Concórdia

14 nov 19 | 11h53 Por Analu Slongo

Gonçalves denuncia irregularidade em contrato de aluguéis da Prefeitura de Concórdia

Vereador diz que o fato já está sendo apurado pelo Ministério Público, que abriu um inquérito civil

Gonçalves denuncia irregularidade em contrato de aluguéis da Prefeitura de Concórdia
Escute
Imprimir

O pagamento de aluguéis para abrigar secretarias e fundações da Prefeitura de Concórdia voltou para a pauta da Câmara de Vereadores nesta semana. Edno Gonçalves (PDT) criticou os valores que são pagos, mais de R$ 1 milhão por ano, e ainda levou à tribuna suposta irregularidades na contratação de imóveis que pertencem a empresas ou pessoas físicas que doaram dinheiro para a campanha eleitoral.


Segundo Gonçalves, uma lei municipal aprovada em 2018 impõe algumas restrições para contratos de aluguéis (ouça o áudio acima). O vereador cita os contratos administrativos número 05/2018 e 148/2014, que se referem aos imóveis onde funcionam a Secretaria de Saúde e de Educação.


Gonçalves diz que há valores de aluguéis que foram pagos de forma indevida e o Ministério Público já instaurou um inquérito civil para investigar essa situação. A Prefeitura de Concórdia foi procurada pelo Jornalismo da Aliança para se manifestar sobre essa denúncia e deverá se manifestar na tarde desta quinta-feira, 14 de novembro.


14 nov 19 | 11h53 Por Analu Slongo

Gonçalves denuncia irregularidade em contrato de aluguéis da Prefeitura de Concórdia

Vereador diz que o fato já está sendo apurado pelo Ministério Público, que abriu um inquérito civil

Gonçalves denuncia irregularidade em contrato de aluguéis da Prefeitura de Concórdia

O pagamento de aluguéis para abrigar secretarias e fundações da Prefeitura de Concórdia voltou para a pauta da Câmara de Vereadores nesta semana. Edno Gonçalves (PDT) criticou os valores que são pagos, mais de R$ 1 milhão por ano, e ainda levou à tribuna suposta irregularidades na contratação de imóveis que pertencem a empresas ou pessoas físicas que doaram dinheiro para a campanha eleitoral.


Segundo Gonçalves, uma lei municipal aprovada em 2018 impõe algumas restrições para contratos de aluguéis (ouça o áudio acima). O vereador cita os contratos administrativos número 05/2018 e 148/2014, que se referem aos imóveis onde funcionam a Secretaria de Saúde e de Educação.


Gonçalves diz que há valores de aluguéis que foram pagos de forma indevida e o Ministério Público já instaurou um inquérito civil para investigar essa situação. A Prefeitura de Concórdia foi procurada pelo Jornalismo da Aliança para se manifestar sobre essa denúncia e deverá se manifestar na tarde desta quinta-feira, 14 de novembro.