Eleições 2020

21 out 20 | 6h53 Por Cristiano Mortari

Coligação de Pacheco e Massocco denuncia disseminação de fake news

Material já está com a Polícia Civil de Concórdia e o caso será investigado

Coligação de Pacheco e Massocco denuncia disseminação de fake news
Imprimir

A Coligação "Concórdia não pode parar" faz uma denúncia à Polícia Civil, na terça-feira, dia 20, solicitando a instauração de inquérito para apurar a disseminação de notícias falsas, as famosas fake news, que estariam atingindo a honra dos candidatos. De acordo com a representação, o material que está sendo publicado em redes sociais, pode caracterizar calúnia, injúria e difamação.


O delegado regional, Marcelo Nogueira, é que recebeu o vídeo, entregue pelos representantes da coligação. Segundo ele, o material contém acusações contra várias pessoas e foi editado para que a voz de quem narra o vídeo, não seja reconhecida. "Na nossa análise, ainda preliminar, trata-se de fake news. O vídeo traz uma série de acusações aleatórias com uma voz eletronicamente distorcida, no estilo fake news. O material já está com o setor de investigação", relata Nogueira. "Temos que destacar que a criação, a produção, a divulgação e propagação de notícias falsas se caracterizam crime, por isso orientamos que as pessoas não repassem material que possa caraterizar crime contra a hora, calúnia, injúria e difamação", alerta o delegado.


Outro caso:

Ainda em julho, a Polícia Civil concluiu um Inquérito Policial relativo ao compartilhamento de notícias falsas envolvendo a Prefeitura Municipal, prefeito Rogério Pacheco, lideranças e empresários. Atualmente o processo está com o Ministério Público e pelo menos 10 pessoas foram indiciadas pelo crime contra a honra.





21 out 20 | 6h53 Por Cristiano Mortari

Coligação de Pacheco e Massocco denuncia disseminação de fake news

Material já está com a Polícia Civil de Concórdia e o caso será investigado

Coligação de Pacheco e Massocco denuncia disseminação de fake news

A Coligação "Concórdia não pode parar" faz uma denúncia à Polícia Civil, na terça-feira, dia 20, solicitando a instauração de inquérito para apurar a disseminação de notícias falsas, as famosas fake news, que estariam atingindo a honra dos candidatos. De acordo com a representação, o material que está sendo publicado em redes sociais, pode caracterizar calúnia, injúria e difamação.


O delegado regional, Marcelo Nogueira, é que recebeu o vídeo, entregue pelos representantes da coligação. Segundo ele, o material contém acusações contra várias pessoas e foi editado para que a voz de quem narra o vídeo, não seja reconhecida. "Na nossa análise, ainda preliminar, trata-se de fake news. O vídeo traz uma série de acusações aleatórias com uma voz eletronicamente distorcida, no estilo fake news. O material já está com o setor de investigação", relata Nogueira. "Temos que destacar que a criação, a produção, a divulgação e propagação de notícias falsas se caracterizam crime, por isso orientamos que as pessoas não repassem material que possa caraterizar crime contra a hora, calúnia, injúria e difamação", alerta o delegado.


Outro caso:

Ainda em julho, a Polícia Civil concluiu um Inquérito Policial relativo ao compartilhamento de notícias falsas envolvendo a Prefeitura Municipal, prefeito Rogério Pacheco, lideranças e empresários. Atualmente o processo está com o Ministério Público e pelo menos 10 pessoas foram indiciadas pelo crime contra a honra.