Concórdia

13 jun | 9h48 Por Rádio Aliança

Polícia Civil investiga suposto cárcere privado em boate de Concórdia

Fato foi denunciado nos últimos dias pela vítima, na Central de Polícia Civil.

Polícia Civil investiga suposto cárcere privado em boate de Concórdia
Imprimir

A Polícia Civil de Concórdia irá investigar o que pode ser considerado um caso de cárcere privado. O fato foi denunciado nesta semana pela vítima, uma jovem de 23 anos. O local do cárcere seria uma boate.


O fato foi denunciado porque a jovem conseguiu, de acordo com ela, fugir do local. Ela relata que trabalha nessa boate e que teria solicitado a saída do estabelecimento para cuidar da mãe, que estaria com problemas de saúde. Conforme o B.O, os proprietários do local não teriam aceitado e teriam exigido uma quantia de R$ 800,00 para ela deixar o local.


Na última sexta-feira, a jovem conseguiu escapar, foi até a rodoviária comprar a passagem e fez o Boletim de Ocorrência, na Central de Polícia Civil. Ela diz que os patrões começaram a ameaçá-la no whatsapp.


A ocorrência foi registrada como sequestro e cárcere privado.

 

(Com informações do repórter André Krüger).

13 jun | 9h48 Por Rádio Aliança

Polícia Civil investiga suposto cárcere privado em boate de Concórdia

Fato foi denunciado nos últimos dias pela vítima, na Central de Polícia Civil.

Polícia Civil investiga suposto cárcere privado em boate de Concórdia

A Polícia Civil de Concórdia irá investigar o que pode ser considerado um caso de cárcere privado. O fato foi denunciado nesta semana pela vítima, uma jovem de 23 anos. O local do cárcere seria uma boate.


O fato foi denunciado porque a jovem conseguiu, de acordo com ela, fugir do local. Ela relata que trabalha nessa boate e que teria solicitado a saída do estabelecimento para cuidar da mãe, que estaria com problemas de saúde. Conforme o B.O, os proprietários do local não teriam aceitado e teriam exigido uma quantia de R$ 800,00 para ela deixar o local.


Na última sexta-feira, a jovem conseguiu escapar, foi até a rodoviária comprar a passagem e fez o Boletim de Ocorrência, na Central de Polícia Civil. Ela diz que os patrões começaram a ameaçá-la no whatsapp.


A ocorrência foi registrada como sequestro e cárcere privado.

 

(Com informações do repórter André Krüger).