aviário tipo climatizado em pressão positiva, passou dos R$ 4,58 em janeiro para R$ 4,89 em fevereiro


Já o ICPSuíno alcançou os 393,48 pontos, também novo recorde nominal, em fevereiro. O acumulado no ano é de 4,84% e, nos últimos 12 meses, o aumento já é de 48,74%. A nutrição dos suínos, item que compõe 82,16% dos custos de produção, aumentou 4,53% em fevereiro. Com isso, o custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina subiu R$ 0,25 entre janeiro e fevereiro, passando de R$ 6,63 para R$ 6,88.


Os estados de Santa Catarina e Paraná são usados como referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

24 mar 21 | 6h00 Por Jocimar Soares

Custos de produção de frangos de corte e de suínos acumulam alta de mais de 48% nos últimos 12 meses

Nutrição dos animais foi um dos itens que mais pesaram nos custos de produção no ano passado

Custos de produção de frangos de corte e de suínos acumulam alta de mais de 48% nos últimos 12 meses

Os custos de produção de frango de corte e de suínos continuam subindo em 2021. Apenas em fevereiro, os custos para os frangos de corte aumentaram 6,89%, enquanto que para suínos a alta foi de 3,74% em relação a janeiro. Os números são da CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, que disponibiliza as informações no site embrapa.br/suínos-e-ave/cias.


O ICPFrango chegou a um novo recorde nominal no segundo mês do ano ao marcar 378,56 pontos (em dezembro de 2020 estava em 336,88 pontos). No ano, a alta acumulada é de 12,02% e chega a 48,30% nos últimos 12 meses. Os custos com a alimentação das aves subiram 13,26% somente em 2021. Assim, o custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná, produzido em aviário tipo climatizado em pressão positiva, passou dos R$ 4,58 em janeiro para R$ 4,89 em fevereiro


Já o ICPSuíno alcançou os 393,48 pontos, também novo recorde nominal, em fevereiro. O acumulado no ano é de 4,84% e, nos últimos 12 meses, o aumento já é de 48,74%. A nutrição dos suínos, item que compõe 82,16% dos custos de produção, aumentou 4,53% em fevereiro. Com isso, o custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina subiu R$ 0,25 entre janeiro e fevereiro, passando de R$ 6,63 para R$ 6,88.


Os estados de Santa Catarina e Paraná são usados como referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.