Coronavírus

25 jun 20 | 14h09 Por Analu Slongo

Prefeitura de Concórdia pede reavaliação das mortes por Covid-19

Registro de três óbitos de pessoas que tinham outras doenças gerou questionamentos

Prefeitura de Concórdia pede reavaliação das mortes por Covid-19
Imprimir

Discordando de alguns registros de óbitos, considerados como a causa morte Covid-19, a Administração Municipal de Concórdia convocou reunião para questionar os critérios adotados para confirmar o óbito por coronavírus, já que alguns dos pacientes tinham como consequência básica outras comorbidades. O encontro realizado no fim da tarde de quarta-feira, 24, reuniu representante da Vigilância Epidemiológica do Estado, também da Vigilância do Município, jurídico da prefeitura e a médica infectologista do Hospital São Francisco, Clarissa Guedes.


Na eminência de ocorrer um novo registro de óbito nas estatísticas de Covid-19 de Concórdia, o prefeito Rogério Pacheco buscou entender como ocorre a classificação e conclusão da causa morte, já que os pacientes apresentavam outras doenças, que foram registradas documentalmente pelos médicos que os trataram, mas dentre elas, aparece a contaminação do coronavírus. O questionamento se dá porque, os pacientes haviam sido curados da Covid-19, mas vieram a falecer posterior a isso.


O prefeito Rogério Pacheco diz que esses questionamentos ocorrem há algum tempo. “Solicitamos uma reanálise, de pelo menos, três casos, que acabaram entrando no Sistema de Informação de Mortalidade – SIM do Estado, mas geram dúvidas”, afirma o prefeito. Pacheco cita o exemplo de um paciente que lutava contra um câncer.


Fonte: ASCOM Prefeitura

25 jun 20 | 14h09 Por Analu Slongo

Prefeitura de Concórdia pede reavaliação das mortes por Covid-19

Registro de três óbitos de pessoas que tinham outras doenças gerou questionamentos

Prefeitura de Concórdia pede reavaliação das mortes por Covid-19

Discordando de alguns registros de óbitos, considerados como a causa morte Covid-19, a Administração Municipal de Concórdia convocou reunião para questionar os critérios adotados para confirmar o óbito por coronavírus, já que alguns dos pacientes tinham como consequência básica outras comorbidades. O encontro realizado no fim da tarde de quarta-feira, 24, reuniu representante da Vigilância Epidemiológica do Estado, também da Vigilância do Município, jurídico da prefeitura e a médica infectologista do Hospital São Francisco, Clarissa Guedes.


Na eminência de ocorrer um novo registro de óbito nas estatísticas de Covid-19 de Concórdia, o prefeito Rogério Pacheco buscou entender como ocorre a classificação e conclusão da causa morte, já que os pacientes apresentavam outras doenças, que foram registradas documentalmente pelos médicos que os trataram, mas dentre elas, aparece a contaminação do coronavírus. O questionamento se dá porque, os pacientes haviam sido curados da Covid-19, mas vieram a falecer posterior a isso.


O prefeito Rogério Pacheco diz que esses questionamentos ocorrem há algum tempo. “Solicitamos uma reanálise, de pelo menos, três casos, que acabaram entrando no Sistema de Informação de Mortalidade – SIM do Estado, mas geram dúvidas”, afirma o prefeito. Pacheco cita o exemplo de um paciente que lutava contra um câncer.


Fonte: ASCOM Prefeitura