Momento Agro

15 fev 07 | 22h49 Por Rádio Aliança

Assassinato de Valdir Giaretta foi encomendado pelo funcionário da vítima

Assassinato de Valdir Giaretta foi encomendado pelo funcionário da vítima
Imprimir

A Polícia Civil de Chapecó prendeu na tarde desta quinta-feira (15/2), os três elementos acusados pela morte do vereador e presidente do PFL de Seara, Valdir Giaretta, executado, com três tiros, na madrugada de quarta-feira (14/2), na ponte do Goio-Ên, em Chapecó. Os elementos confessaram o crime para a polícia.


O delegado Regional de Polícia de Chapecó, Mauro Rodrigues, declarou para reportagem da Rádio Aliança, que o chacreiro da vítima Angelin Baú, de 41 anos, que trabalhava há 11 meses, para Valdir Giaretta, foi quem encomendou o crime.



Angelin Baú armou uma tocaia na noite da terça-feira (13/2). Quando Giaretta chegou na propriedade, os dois chapecoenses estavam aguardando. O vereador foi posto no porta malas do Siena(encontrado incendiado às 4 da madrugada da quarta no bairro engenho Braum) e levado para a ponte do Goio-En.




Baú pagou R$ 500,00 para Luciano Quadros, de 22 anos e Rosemar Moreira, de 29 anos, dar um susto em Giaretta. Como a vítima reagiu e houve luta corporal, os elementos assassinaram o vereador searaense com três tiros, usando uma das armas da vítima.



O chacreiro, Angelin Baú, declarou para a polícia que o motivo do crime, foi um financiamento que Valdir Giaretta, teria feito em nome do funcionário, e por não ter quitado a dívida, Angelin Baú ficou com o nome sujo no Serasa.

15 fev 07 | 22h49 Por Rádio Aliança

Assassinato de Valdir Giaretta foi encomendado pelo funcionário da vítima

Assassinato de Valdir Giaretta foi encomendado pelo funcionário da vítima

A Polícia Civil de Chapecó prendeu na tarde desta quinta-feira (15/2), os três elementos acusados pela morte do vereador e presidente do PFL de Seara, Valdir Giaretta, executado, com três tiros, na madrugada de quarta-feira (14/2), na ponte do Goio-Ên, em Chapecó. Os elementos confessaram o crime para a polícia.


O delegado Regional de Polícia de Chapecó, Mauro Rodrigues, declarou para reportagem da Rádio Aliança, que o chacreiro da vítima Angelin Baú, de 41 anos, que trabalhava há 11 meses, para Valdir Giaretta, foi quem encomendou o crime.



Angelin Baú armou uma tocaia na noite da terça-feira (13/2). Quando Giaretta chegou na propriedade, os dois chapecoenses estavam aguardando. O vereador foi posto no porta malas do Siena(encontrado incendiado às 4 da madrugada da quarta no bairro engenho Braum) e levado para a ponte do Goio-En.




Baú pagou R$ 500,00 para Luciano Quadros, de 22 anos e Rosemar Moreira, de 29 anos, dar um susto em Giaretta. Como a vítima reagiu e houve luta corporal, os elementos assassinaram o vereador searaense com três tiros, usando uma das armas da vítima.



O chacreiro, Angelin Baú, declarou para a polícia que o motivo do crime, foi um financiamento que Valdir Giaretta, teria feito em nome do funcionário, e por não ter quitado a dívida, Angelin Baú ficou com o nome sujo no Serasa.