Esportes

14 jul 20 | 18h06 Por André Krüger

Presidente do CAC lamenta paralisação do Catarinense

A preocupação é com contratos dos jogadores que encerram no fim do mês.

Presidente do CAC lamenta paralisação do Catarinense
Escute
Imprimir

O presidente do Concórdia Atlético Clube, Jonas Guzzatto, em entrevista para a Rádio Aliança, lamentou o fato do Campeonato Catarinense ter paralisado por mais duas semanas por causa do coronavírus. Guzatto destacou que já foram realizadas duas prorrogações de contratos com os atletas, não sendo possível uma nova ampliação nesse prazo, que vence no fim do mês. “Fizemos os esforços para manter a equipe ativa neste período, os salários em dia, os atletas sendo nossos parceiros que aceitaram renegociar os vencimentos. Mas agora com esta nova paralisação fica inviável. Perderemos no final deste mês 90% do elenco. Não temos como fazer novas prorrogações", assegura.


Por causa da covid-19 em alguns jogadores desse catarinense, através de decisão conjunta, o Governo do Estado e a Federação Catarinense de Futebol decidiram adiar por mais 14 dias os jogos das quartas de finais e o jogo contra o rebaixamento. O Concórdia chegou a viajar para o Sul do Estado para o confronto contra o Tubarão pelo descenso, mas teve que voltar para Concórdia já que a decisão de adiar a partida aconteceu na segunda-feira, dia 13, quando a equipe já estava hospedada em Jaguaruna.


Para ilustrar o problema, um dos destaques da equipe concordiense, o atacante Moisés, se apresenta na próxima segunda-feira, dia 20, à Ponte Preta em Campinas, São Paulo.

14 jul 20 | 18h06 Por André Krüger

Presidente do CAC lamenta paralisação do Catarinense

A preocupação é com contratos dos jogadores que encerram no fim do mês.

Presidente do CAC lamenta paralisação do Catarinense

O presidente do Concórdia Atlético Clube, Jonas Guzzatto, em entrevista para a Rádio Aliança, lamentou o fato do Campeonato Catarinense ter paralisado por mais duas semanas por causa do coronavírus. Guzatto destacou que já foram realizadas duas prorrogações de contratos com os atletas, não sendo possível uma nova ampliação nesse prazo, que vence no fim do mês. “Fizemos os esforços para manter a equipe ativa neste período, os salários em dia, os atletas sendo nossos parceiros que aceitaram renegociar os vencimentos. Mas agora com esta nova paralisação fica inviável. Perderemos no final deste mês 90% do elenco. Não temos como fazer novas prorrogações", assegura.


Por causa da covid-19 em alguns jogadores desse catarinense, através de decisão conjunta, o Governo do Estado e a Federação Catarinense de Futebol decidiram adiar por mais 14 dias os jogos das quartas de finais e o jogo contra o rebaixamento. O Concórdia chegou a viajar para o Sul do Estado para o confronto contra o Tubarão pelo descenso, mas teve que voltar para Concórdia já que a decisão de adiar a partida aconteceu na segunda-feira, dia 13, quando a equipe já estava hospedada em Jaguaruna.


Para ilustrar o problema, um dos destaques da equipe concordiense, o atacante Moisés, se apresenta na próxima segunda-feira, dia 20, à Ponte Preta em Campinas, São Paulo.