Coronavírus

27 mai 20 | 16h07 Por Analu Slongo

IFC Concórdia produzirá respiradores de baixo custo

Equipamento será destinado especialmente às localidades que não dispõem de recursos para a compra

IFC Concórdia produzirá respiradores de baixo custo
Imprimir

O Instituto Federal Catarinense, campus Concórdia, poderá construir de 80 a 100 respiradores e entregá-los à comunidade até agosto. Isso porque o projeto para produção de um modelo de respirador mecânico foi aprovado pelo Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) em um edital de enfrentamento à Covid-19, e receberá R$ 120 mil para compra de materiais e equipamentos.


Conforme o coordenador do projeto, professor Mário Lettieri Teixeira, o respirador é elaborado por impressão 3D, de baixo custo, não-invasivo e com biofuncionalização à base de moléculas de núcleo quinolínico. O equipamento será destinado especialmente às localidades que não dispõem de recursos para a compra de respiradores e que ofereçam serviços de saúde de baixa e média complexidade, uma vez que é de simples execução e manuseio, construído com materiais de fácil aquisição e poucos recursos financeiros.


Conforme explica o professor Mário, a ideia para confecção do protótipo surgiu de uma linha de pesquisa trabalhada desde o ano passado com o objetivo de diagnosticar e/ou tratar doenças a partir do desenvolvimento de patentes. “O projeto está baseado no conceito “DIY” (faça você mesmo, em inglês). Por ser não-invasivo, é de fácil uso pelo paciente. Como há a associação de um fármaco com ação antimicrobiana, antiviral, trará uma condição de uso clínico satisfatório, impedindo a contaminação de pacientes por patógenos comunitários de infecção respiratória”, afirma.


O processo de execução do protótipo já iniciou, com a modelagem em 3D executada no Laboratório de Bioquímica e Toxicologia do IFC Concórdia. A cotação dos materiais necessários para a construção dos equipamentos também já foi realizada. A equipe aguarda a liberação do recurso aprovado para iniciar o processo de compras de equipamentos e materiais para confecção dos respiradores.


Além dessa proposta, intitulada “Prototipagem de equipamento de ventilação mecânica não invasiva de baixo custo biofuncionalizado para o atendimento de pacientes infectados por SARS-CoV-2 em setores de saúde de baixa e média complexidade”, há outro projeto aprovado no IFC, denominado “SIMTEC – Sistema Independente Multiplataforma (computador, celular ou tablet) para Teleatendimento em Epidemias no Combate ao Coronavírus” a ser executado no campus Rio do Sul. Juntos, os projetos dos dois campi somam R$ 310 mil de apoio financeiro da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação (MEC). Em todo o país, o Conif selecionou 48 projetos, que receberão ao todo mais de R$ 6 milhões.


Fonte: Nanachara Sperb, ASCOM IFC Concórdia

27 mai 20 | 16h07 Por Analu Slongo

IFC Concórdia produzirá respiradores de baixo custo

Equipamento será destinado especialmente às localidades que não dispõem de recursos para a compra

IFC Concórdia produzirá respiradores de baixo custo

O Instituto Federal Catarinense, campus Concórdia, poderá construir de 80 a 100 respiradores e entregá-los à comunidade até agosto. Isso porque o projeto para produção de um modelo de respirador mecânico foi aprovado pelo Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) em um edital de enfrentamento à Covid-19, e receberá R$ 120 mil para compra de materiais e equipamentos.


Conforme o coordenador do projeto, professor Mário Lettieri Teixeira, o respirador é elaborado por impressão 3D, de baixo custo, não-invasivo e com biofuncionalização à base de moléculas de núcleo quinolínico. O equipamento será destinado especialmente às localidades que não dispõem de recursos para a compra de respiradores e que ofereçam serviços de saúde de baixa e média complexidade, uma vez que é de simples execução e manuseio, construído com materiais de fácil aquisição e poucos recursos financeiros.


Conforme explica o professor Mário, a ideia para confecção do protótipo surgiu de uma linha de pesquisa trabalhada desde o ano passado com o objetivo de diagnosticar e/ou tratar doenças a partir do desenvolvimento de patentes. “O projeto está baseado no conceito “DIY” (faça você mesmo, em inglês). Por ser não-invasivo, é de fácil uso pelo paciente. Como há a associação de um fármaco com ação antimicrobiana, antiviral, trará uma condição de uso clínico satisfatório, impedindo a contaminação de pacientes por patógenos comunitários de infecção respiratória”, afirma.


O processo de execução do protótipo já iniciou, com a modelagem em 3D executada no Laboratório de Bioquímica e Toxicologia do IFC Concórdia. A cotação dos materiais necessários para a construção dos equipamentos também já foi realizada. A equipe aguarda a liberação do recurso aprovado para iniciar o processo de compras de equipamentos e materiais para confecção dos respiradores.


Além dessa proposta, intitulada “Prototipagem de equipamento de ventilação mecânica não invasiva de baixo custo biofuncionalizado para o atendimento de pacientes infectados por SARS-CoV-2 em setores de saúde de baixa e média complexidade”, há outro projeto aprovado no IFC, denominado “SIMTEC – Sistema Independente Multiplataforma (computador, celular ou tablet) para Teleatendimento em Epidemias no Combate ao Coronavírus” a ser executado no campus Rio do Sul. Juntos, os projetos dos dois campi somam R$ 310 mil de apoio financeiro da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação (MEC). Em todo o país, o Conif selecionou 48 projetos, que receberão ao todo mais de R$ 6 milhões.


Fonte: Nanachara Sperb, ASCOM IFC Concórdia