Agronegócio

07 mai 21 | 19h12 Por Jocimar Soares

Arábia Saudita suspende compra de carne de frango do Frigorífico Seara de Ipumirim

Além da planta fabril da Amauc, outras unidades da companhia também tiveram a suspensão de venda

Arábia Saudita suspende compra de carne de frango do Frigorífico Seara de Ipumirim
Imprimir

A Arábia Saudita suspendeu as exportações de carne de frango da unidade da fabril da marca Seara, de Ipumirim. A medida também afeta plantas frigoríficas de outras indústrias, espalhadas pelo país. O comunicado sobre essa decisão, que passa a valer a partir do próximo dia 23, foi feito na sexta-feira, dia 7, pela autoridade sanitária do país do Oriente Médio.


Conforme o comunicado, a suspensão foi percebida através da atualização da lista de empresas habilitadas chamada de Saudi Food and Drug Authority. Não há detalhes dessa suspensão. O governo brasileiro também iniciou contatos com as autoridades da Arábia Saudita e a embaixada desse país para tentar esclarecer esse impasse.


Além de Ipumirim, tiveram a exportação suspensa as plantas da Seara de Amparo (SP), Brasília (DF), Campo Mourão (PR) e Caxias do Sul (RS);


Duas da JBS, em Montenegro e Passo Fundo, no Rio Grande do Sul.


Três da Vibra Agroindustrial, em Itapejara D'Oeste e Pato Branco, ambas no Paraná e Sete Lagoas (MG).


Uma da Agroaraçá, em Nova Araçá (RS).


Conforme a Associação Brasileira de Proteína Animal, ABPA, as exportações brasileiras de frango para a Arábia Saudita atingiram 120,8 mil toneladas no primeiro trimestre deste ano. Essa marca representa uma alta de 8,5% em comparação com o ano passado.


07 mai 21 | 19h12 Por Jocimar Soares

Arábia Saudita suspende compra de carne de frango do Frigorífico Seara de Ipumirim

Além da planta fabril da Amauc, outras unidades da companhia também tiveram a suspensão de venda

Arábia Saudita suspende compra de carne de frango do Frigorífico Seara de Ipumirim

A Arábia Saudita suspendeu as exportações de carne de frango da unidade da fabril da marca Seara, de Ipumirim. A medida também afeta plantas frigoríficas de outras indústrias, espalhadas pelo país. O comunicado sobre essa decisão, que passa a valer a partir do próximo dia 23, foi feito na sexta-feira, dia 7, pela autoridade sanitária do país do Oriente Médio.


Conforme o comunicado, a suspensão foi percebida através da atualização da lista de empresas habilitadas chamada de Saudi Food and Drug Authority. Não há detalhes dessa suspensão. O governo brasileiro também iniciou contatos com as autoridades da Arábia Saudita e a embaixada desse país para tentar esclarecer esse impasse.


Além de Ipumirim, tiveram a exportação suspensa as plantas da Seara de Amparo (SP), Brasília (DF), Campo Mourão (PR) e Caxias do Sul (RS);


Duas da JBS, em Montenegro e Passo Fundo, no Rio Grande do Sul.


Três da Vibra Agroindustrial, em Itapejara D'Oeste e Pato Branco, ambas no Paraná e Sete Lagoas (MG).


Uma da Agroaraçá, em Nova Araçá (RS).


Conforme a Associação Brasileira de Proteína Animal, ABPA, as exportações brasileiras de frango para a Arábia Saudita atingiram 120,8 mil toneladas no primeiro trimestre deste ano. Essa marca representa uma alta de 8,5% em comparação com o ano passado.