Concórdia

10 dez 19 | 15h04 Por Analu Slongo

OUÇA - Fretta desabafa e solta o verbo na última sessão do ano

Artêmio Ortigara (PL) diz que o plenário é soberano e não é o presidente quem manda no Legislativo

OUÇA - Fretta desabafa e solta o verbo na última sessão do ano
Escute
Imprimir

A última sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Concórdia, realizada na manhã da terça-feira, 10, não teve o clima calma e cordial das festas de fim de ano. Os discursos de encerramento até surgiram, mas não foram o destaque. Tudo isso porque os vereadores da base do governo apresentaram um requerimento pedindo que a votação dos projetos que são oriundos do Diagnóstico Socioambiental fosse incluída na pauta. O presidente do Legislativo, Mauro Fretta (PSB), manteve a posição de deixar esta matéria para o ano que vem. Fretta desabafou e soltou o verbo (ouça o áudio acima).


Artêmio Ortigara (PL) não deixou por menos e rebateu a fala de Mauro Fretta, insistindo que a votação dos projetos que vão permitir reduzir o afastamento do rio dos Queimados e afluentes para as construções seja votada em 2019 e não fique para as sessões de fevereiro do ano que vem. Anderson Guzzatto (PL) também pediu a votação. Closmar Zagonel (MDB) insistiu que é preciso divulgar o conteúdo deste projeto para a sociedade.


A votação dos projetos que tratam dos afastamentos dos rios para as construções ficou para 2020. No entanto, ainda há uma articulação do governo municipal para que Fretta convoque sessões extraordinárias ainda em dezembro para votar essa matéria. 



Veja nas imagens abaixo a proposta de afastamentos que está no projeto

10 dez 19 | 15h04 Por Analu Slongo

OUÇA - Fretta desabafa e solta o verbo na última sessão do ano

Artêmio Ortigara (PL) diz que o plenário é soberano e não é o presidente quem manda no Legislativo

OUÇA - Fretta desabafa e solta o verbo na última sessão do ano

A última sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Concórdia, realizada na manhã da terça-feira, 10, não teve o clima calma e cordial das festas de fim de ano. Os discursos de encerramento até surgiram, mas não foram o destaque. Tudo isso porque os vereadores da base do governo apresentaram um requerimento pedindo que a votação dos projetos que são oriundos do Diagnóstico Socioambiental fosse incluída na pauta. O presidente do Legislativo, Mauro Fretta (PSB), manteve a posição de deixar esta matéria para o ano que vem. Fretta desabafou e soltou o verbo (ouça o áudio acima).


Artêmio Ortigara (PL) não deixou por menos e rebateu a fala de Mauro Fretta, insistindo que a votação dos projetos que vão permitir reduzir o afastamento do rio dos Queimados e afluentes para as construções seja votada em 2019 e não fique para as sessões de fevereiro do ano que vem. Anderson Guzzatto (PL) também pediu a votação. Closmar Zagonel (MDB) insistiu que é preciso divulgar o conteúdo deste projeto para a sociedade.


A votação dos projetos que tratam dos afastamentos dos rios para as construções ficou para 2020. No entanto, ainda há uma articulação do governo municipal para que Fretta convoque sessões extraordinárias ainda em dezembro para votar essa matéria. 



Veja nas imagens abaixo a proposta de afastamentos que está no projeto