Geral

24 fev 20 | 14h25 Por Analu Slongo

Concordiense que vive na Itália fala sobre apreensão com coronavírus - OUÇA

Ana Paula Parizotto está em uma região em que há mortes pela doença

Concordiense que vive na Itália fala sobre apreensão com coronavírus - OUÇA
Escute
Imprimir

A Itália é o terceiro país do mundo com mais casos de coronavírus. Além do grande número de pessoas infectadas pela doença também já foram registradas sete mortes. A concordiense Ana Paula Parizotto está vivendo esse momento de apreensão em território italiano. Na cidade de Bergamo, onde ela reside, uma pessoa morreu em decorrência da doença. Segundo Ana, a rotina de que vive por lá mudou bastante e a população está preocupada (ouça o áudio acima).


Ana conta que as autoridades européias estão pedindo para que os italianos evitem sair de casa neste período crítico. Ela comenta que outra preocupação naquele país é com o uso do transporte coletivo, que é predominantemente feito por trens.


No mundo o vírus infectou cerca de 77 mil pessoas e já matou mais de 2,5 mil chineses, onde ele se originou no ano passado. Na Itália, sete mortes foram confirmadas, no Irã, 12, e na Coreia do Sul, sete. No Brasil não há confirmação da doença.





24 fev 20 | 14h25 Por Analu Slongo

Concordiense que vive na Itália fala sobre apreensão com coronavírus - OUÇA

Ana Paula Parizotto está em uma região em que há mortes pela doença

Concordiense que vive na Itália fala sobre apreensão com coronavírus - OUÇA

A Itália é o terceiro país do mundo com mais casos de coronavírus. Além do grande número de pessoas infectadas pela doença também já foram registradas sete mortes. A concordiense Ana Paula Parizotto está vivendo esse momento de apreensão em território italiano. Na cidade de Bergamo, onde ela reside, uma pessoa morreu em decorrência da doença. Segundo Ana, a rotina de que vive por lá mudou bastante e a população está preocupada (ouça o áudio acima).


Ana conta que as autoridades européias estão pedindo para que os italianos evitem sair de casa neste período crítico. Ela comenta que outra preocupação naquele país é com o uso do transporte coletivo, que é predominantemente feito por trens.


No mundo o vírus infectou cerca de 77 mil pessoas e já matou mais de 2,5 mil chineses, onde ele se originou no ano passado. Na Itália, sete mortes foram confirmadas, no Irã, 12, e na Coreia do Sul, sete. No Brasil não há confirmação da doença.