Coronavírus

08 jan 22 | 17h01 Por André Krüger

Amauc se mantém no nível moderado pela décima semana consecutiva

Já em Santa Catarina, 15 regiões estão no nível moderado e duas no alto

Amauc se mantém no nível moderado pela décima semana consecutiva
Imprimir

A microrregião do Alto Uruguai de Santa Catarina, Amauc, se mantém no nível moderado no mapa de risco sanitário do coronavírus pela décima semana seguida. A Divulgação foi feita na tarde deste sábado, dia 8, pela Secretaria de Estado da Saúde.


Já em Santa Catarina, a Matriz de Risco Regionalizada, aponta 15 regiões classificadas como potencial moderado (cor azul) e duas regiões no nível alto (cor amarelo).


Em um comparativo com o relatório divulgado na semana anterior, houve piora na Região da Grande Florianópolis e na Região Carbonífera, que antes estavam em risco moderado e agora estão em alto risco. As Regiões Meio Oeste e Nordeste, porém, melhoraram nos indicadores.


Na dimensão de gravidade, que contempla os indicadores de mortalidade e tendência de internação por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), todas as Regiões da Saúde foram classificadas no alto risco, com exceção de Xanxerê. Diferente da matriz divulgada na semana passada, nenhuma região se encontra no nível grave.


Na divulgação do boletim deste sábado, a microrregião da Amauc estava com a nota 1,75 e baixou para a 1,63. 


Conforme a Matriz de Risco Potencial Regionalizado, a região aumentou a nota em um dos quatro quesitos do mapa de risco. Na "gravidade", que mede a ocorrência de óbitos por Covid-19 e tendência de internações por síndrome respiratória aguda grave, a nota de 2,50 baixou para 2,00.


Na metodologia "transmissibilidade", que analisa os casos confirmados por exame de PCR e casos infectantes, a nota de 1,00, aumentou para 2,50.


No "monitoramento", que mede o percentual de vacinados com a segunda ou dose única e a variação de novos casos na semana, a nota 2,50 baixou para 1,00.


Já no item "capacidade de atenção" que analisa a taxa de ocupação de leitos de UTIs reservadas para covid-19, a nota permaneceu em 1,00.


08 jan 22 | 17h01 Por André Krüger

Amauc se mantém no nível moderado pela décima semana consecutiva

Já em Santa Catarina, 15 regiões estão no nível moderado e duas no alto

Amauc se mantém no nível moderado pela décima semana consecutiva

A microrregião do Alto Uruguai de Santa Catarina, Amauc, se mantém no nível moderado no mapa de risco sanitário do coronavírus pela décima semana seguida. A Divulgação foi feita na tarde deste sábado, dia 8, pela Secretaria de Estado da Saúde.


Já em Santa Catarina, a Matriz de Risco Regionalizada, aponta 15 regiões classificadas como potencial moderado (cor azul) e duas regiões no nível alto (cor amarelo).


Em um comparativo com o relatório divulgado na semana anterior, houve piora na Região da Grande Florianópolis e na Região Carbonífera, que antes estavam em risco moderado e agora estão em alto risco. As Regiões Meio Oeste e Nordeste, porém, melhoraram nos indicadores.


Na dimensão de gravidade, que contempla os indicadores de mortalidade e tendência de internação por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), todas as Regiões da Saúde foram classificadas no alto risco, com exceção de Xanxerê. Diferente da matriz divulgada na semana passada, nenhuma região se encontra no nível grave.


Na divulgação do boletim deste sábado, a microrregião da Amauc estava com a nota 1,75 e baixou para a 1,63. 


Conforme a Matriz de Risco Potencial Regionalizado, a região aumentou a nota em um dos quatro quesitos do mapa de risco. Na "gravidade", que mede a ocorrência de óbitos por Covid-19 e tendência de internações por síndrome respiratória aguda grave, a nota de 2,50 baixou para 2,00.


Na metodologia "transmissibilidade", que analisa os casos confirmados por exame de PCR e casos infectantes, a nota de 1,00, aumentou para 2,50.


No "monitoramento", que mede o percentual de vacinados com a segunda ou dose única e a variação de novos casos na semana, a nota 2,50 baixou para 1,00.


Já no item "capacidade de atenção" que analisa a taxa de ocupação de leitos de UTIs reservadas para covid-19, a nota permaneceu em 1,00.