Geral

01 jul 20 | 9h15 Por Analu Slongo

Novo vírus: pesquisadora da Embrapa diz que não é preciso pânico - OUÇA

Rejane Schaefer, que estuda sanidade animal, afirma que é um erro comparar influenza com coronavírus

Novo vírus: pesquisadora da Embrapa diz que não é preciso pânico - OUÇA
Escute
Imprimir

A notícia sobre a descoberta de uma nova cepa do vírus da gripe na China deixou muita gente preocupada. Isso porque a pandemia do coronavírus, que iniciou em dezembro de 2019, ainda não passou. A pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves, Rejane Schaefer, diz que não há motivos para pânico (ouça o áudio acima).


Rejane ressalta que os casos geralmente surgem na China porque lá há bastante investimento em pesquisa e, por isso, é geralmente onde surgem os novos registros. É mais ou menos aquela história de quem procura acha e a pesquisadora destaca que isso é positivo para o controle sanitário mundial.


A pesquisadora ainda pontua que esta cepa do influenza não tem nada a ver com o coronavírus e, desta forma, seria um equívoco comparar esta nova descoberta divulgada nesta semana com a pandemia que ainda afeta o mundo. Rejane reforça que a contaminação ocorre somente por meio de contato com secreções nasais. Não é possível se infectar por meio do consumo da carne. Os cientistas afirmam que a nova cepa de gripe identificada na China é semelhante à da gripe suína de 2009, mas com algumas mudanças.



01 jul 20 | 9h15 Por Analu Slongo

Novo vírus: pesquisadora da Embrapa diz que não é preciso pânico - OUÇA

Rejane Schaefer, que estuda sanidade animal, afirma que é um erro comparar influenza com coronavírus

Novo vírus: pesquisadora da Embrapa diz que não é preciso pânico - OUÇA

A notícia sobre a descoberta de uma nova cepa do vírus da gripe na China deixou muita gente preocupada. Isso porque a pandemia do coronavírus, que iniciou em dezembro de 2019, ainda não passou. A pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves, Rejane Schaefer, diz que não há motivos para pânico (ouça o áudio acima).


Rejane ressalta que os casos geralmente surgem na China porque lá há bastante investimento em pesquisa e, por isso, é geralmente onde surgem os novos registros. É mais ou menos aquela história de quem procura acha e a pesquisadora destaca que isso é positivo para o controle sanitário mundial.


A pesquisadora ainda pontua que esta cepa do influenza não tem nada a ver com o coronavírus e, desta forma, seria um equívoco comparar esta nova descoberta divulgada nesta semana com a pandemia que ainda afeta o mundo. Rejane reforça que a contaminação ocorre somente por meio de contato com secreções nasais. Não é possível se infectar por meio do consumo da carne. Os cientistas afirmam que a nova cepa de gripe identificada na China é semelhante à da gripe suína de 2009, mas com algumas mudanças.