Geral

05 mai 21 | 8h00 Por Jocimar Soares

Tragédia em SC choca deputados, que se solidarizam com famílias das vítimas

Assuntos foram abordados nesta terça-feira na Assembleia Legislativa

Tragédia em SC choca deputados, que se solidarizam com famílias das vítimas
Imprimir

A tragédia que se abateu sobre a pacata comunidade de Saudades, no Oeste catarinense, com a invasão de uma creche e o assassinato de duas professoras e três crianças, chocou os parlamentares, que se solidarizaram com as famílias das vítimas na sessão de terça-feira (4) da Assembleia Legislativa.


“Estamos tristes e apreensivos, um jovem invadiu uma escola infantil e acabou vitimando uma professora, uma estagiária e três crianças menores de dois anos. Pelas informações que se gerou, criou um pavor nas escolas por receios de outros ataques. Nossa solidariedade às famílias, às crianças e a todos que estão sofrendo”, declarou Fabiano da Luz (PT).


“Um menor de idade entrou em uma creche e matou crianças, bebês. Fico imaginando os pais das crianças que levam seus filhos para a escola e recebem uma notícia dessas. Se for um menor, vai ficar preso dois, três anos e vai ser solto, mas será que um lixo desses tem condições de viver em sociedade?”, questionou Jessé Lopes (PSL).


“Temos de admitir que há um problema em uma sociedade extremamente violenta. Talvez possamos restringir o porte de armas? Podemos. E o porte de facão? Esse porte todos têm. Temos de nos questionar como o facão chegou na mão (do assassino). Essa é a primeira questão, que é fácil de responder, todos na agricultura têm um facão; segundo ponto: já que todos têm acesso, o que podemos fazer? Evitar videogames? Sim, porque parece que o assassino gostava de videogames”, avaliou Silvio Dreveck (PP).


“O sentimento que temos é de impotência. É preciso fazer uma análise muito séria na saúde mental das pessoas, principalmente dos jovens, ela está muito alterada. Há casos de jovens agredindo a mãe, o pai, avôs e avós, até gatinhos. O ódio está muito impregnado no meio da sociedade. Gostaria de manifestar meu sentimento às famílias das vítimas e para toda população de Saudades, todos estamos chorosos, a gente sente uma dor muito mais profunda pelas crianças”, reconheceu Ada de Luca (MDB).


(Fonte: Alesc)




05 mai 21 | 8h00 Por Jocimar Soares

Tragédia em SC choca deputados, que se solidarizam com famílias das vítimas

Assuntos foram abordados nesta terça-feira na Assembleia Legislativa

Tragédia em SC choca deputados, que se solidarizam com famílias das vítimas

A tragédia que se abateu sobre a pacata comunidade de Saudades, no Oeste catarinense, com a invasão de uma creche e o assassinato de duas professoras e três crianças, chocou os parlamentares, que se solidarizaram com as famílias das vítimas na sessão de terça-feira (4) da Assembleia Legislativa.


“Estamos tristes e apreensivos, um jovem invadiu uma escola infantil e acabou vitimando uma professora, uma estagiária e três crianças menores de dois anos. Pelas informações que se gerou, criou um pavor nas escolas por receios de outros ataques. Nossa solidariedade às famílias, às crianças e a todos que estão sofrendo”, declarou Fabiano da Luz (PT).


“Um menor de idade entrou em uma creche e matou crianças, bebês. Fico imaginando os pais das crianças que levam seus filhos para a escola e recebem uma notícia dessas. Se for um menor, vai ficar preso dois, três anos e vai ser solto, mas será que um lixo desses tem condições de viver em sociedade?”, questionou Jessé Lopes (PSL).


“Temos de admitir que há um problema em uma sociedade extremamente violenta. Talvez possamos restringir o porte de armas? Podemos. E o porte de facão? Esse porte todos têm. Temos de nos questionar como o facão chegou na mão (do assassino). Essa é a primeira questão, que é fácil de responder, todos na agricultura têm um facão; segundo ponto: já que todos têm acesso, o que podemos fazer? Evitar videogames? Sim, porque parece que o assassino gostava de videogames”, avaliou Silvio Dreveck (PP).


“O sentimento que temos é de impotência. É preciso fazer uma análise muito séria na saúde mental das pessoas, principalmente dos jovens, ela está muito alterada. Há casos de jovens agredindo a mãe, o pai, avôs e avós, até gatinhos. O ódio está muito impregnado no meio da sociedade. Gostaria de manifestar meu sentimento às famílias das vítimas e para toda população de Saudades, todos estamos chorosos, a gente sente uma dor muito mais profunda pelas crianças”, reconheceu Ada de Luca (MDB).


(Fonte: Alesc)