Coronavírus

01 ago 20 | 13h29 Por Jocimar Soares

Mesmo com Decreto Estadual, transporte coletivo pode continuar em Concórdia

Decreto Municipal teria amparo de aprovação de comissões de combate ao coronavírus

Mesmo com Decreto Estadual, transporte coletivo pode continuar em Concórdia
Imprimir

Mesmo com o Decreto do Governador Carlos Moisés da Silva, proibindo o serviço de transporte coletivo de passageiros intermunicipal, a Hodierna pode continuar com suas operações na próxima semana em Concórdia, com os mesmos horários. A informação foi apurada pelo Departamento de Jornalismo da Rádio Aliança. Porém, a capacidade de passageiros em cada veículo será reduzida de 50% para 35%.


Tal medida atende o Decreto Municipal número 6.552, publicado na sexta-feira, dia 31 de julho, que dispõe sobre esse serviço. Conforme a redação, tanto para o transporte municipal como para o intermunicipal, a regra é "disponibilizar bilhetes de passagens para até 35% da capacidade de assentos de passageiros sentados a posição janela corredor (zigue-zague).


Esse decreto foi publicado ainda durante a tarde. Porém, à noite, em novo Decreto Estadual, a ser publicado no Diário Oficial do Estado, o governador Carlos Moisés da Silva suspendeu o transporte coletivo urbano municipal e intermunicipal de passageiros, por sete dias, a contar a partir da segunda-feira, dia 3 de agosto. Essa medida vale para regiões de Saúde consideradas como "Risco Gravíssimo" para coronavírus pela Regulação Estadual. 


Nesse mesmo decreto, o governador incluiu também a microrregião de Concórdia nesta alta classificação de risco de contágio para a covid-19.


Mesmo que o Decreto Municipal seja mais flexível que o Estadual, uma fonte consultada pela Rádio Aliança explicou que nesse caso, tem que haver a aprovação de uma Comissão de Enfrentamento, que por sua vez repassa para aprovação de uma central estadual de enfrentamento. Tendo a aprovação dessa, é possível ter a vigência da legislação mais flexível. "Nos últimos dias foram feitas várias reuniões com a presença dessa comissão de enfrentamento e foi relatada que a reclassificação da microrregião de 'grave' para 'gravíssima' se deve também à Regulação Estadual, que mandou pacientes de outras regiões para o Hospital São Francisco de Concórdia, que está com os leitos de UTI todos ocupados", explicou essa fonte.


Ainda conforme essa mesma fonte, a comissão estadual teria reconhecido e deliberado favoravelmente ao Decreto Municipal de Concórdia. "A gente informa essa comissão estadual, tem uma aprovação e passa a valer", explica. 


Conforme já informado pela Rádio Aliança, os prefeitos da microrregião do Alto Uruguai de Santa Catarina não concordaram com a reclassificação os municípios para "Risco Gravíssimo". No entendimento deles, as prefeituras fizeram o dever de casa e a região não pode ser "penalizada" com o envio de pacientes de outras regiões.


A reportagem da Rádio Aliança também procurou a direção da Hodierna, empresa que opera o sistema de transporte municipal de passageiro. A empresa confirma que vai continuar com os trabalhos e adotando todos os protocolos para evitar a propagação do coronavírus como o uso de álcool em gel e desinfecção dos veículos, por exemplo.



01 ago 20 | 13h29 Por Jocimar Soares

Mesmo com Decreto Estadual, transporte coletivo pode continuar em Concórdia

Decreto Municipal teria amparo de aprovação de comissões de combate ao coronavírus

Mesmo com Decreto Estadual, transporte coletivo pode continuar em Concórdia

Mesmo com o Decreto do Governador Carlos Moisés da Silva, proibindo o serviço de transporte coletivo de passageiros intermunicipal, a Hodierna pode continuar com suas operações na próxima semana em Concórdia, com os mesmos horários. A informação foi apurada pelo Departamento de Jornalismo da Rádio Aliança. Porém, a capacidade de passageiros em cada veículo será reduzida de 50% para 35%.


Tal medida atende o Decreto Municipal número 6.552, publicado na sexta-feira, dia 31 de julho, que dispõe sobre esse serviço. Conforme a redação, tanto para o transporte municipal como para o intermunicipal, a regra é "disponibilizar bilhetes de passagens para até 35% da capacidade de assentos de passageiros sentados a posição janela corredor (zigue-zague).


Esse decreto foi publicado ainda durante a tarde. Porém, à noite, em novo Decreto Estadual, a ser publicado no Diário Oficial do Estado, o governador Carlos Moisés da Silva suspendeu o transporte coletivo urbano municipal e intermunicipal de passageiros, por sete dias, a contar a partir da segunda-feira, dia 3 de agosto. Essa medida vale para regiões de Saúde consideradas como "Risco Gravíssimo" para coronavírus pela Regulação Estadual. 


Nesse mesmo decreto, o governador incluiu também a microrregião de Concórdia nesta alta classificação de risco de contágio para a covid-19.


Mesmo que o Decreto Municipal seja mais flexível que o Estadual, uma fonte consultada pela Rádio Aliança explicou que nesse caso, tem que haver a aprovação de uma Comissão de Enfrentamento, que por sua vez repassa para aprovação de uma central estadual de enfrentamento. Tendo a aprovação dessa, é possível ter a vigência da legislação mais flexível. "Nos últimos dias foram feitas várias reuniões com a presença dessa comissão de enfrentamento e foi relatada que a reclassificação da microrregião de 'grave' para 'gravíssima' se deve também à Regulação Estadual, que mandou pacientes de outras regiões para o Hospital São Francisco de Concórdia, que está com os leitos de UTI todos ocupados", explicou essa fonte.


Ainda conforme essa mesma fonte, a comissão estadual teria reconhecido e deliberado favoravelmente ao Decreto Municipal de Concórdia. "A gente informa essa comissão estadual, tem uma aprovação e passa a valer", explica. 


Conforme já informado pela Rádio Aliança, os prefeitos da microrregião do Alto Uruguai de Santa Catarina não concordaram com a reclassificação os municípios para "Risco Gravíssimo". No entendimento deles, as prefeituras fizeram o dever de casa e a região não pode ser "penalizada" com o envio de pacientes de outras regiões.


A reportagem da Rádio Aliança também procurou a direção da Hodierna, empresa que opera o sistema de transporte municipal de passageiro. A empresa confirma que vai continuar com os trabalhos e adotando todos os protocolos para evitar a propagação do coronavírus como o uso de álcool em gel e desinfecção dos veículos, por exemplo.